Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

30
Jun22

Atrás da Cortina de Estanho: BRICS+ vs OTAN/G7

José Pacheco

O ocidente está nostalgicamente envolvido com políticas de 'contenção' ultrapassadas, desta vez contra a integração do Sul Global. Infelizmente para eles, o resto do mundo está seguindo em frente, juntos.

Era uma vez uma Cortina de Ferro que dividia o continente europeu. Cunhado pelo ex-primeiro-ministro britânico Winston Churchill, o termo foi em referência aos esforços da então União Soviética para criar uma fronteira física e ideológica com o oeste. Este último, por sua vez, seguiu uma política de contenção contra a disseminação e influência do comunismo.

Avançando rapidamente para a era contemporânea do tecno-feudalismo , e agora existe o que deveria ser chamado de Cortina de Estanho, fabricada pelo ocidente medroso, sem noção, coletivo, via G7 e OTAN: desta vez, essencialmente para conter a integração do Sul Global .

BRICS contra G7

O exemplo mais recente e significativo dessa integração foi a saída do BRICS+ na cúpula online da semana passada organizada por Pequim. Isso foi muito além de estabelecer os contornos de um 'novo G8', muito menos uma alternativa ao G7.

Basta olhar para os interlocutores dos cinco BRICS históricos (Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul): encontramos um microcosmo do Sul Global, englobando Sudeste Asiático, Ásia Central, Ásia Ocidental, África e América do Sul – colocando verdadeiramente o “Global” no Sul Global.

De forma reveladora, as mensagens claras do presidente russo Vladimir Putin durante a cúpula de Pequim, em nítido contraste com a propaganda do G7, foram na verdade dirigidas a todo o Sul Global:

– A Rússia cumprirá suas obrigações de fornecer energia e fertilizantes.

– A Rússia espera uma boa colheita de grãos – e fornecer até 50 milhões de toneladas aos mercados mundiais.

– A Rússia garantirá a passagem de navios de grãos em águas internacionais, mesmo que Kiev tenha minerado portos ucranianos.

– A situação negativa dos grãos ucranianos é inflada artificialmente.

– O forte aumento da inflação em todo o mundo é resultado da irresponsabilidade dos países do G7, não da Operação Z na Ucrânia.

– O desequilíbrio das relações mundiais vem se formando há muito tempo e se tornou um resultado inevitável da erosão do direito internacional.

Um sistema alternativo

Putin também abordou diretamente um dos principais temas que os BRICS vêm discutindo em profundidade desde os anos 2000 – o desenho e a implementação de uma moeda de reserva internacional.

“O Sistema Russo de Mensagens Financeiras está aberto para conexão com bancos dos países do BRICS.”

“O sistema russo de pagamentos MIR está expandindo sua presença. Estamos explorando a possibilidade de criar uma moeda de reserva internacional baseada na cesta de moedas do BRICS”, disse o líder russo.

Isso é inevitável após as histéricas sanções ocidentais pós-Operação Z; a desdolarização total imposta a Moscou; e aumento do comércio entre as nações do BRICS. Por exemplo, até 2030, um quarto da demanda de petróleo do planeta virá da China e da Índia, sendo a Rússia o principal fornecedor.

O “RIC” nos BRICS simplesmente não pode correr o risco de ficar de fora de um sistema financeiro dominado pelo G7. Até a Índia, que anda na corda bamba,  está começando a entender.

Quem fala pela 'comunidade internacional?'

Em seu estágio atual, os BRICS representam 40% da população mundial, 25% da economia global, 18% do comércio mundial e contribuem com mais de 50% para o crescimento econômico mundial. Todos os indicadores estão subindo.

Sergey Storchak, CEO do banco russo VEG, enquadrou-o de forma bastante diplomática: “Se as vozes dos mercados emergentes não forem ouvidas nos próximos anos, precisamos pensar muito seriamente sobre a criação de um sistema regional paralelo, ou talvez um sistema global. ”

Um “sistema regional paralelo” já está sendo ativamente discutido entre a União Econômica da Eurásia (EAEU) e a China, coordenado pelo Ministro da Integração e Macroeconomia Sergey Glazyev, que recentemente escreveu um manifesto impressionante ampliando suas ideias sobre a soberania econômica mundial.

Desenvolvendo o 'mundo em desenvolvimento'

O que acontece na frente financeira trans-eurasiana seguirá em paralelo com uma estratégia de desenvolvimento chinesa até agora pouco conhecida: a Iniciativa de Desenvolvimento Global (GDI), anunciada pelo presidente Xi Jinping na Assembleia Geral da ONU no ano passado.

O GDI pode ser visto como um mecanismo de apoio da estratégia abrangente – que continua sendo a Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), consistindo em corredores econômicos que interligam a Eurásia até sua península ocidental, a Europa.

No  Diálogo de Alto Nível sobre Desenvolvimento Global , parte da cúpula do BRICS, o Sul Global conheceu um pouco mais sobre a GDI, organização criada em 2015.

Em poucas palavras, o GDI visa turbinar a cooperação internacional para o desenvolvimento, complementando o financiamento de uma infinidade de órgãos, por exemplo, o Fundo de Cooperação Sul-Sul, a Associação Internacional de Desenvolvimento (IDA), o Fundo Asiático de Desenvolvimento (ADF) e o Fundo Mundial para o Meio Ambiente (GEF).

As prioridades incluem “redução da pobreza, segurança alimentar, resposta à COVID-19 e vacinas”, industrialização e infraestrutura digital. Posteriormente, um grupo de Amigos do GDI foi estabelecido no início de 2022 e já atraiu mais de 50 nações.

A BRI e a GDI devem avançar em conjunto, mesmo quando o próprio Xi deixou claro durante a cúpula do BRICS que “alguns países estão politizando e marginalizando a agenda de desenvolvimento construindo muros e aplicando sanções incapacitantes a outros”.

Por outro lado, o desenvolvimento sustentável não é exatamente a xícara de chá do G7, muito menos da OTAN.

Sete contra o mundo

O principal objetivo declarado da cúpula do G7 em Schloss Elmau, nos Alpes da Baviera, é “projetar unidade” – como nos fortes do oeste coletivo (incluindo o Japão) unidos em “apoio” sustentável e indefinido ao estado ucraniano irremediavelmente falido.

Isso faz parte da “luta contra o imperialismo de Putin”, mas também há “a luta contra a fome e a pobreza, a crise de saúde e as mudanças climáticas”, como disse o chanceler alemão Scholz ao Bundestag.

Na Baviera, Scholz pressionou por um Plano Marshall para a Ucrânia – um conceito ridículo, considerando Kiev e seus arredores, que poderia ser reduzido a um estado insignificante até o final de 2022. A noção de que o G7 pode trabalhar para “evitar uma fome catastrófica, ” segundo Scholz, chega a um paroxismo de ridículo, já que a fome iminente é uma consequência direta da histeria das sanções impostas pelo G7.

O fato de Berlim ter convidado a Índia, a Indonésia, a África do Sul e o Senegal como complementos do G7 serviu como um alívio cômico adicional.

A cortina de lata está levantada

Seria inútil esperar da espantosa coleção de mediocridades “unidas” na Baviera, sob a liderança de fato da Comissão Europeia (CE), Fuehrer Ursula von der Leyen, qualquer análise substancial sobre o colapso das cadeias de suprimentos globais e as razões que forçou Moscou a reduzir os fluxos de gás para a Europa. Em vez disso, culparam Putin e Xi.

Bem-vindo à Cortina de Estanho - uma reinvenção do século 21 do Intermarium do Báltico ao Mar Negro, idealizado pelo Império das Mentiras, completo com a Ucrânia ocidental absorvida pela Polônia, os Três Anões do Báltico: Bulgária, Romênia, Eslovênia, República Tcheca e até mesmo a Suécia e a Finlândia, aspirantes à OTAN, todas protegidas da “ameaça russa”.

Uma UE fora de controle

O papel da UE, dominando a Alemanha, a França e a Itália dentro do G7, é particularmente instrutivo, especialmente agora que a Grã-Bretanha voltou ao status de um estado insular inconsequente.

Todos os anos são emitidas cerca de 60 «directivas» europeias. Eles devem ser transpostos imperativamente para o direito interno de cada estado-membro da UE. Na maioria dos casos, não há debate algum.

Depois, há mais de 10.000 'decisões' européias, onde 'especialistas' da Comissão Européia (CE) em Bruxelas emitem 'recomendações' a todos os governos, diretamente do cânone neoliberal, sobre suas despesas, suas receitas e 'reformas' ( sobre saúde, educação, pensões) que devem ser obedecidas.

Assim, as eleições em cada nação-membro da UE são absolutamente sem sentido. Chefes de governos nacionais – Macron, Scholz, Draghi – são meros executores. Nenhum debate democrático é permitido: a 'democracia', assim como os 'valores da UE', não passam de cortinas de fumaça.

O verdadeiro governo é exercido por um bando de apparatchiks escolhidos pelo compromisso entre os poderes executivos, agindo de maneira supremamente opaca.

A CE está totalmente fora de qualquer tipo de controle. Foi assim que uma mediocridade impressionante como Ursula von der Leyen – anteriormente a pior Ministra da Defesa da Alemanha moderna – foi catapultada para se tornar o atual Führer da CE, ditando sua política externa, energética e até econômica.

o que eles representam?

Do ponto de vista do ocidente, a Cortina de Estanho, apesar de todos os seus tons sinistros da Guerra Fria 2.0, é apenas uma entrada antes do prato principal: confronto hardcore na Ásia-Pacífico – renomeado “Indo-Pacífico” – uma cópia carbono da raquete da Ucrânia projetado para conter o BRI e o GDI da China.

Como contragolpe, é esclarecedor observar como a chancelaria chinesa agora destaca em detalhes o contraste entre BRICS – e BRICS+ – e o combo imperial AUKUS/Quad/IPEF.

BRICS significa multilateralismo de fato; foco no desenvolvimento global; cooperação para a recuperação econômica; e melhorar a governança global.

A raquete inventada pelos EUA, por outro lado, representa a mentalidade da Guerra Fria; explorar países em desenvolvimento; conspirando para conter a China; e uma política que prioriza os Estados Unidos que consagra a “ordem internacional baseada em regras” monopolista.

Seria equivocado esperar que os luminares do G7 reunidos na Baviera entendessem o absurdo de impor um teto de preço às exportações russas de petróleo e gás, por exemplo. Se isso realmente acontecer, Moscou não terá problemas para cortar totalmente o fornecimento de energia ao G7. E se outras nações forem excluídas, o preço do petróleo e do gás que importam aumentaria drasticamente.

BRICS abrindo caminho

Portanto, não é de admirar que o futuro seja ameaçador. Em uma entrevista impressionante à TV estatal da Bielorrússia , o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, resumiu como “o Ocidente teme a concorrência honesta”.

Daí o ápice da cultura do cancelamento e “supressão de tudo que contradiz de alguma forma a visão e o arranjo neoliberal do mundo”. Lavrov também resumiu o roteiro à frente, para o benefício de todo o Sul Global:

“Não precisamos de um novo G8. Já temos estruturas… principalmente na Eurásia. A EAEU está promovendo ativamente os processos de integração com a RPC, alinhando a Iniciativa do Cinturão e Rota da China com os planos de integração da Eurásia. Membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático estão analisando de perto esses planos. Alguns deles estão assinando acordos de zona de livre comércio com a EAEU. A Organização de Cooperação de Xangai também faz parte desses processos... Há mais uma estrutura além das fronteiras geográficas da Eurásia.”

“É o BRICS. Essa associação depende cada vez menos do estilo ocidental de fazer negócios e das regras ocidentais para moeda internacional, instituições financeiras e comerciais. Eles preferem métodos mais justos que não fazem nenhum processo depender do papel dominante do dólar ou de alguma outra moeda. O G20 representa plenamente o BRICS e mais cinco países que compartilham as posições do BRICS, enquanto o G7 e seus apoiadores estão do outro lado das barricadas.”

“Este é um equilíbrio sério. O G20 pode se deteriorar se o Ocidente o usar para fomentar o confronto. As estruturas que mencionei (SCO, BRICS, ASEAN, EAEU e CIS) dependem de consenso, respeito mútuo e equilíbrio de interesses, em vez de uma demanda para aceitar realidades mundiais unipolares.”

Cortina de lata? Mais como Cortina Rasgada.

 

28 de junho de 2022

29
Jun22

A Guerra Faz a Clareza

José Pacheco

Na América – como na Europa – há medo e raiva pela desintegração do sistema, escreve Alastair Crooke.

O acidente de trem é esperado há tanto tempo que nos tornamos confortáveis ​​vivendo sob sua sombra. A vida continuou; os mercados estavam otimistas de que o subsídio ao estilo de vida de mercado fornecido pelos Bancos Centrais continuaria inabalável. E não sem uma boa razão também: qualquer decepção do trader com a ação do Banco Central, qualquer queda nos mercados, provocava um chilique coletivo no mercado que geralmente forçava os Bancos Centrais a um apaziguamento imediato. Fomos pressionados a imaginar de forma diferente.

Agora, no entanto, estamos em uma nova era, de muitas maneiras. O Ocidente entrou em guerra com a Rússia e a China. O Ocidente, no entanto, não fez sua lição de casa primeiro, e agora está descobrindo que a 'guerra' está revelando cruelmente a rigidez estrutural e as falhas inerentes ao seu próprio sistema econômico, em vez de explorar as fraquezas de seus rivais.

Por que essa nova era é tão grave? Em primeiro lugar, por causa do que está 'debaixo das pedras'. Essas contradições estruturais vêm se acumulando ao longo de décadas, espreitando no lado escuro e úmido das pedras. Mantidos escondidos da vista pelo resultado econômico fortuito (para os EUA) da Segunda Guerra Mundial, e a combinação igualmente fortuita de fatores que mantiveram a inflação baixa (tão baixa que os economistas ocidentais acreditavam ter encontrado o 'santo graal' da 'flexibilização' monetária - eles baniu as recessões para sempre). Tão simples, realmente, basta ligar a impressora de dinheiro!

A arrogância prevaleceu. Foi mágico: uma 'nova economia'. E então, inadvertidamente, a equipe Biden chutou as pedras em sua ânsia de reduzir a Rússia ao tamanho (instigando sanções e roubando as reservas estrangeiras da Rússia). E a inflação era a serpente debaixo da rocha. Há muito latente, invisível, mas sempre presente. E não mais uma serpente, mas agora muitas.

E então eles descobriram que estão lutando na guerra errada: a Ucrânia foi concebida como a guerra urbana que os americanos e os treinadores da OTAN absorveram dos jihadistas que lutam contra o presidente Assad na Síria. Mas a Rússia conhecia bem esse tipo de guerra – eles não mordiam; em vez disso, eles travaram uma guerra de artilharia clássica (na qual a Rússia tradicionalmente se destacou).

Assim, as serpentes da inflação – em um momento de xeque-mate econômico estrutural – são afrouxadas, como sempre são na guerra. E à medida que as pressões aumentam, 'coisas' e pessoas são jogadas debaixo de um ônibus. 'Guerra' traz clareza: torna-se totalmente claro qual bagagem deve ir ao mar para salvar a embarcação.

Salvar o navio, é claro, é imperativo. Assim, a América decidiu cuidar 'dos ​​seus'. O plano de Davos-Bruxelas de eventualmente transformar os bancos comerciais europeus superendividados em uma única moeda digital controlada por Bruxelas de repente é visto - como se escamas tivessem caído dos olhos - como potencialmente ameaçando furar o casco abaixo da linha d'água .

O que isso revela é que o 'jogo dólar forte-dólar fraco' - em conjunto com as sanções do Tesouro - não foi 'tão ruim' para os grandes bancos de NY! Por que deixar os europeus recolherem todos esses ativos em dificuldades que surgem em tempos de crise? Por que permitir que a grande esfera bancária dos EUA se dissolva em um mundo de aplicativos fin-tech? Por que privar o primeiro de seus direitos históricos de invasão? Por que parar agora porque os europeus querem 'Davos'.

Assim, os grandes bancos dos EUA estão pensando, deixe o BCE – e por extensão a Zona do Euro – 'cair sob o ônibus'. De qualquer forma, coordenar a política com o BCE amarrou as mãos do Fed para administrar os assuntos em seu próprio benefício.

Com 'guerra', as serpentes rastejam. Mais uma vez, surge uma clareza gritante: o que funcionou quando a inflação era inferior a 2% não 'corta' a inflação de dois dígitos. A era da baixa inflação foi dominada pelo dogma monetarista. E assim, também gerou contradições estruturais. Mesmo aumentos moderados das taxas de juros agora correm o risco de eviscerar títulos e empresas americanas altamente alavancadas, e ainda assim não serão altos o suficiente para conter a inflação. O aumento da taxa de 75bps do Fed é uma gota no balde em comparação com o que será necessário para desacelerar a crise inflacionária.

O que fazer? Com a guerra vem a inflação e um declínio naqueles dispostos a financiar a necessidade de empréstimos do governo dos EUA – à medida que os juros devidos sobre US$ 30 trilhões explodem. As taxas de juros, portanto, devem subir (mesmo que não façam nada para conter a inflação) para manter o 'valor' nos títulos do Tesouro. Lançado sob o próximo ônibus também é o consumidor dos EUA, pois a inflação aumentará.

Taxas mais altas, no entanto, não foram suficientes para atrair investidores de fora para os mercados de tesouraria, com os títulos enfrentando agora o pior colapso do mercado de títulos em meio século. Isso levou a China a despejar os títulos do Tesouro dos EUA para o nível mais baixo em 12 anos , e o Japão, que já foi um forte pilar do investimento dos EUA, também está cortando suas participações.

O declínio nos títulos do Tesouro dos EUA, juntamente com o declínio contínuo do dólar americano como moeda de reserva mundial, leva a uma coisa: mais inflação; mais dor.

Aqui está outra contradição estrutural levantada pela era monetarista. Teoricamente, se o Fed quebrar a 'demanda' suficiente (tornando as pessoas tão pobres que não podem pagar as coisas), a inflação pode ser rapidamente reduzida para 2%. Segue-se um grande suspiro de alívio – o Fed pode voltar a imprimir dinheiro novamente? Não tão rápido, por favor – este resultado é 'pensamento de grupo monetarista'. Faz parte da arrogância: a narrativa de hoje é que o Fed pode subir até o final do ano; martelar o consumidor sem sentido; e, em seguida, iniciar as impressoras novamente, de modo que o subsídio ao estilo de vida do mercado esteja 'ligado' novamente.

É a guerra, estúpido (para citar erroneamente o presidente Clinton). Se você levar um martelo de sanções a uma rede de fornecimento complexa e frágil 'just in time', você terá bloqueios de fornecimento – e a inflação de custos é inevitável Abrir a torneira do dinheiro quando você enfrentar a inflação gerada pela oferta apenas retornará a dinâmica inflacionária ao sistema. O que o Fed está tentando fazer é manter intactos alguns benefícios de uma moeda de reserva, em um momento em que o valor da mercadoria como meio de negociação chama a atenção do mundo.

O que isso pode significar em termos de política prática? Bem, as crises de custo de vida já estão aqui, assim como o início das ruínas políticas que se seguiram. O BCE anunciou na semana passada o fim das compras de ativos e não colocou mais nada no lugar. Tudo o que o BCE disse foi que trabalharia em um 'instrumento de emergência'.

Então, claramente, há uma emergência – mas não há um novo instrumento e não haverá um. O BCE pode usar uma ferramenta de QE existente para comprar uma quantidade ilimitada de títulos soberanos ou não. É uma escolha, não uma ferramenta nova.

O Euro é apenas um derivado do dólar (que em si é um derivado da garantia subjacente). O Euro-sistema (para usar uma metáfora militar) foi construído para proteger as linhas defensivas estáticas existentes: não é uma força militar expedicionária móvel e itinerante.

A base sistêmica para a zona do euro tem sido o compromisso absoluto do BCE de manter o Bund alemão de 10 anos com um prêmio gerenciado sobre os títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos (estes são, respectivamente, as duas 'âncoras de valor' que sustentam o funcionamento da zona do euro) .

E, à medida que as taxas de juros sobem nos EUA, isso deve ser refletido no Bund (para preservar seu 'valor') – pois os títulos soberanos representam a garantia altamente alavancada sobre a qual está (ou não) o edifício bancário europeu. Se o valor, digamos, das garantias italianas cair, um ciclo de destruição financeira se instala – como aconteceu em 2012. Em uma palavra, a Zona do Euro potencialmente entraria em colapso.

Com uma inflação de 2%, os títulos soberanos europeus poderiam ser mantidos mais ou menos alinhados. Em 8% eles não podem. E o mercado de títulos está se fragmentando. Os spreads entre os títulos dos estados dispararam nas últimas semanas. Como paliativo, o BCE parece estar vendendo bunds alemães para comprar dívida italiana.

O que isso prenuncia para o futuro? Uma dica do que pode estar por vir foi quando Christine Lagarde não deixou dúvidas de que o BCE pelo menos tentará resistir. Ela disse durante uma conversa na London School of Economics que o BCE não se sujeitaria ao domínio financeiro. O domínio financeiro é um conceito mais amplo do que o de 'domínio fiscal' porque inclui o resgate de bancos e outras instituições financeiras, bem como as necessidades de empréstimos do governo.

Isso soa muito como ela declarando uma prontidão para jogar os bancos da UE – ou países, ou ambos – sob um ônibus. O QE, é claro, exacerbaria a inflação e os spreads.

Mas será que os estados frugais do norte aquiesceriam? Eles não prefeririam optar por uma mini-zona do euro truncada e frugalista jogando Portugal, Itália, Grécia e Espanha sob o ônibus?

Isso efetivamente poderia, pelo menos, salvar um núcleo para o 'projeto' do euro, eliminando os estados mais fracos e reservando o euro para as economias do norte menos endividadas. A consequência seria uma Europa imitando o que Wall Street fez com a Rússia durante a era Yeltsin: ou seja, imagine-a como a Itália, com seus ativos 'privatizados' e vendidos por US$ 1 (como Draghi fez uma vez com o Banco Popular, que ele ' assumiu' como chefe do BCE e depois vendeu ao Santander por 1 euro).

A partir de agora, parece que as euro-élites não perceberam o perigo em que estão. Entraram em 'uma guerra', e já são visíveis três grandes mudanças geopolíticas tectônicas. Em primeiro lugar, a 'rebelião' de Putin levou o resto do mundo a dizer que eles 'se fartam' da 'ocidentalização' (o que significa o tipo de colonialismo predatório e ganancioso que caracterizou a política externa ocidental). Por todos os meios, seja 'o Ocidente', mas não 'ocidentalizado'; sem dúvida ser 'europeu', mas não um 'missionário dos valores da UE', sugerem os não-ocidentais.

Em segundo lugar, os eleitores europeus não procuram mercados ou estruturas reguladoras mais eficientes. À medida que os ventos frios da recessão sopram, eles procuram seus líderes em busca de proteção contra os mercados e os absurdos regulatórios. Eles sentem o perigo de 'doom-loops' desconhecidos implodindo partes de sua economia. Eles estão começando a entender que, nas guerras, os rivais também contra-atacam. A guerra é 'o que é'.

O risco decorrente da crise do custo de vida é fácil de entender. O risco de escassez adicional de alimentos está quase além do cálculo. Mas o que observamos da América, e do recente turno das eleições para a Assembleia Francesa, é a política normal em xeque-mate; desconfiança social; ampliação das reservas em relação à legitimidade da autoridade central; e crescente ceticismo e dúvidas sobre a CIÊNCIA ideologizada.

Nos Estados Unidos, é evidente uma separação centrífuga refletida nos fluxos migratórios: o xeque-mate, a intoxicação da política está levando os americanos a querer viver entre seus pares de mentalidade semelhante. É, por assim dizer, um Ben Op político – um movimento de massa literal e geográfico para viver dentro de 'vagões cercados'. E em estados como Flórida e Texas (com sua clara imigração 'tribal'), uma crescente autodefinição em oposição ao governo federal.

Em terceiro lugar, há na América – como na Europa – medo e raiva também pela desintegração do sistema. Medo, à medida que as cidades se tornam violentas e mal administradas. A situação nos aeroportos da Europa nestas últimas semanas de puro caos e filas inacreditáveis ​​dá uma amostra da angústia que é desencadeada em relação a sistemas remotos e frágeis que simplesmente congelam sob pressão, provocando raiva e queixa.

A guerra – mesmo uma guerra de escolha – sempre revela a fragilidade de sistemas complexos. Um artigo no Atlantic observou recentemente que se “você, como um típico profissional urbano Millennial, acordou em um colchão Casper , treinou com um Peloton , foi Uber para um WeWork , pediu um almoço no DoorDash , levou um Lyft para casa e pediu jantando através do Postmates apenas para perceber que seu parceiro já havia começado uma refeição Blue Apron , sua família havia, em um dia, interagido com oito empresas não lucrativas que coletivamente perderam cerca de US $ 15 bilhões em um ano”.

Tem sido um subsídio ao estilo de vida milenar que pode desaparecer em um piscar de olhos (ou em um aumento na taxa de juros). É uma miragem. Um que reflete os absurdos do 'culto da tecnologia' em uma era de taxa de juros zero. Em breve será ido.

No entanto, se nossas várias crises pararem em inconvenientes tão pequenos, teremos sorte. Em vez disso, podemos ver movimentos ideológicos (como provavelmente a classe média alta, extraída da esfera de colarinho azul) se dividindo – com uma parte permanecendo dominante e outras buscando violência e revolução, como os grupos Baader-Meinhof e Brigada Vermelha na Europa dos anos 1970.

Nos EUA, já existem indícios de tais ações armadas decorrentes de fragmentos do movimento pró-aborto, mas na Europa (e particularmente na Alemanha), podemos ver a raiva derivada de ativistas climáticos radicais, furiosos ao descobrir que é o Transição de energia que será jogada sob o ônibus, enquanto os estados lutam para fazer o melhor possível para manter um sistema à tona, o mais barato possível. A auto-sobrevivência invariavelmente tem prioridade, deixando outros interesses de lado.

Um livro do acadêmico e ativista climático sueco Andreas Malm, observou Wolfgang Münchau , traz o título “ Como explodir um oleoduto” . Sua mensagem mais importante foi um grito de guerra para os ativistas climáticos queimarem e destruirem todas as máquinas emissoras de CO2. Também invocou a declaração mais famosa de Meinhof – que era hora de uma transição da oposição para a resistência.

Advertência: Um final de verão violento pode estar se formando.

 

28
Jun22

XIV BRICS Summit Beijing Declaration

José Pacheco

Preamble

1. We, the Leaders of the Federative Republic of Brazil, the Russian Federation, the Republic of India, the People’s Republic of China and the Republic of South Africa held the XIV BRICS Summit under the theme “Foster High-quality BRICS Partnership, Usher in a New Era for Global Development” on 23–24 June 2022.

 

Continuar a ler

27
Jun22

Sergei Glazyev: A Rússia está lutando pela preservação da humanidade

José Pacheco
O Ocidente não tem imagem do futuro: chipização, inteligência artificial e desumanização, LGBT, a destruição da família, a cessação de todas as formas de identidade humana - esta é uma imagem da morte, não do futuro
Sergey Glazyev

O Instituto RUSSTRAT apresenta a transcrição do discurso do Membro do Conselho (Ministro) responsável pela Integração e Macroeconomia da CEE Sergey Glazyev na mesa redonda “Rússia: que imagem do futuro atende aos objetivos do desenvolvimento nacional?” realizada em 1º de junho de 2022 na agência de notícias REGNUM, organizada pelo Instituto RUSSTRAT e pela agência de notícias REGNUM.

Voltamo-nos agora para as questões fundamentais do nosso ser. E uma operação militar especial é um catalisador para esse processo de compreensão do nosso lugar no mundo e, claro, precisamos de uma imagem do futuro. Gostaria de chamar sua atenção para o fato de que a operação militar especial, que foi originalmente anunciada como desnazificação, desmilitarização - entendemos o que isso significa para a Ucrânia - agora as apostas começaram gradualmente a aumentar nessa frente.

Todos já estão dizendo que esta é uma guerra mundial híbrida, embora tenha ficado claro desde o início que a operação especial deveria ser considerada em um contexto muito mais amplo. Agora muitos acreditam que esta é uma guerra civilizacional , onde diferentes sistemas de visão de mundo são confrontados. É claro que esta é uma guerra do bem contra o mal e uma guerra pela sobrevivência da humanidade a longo prazo.

Antes de falar sobre a imagem do nosso futuro, gostaria de chamar sua atenção para os padrões de desenvolvimento socioeconômico e político de longo prazo. Nós - quero dizer, um grupo de cientistas da Academia de Ciências que trabalham nos longos ciclos de desenvolvimento econômico e social - em primeiro lugar, conseguimos prever também essa guerra particular de 2022. Em 1914, estava claro que o desafio que enfrentávamos e cujo resultado era a reunificação com a Crimeia certamente afetaria todo o mundo russo, incluindo o território da Ucrânia. Ganhei até um livro chamado The Last World War: The US Starts and Loses.

Em algum lugar, o que vemos hoje foi formulado com absoluta precisão, incluindo o número das Forças Armadas da Ucrânia e o papel dos americanos e britânicos nesta ocupação da Ucrânia, bem como o cultivo do nazismo ucraniano. Tudo isso foi previsto quase nos mínimos detalhes. Continuamos nossa pesquisa. Segundo o qual o pico do confronto cai em 2024 . Essa é a previsão que meu colega deu há 10 anos, antes mesmo da atual operação militar, e até antes de 2014. E então não houve nossos novos ciclos políticos de sete anos.

Por que 2024 e por que estamos nessa situação de guerra híbrida? O fato é que o período moderno é caracterizado por dois eventos revolucionários simultâneos.A primeira é a revolução tecnológica, da qual se falava muito. É chamado de forma diferente, dizemos que esta é uma mudança nos padrões tecnológicos. E essa mudança de estruturas tecnológicas sempre ocorre por meio da depressão econômica, que neste ciclo começou no mundo desde 2008 – desde o início da crise financeira global.

E durante esta fase de transição, uma nova ordem tecnológica já se formou, um conhecido complexo de tecnologias de informação e comunicação de nanoengenharia, que está evoluindo não apenas para a economia. Mas também nos métodos de guerra. Na verdade, vemos que não estamos apenas enfrentando um inimigo baseado no Pentágono e no Mi-6. Nossas tropas estão enfrentando inteligência artificial. Esta já é uma guerra de uma nova ordem tecnológica.

Mas um ponto mais importante é a mudança das estruturas econômicas mundiais no contexto do nosso tema hoje. A mudança das estruturas econômicas é um processo que ocorre uma vez a cada século e durante o qual o sistema de gestão muda. Anteriormente, teríamos chamado isso de processo de revolução sociopolítica, mas, argumentando de maneira moderna, trata-se de uma mudança fundamental nas instituições das relações econômicas mundiais, relações de produção e todo o sistema de gestão do desenvolvimento socioeconômico, que é acompanhado por uma mudança nos centros da economia mundial.

A economia mundial está mudando rapidamente para o Sudeste Asiático, que já responde por mais da metade do crescimento do produto interno bruto. E neste novo centro da economia mundial, formou-se um sistema de governança completamente diferente daquele em que vivemos hoje. Devo dizer que a mudança das estruturas econômicas mundiais, você vê nesta foto acima. Estas são estruturas econômicas mundiais com um ciclo de mudança uma vez por século. E na base estão as tecnológicas, a mudança de estruturas tecnológicas, em que o ciclo de fases de mudança é de cerca de 50 anos.

Os modos tecnológicos são bem conhecidos na literatura como longas ondas Kondratiev, mais precisamente, os ciclos de vida dos modos tecnológicos e sua fase de crescimento é uma longa “onda Kondratiev”. A fase de crescimento da estrutura econômica mundial é um ciclo secular de acumulação de capital.

Uma vez por século, ocorre uma ressonância perigosa quando enfrentamos simultaneamente uma revolução tecnológica, uma revolução socioeconômica e uma revolução sociopolítica. Durante esse processo, não apenas a tecnologia muda, mas também a mentalidade. A ideologia está mudando, se você quiser.

Como exemplo, citemos a fase anterior da mudança nas estruturas econômicas mundiais. Este é um processo que sempre, infelizmente, se dá por meio de guerras mundiais.As guerras mundiais neste caso se devem ao fato de que a elite dominante do antigo centro da economia mundial não quer se separar de sua hegemonia e está tentando com todas as suas forças mantê-la, até o desencadeamento de uma guerra mundial. Há 100 anos, ao mudar a estrutura econômica do mundo colonial para o mundo imperial, passou por duas guerras, a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais, entre as quais houve uma grande depressão.

A economia mundial colonial é um sistema de relações industriais baseado em uma empresa familiar privada. Em termos políticos, o Império Britânico recebeu o maior escopo para essa estrutura econômica mundial. Onde a combinação de instituições de administração estatal, cujo núcleo era o domínio monárquico da Grã-Bretanha, com a empresa capitalista privada, deu origem à oligarquia burguesa inglesa, que conseguiu organizar grandes monopólios do tipo comercial e manufatureiro, que garantiram a domínio da Grã-Bretanha sobre os mares e oceanos.

Esta é a estrutura econômica mundial das colônias, onde o Império Russo também desempenhou um papel significativo. Esse modo de vida esgotou suas possibilidades de desenvolvimento no final do século XIX. Isso se deveu ao fato de que as possibilidades de utilização de mão de obra escrava foram esgotadas. O modelo é bem descrito por Marx. Quando as pessoas foram comercializadas como seres humanos em grande escala - não apenas nas colônias, mas também nas metrópoles. As pessoas eram exploradas 12 horas por dia sem folgas. O capital privado usava esse trabalho como principal fonte de enriquecimento. Não havia leis trabalhistas, sindicatos, estado de bem-estar social. Tudo isso surgiu com a ordem econômica mundial imperial.

Mas aqui é importante entender que a Grã-Bretanha atingiu os limites do desenvolvimento e países com sistemas de governo mais progressistas começaram a pisar em seus calcanhares.Incluindo Império Russo, Alemanha, Áustria-Hungria, EUA. As agências de inteligência britânicas provocaram a Primeira Guerra Mundial, como resultado da qual a Grã-Bretanha se tornou o líder mundial. Parece que se intensificou o máximo possível, mas apenas 20 anos se passaram - e a Grande Depressão não foi desenhada. Nenhuma medida para salvar o Império Britânico ajudou. Eles então - como hoje os Estados Unidos contra a China - travaram uma guerra comercial contra os Estados Unidos, impuseram um embargo à importação de mercadorias americanas.

Acabou que durante a Segunda Guerra Mundial o Império Britânico, embora permanecesse entre os vencedores, não pôde aproveitar a vitória devido à natureza arcaica de seu sistema de gestão. Ela não precisava mais de ninguém. Já não proporcionava qualquer progresso económico. O crescimento econômico baseado na exploração do trabalho escravo deixou de produzir um produto excedente. O Império Britânico entrou em colapso apenas 2 anos após a Segunda Guerra Mundial. Isso é importante para nós agora do ponto de vista da analogia histórica.

Nova ordem econômica mundial. Chamamos de imperial, porque pela primeira vez no mundo cobria quase todo o planeta. dois terços do mundo. O outro terço era a União Soviética.Sua ordem econômica mundial baseava-se em um estado de bem-estar social, em grandes estruturas de produção verticalmente integradas. Sobre a questão do dinheiro e o uso do dinheiro não tanto como capital, mas como instrumento de financiamento do crescimento econômico.

Em geral, a ordem econômica mundial estava em três variedades ideológicas. Os dois primeiros são bem conhecidos por nós. O sistema soviético com associações de pesquisa e produção lideradas pelo Partido Comunista, que construiu o socialismo com pretensão ao comunismo. O sistema americano, baseado nas corporações transnacionais e na interminável emissão do dólar, que lhes permitiu liderar a expansão mundial.

E o terceiro sistema que caiu no esquecimento graças à façanha do povo soviético é o sistema do fascismo europeu, no qual o nacional-socialismo alemão, junto com o estado corporativo italiano e nazistas de todos os matizes de vários outros países europeus, tentaram impor sua versão nazista desta ordem econômica mundial no mundo.

Observo que a estrutura econômica mundial colonial acabou sendo absolutamente não competitiva. A Grã-Bretanha perdeu a guerra na Europa para o fascismo alemão em apenas dois anos, e somente o poderio da União Soviética e a ajuda dos Estados Unidos, país que já possuía um novo sistema de governo, conseguiram esmagar esse cenário fascista. E então o sistema colonial britânico morreu.

Ou seja, essa experiência histórica mostra que a mudança das estruturas econômicas mundiais passa pela consciência pública, é claro. E o surgimento de um novo sistema de gestão, e isto é, antes de tudo, as relações entre as pessoas, não pode deixar de ser combinado com um novo sistema de ideias, visões e princípios.

Agora temos um processo semelhante acontecendo. Estamos nos afastando da economia mundial imperial, onde apenas os Estados Unidos permaneceram. Lá, essa transição começou com o colapso da União Soviética. É o mesmo de 100 anos atrás, dura 30 anos. Assim como a transição anterior durou praticamente do ano 14 a 1947. Assim, a transição atual já dura um terço de século.

Após o colapso da União Soviética, que foi a primeira a falhar as exigências do progresso científico e tecnológico, vemos agora o colapso dos Estados Unidos. Os EUA não são mais o líder mundial. Na tentativa de superar a crise financeira global por meio do bombeamento de dinheiro, os Estados Unidos acabaram levando a situação ao colapso de todo o sistema financeiro e ao aumento da inflação, que já chega a 30% a preços corporativos.

Vimos o autodescrédito do sistema americano nas últimas eleições presidenciais, que na verdade foram fraudadas. A América não é um caminho mais atraente. Além disso, em comparação com a China e a Índia, que têm sido brilhantes nos últimos 15 anos, tanto os EUA quanto a UE, apesar de um aumento de quatro vezes na base monetária, não conseguiram embarcar em um desenvolvimento econômico sustentável. A eficácia do sistema de gestão ocidental - se o considerarmos em termos de eficiência - a emissão de dinheiro é de 20 a 25%. Apenas cada 4 ou 5 euros emitidos vão para o setor manufatureiro.

Na China e na Índia, formou-se um sistema de governança fundamentalmente diferente, que combina planejamento central estratégico com competição de mercado, onde o Estado desempenha um papel dominante na organização da circulação do dinheiro e fornece às empresas privadas acesso ilimitado ao dinheiro se isso levar a um aumento no bem-estar público.

Todas as previsões mostram que até o final desta década, a ordem econômica do velho mundo já terá caído pela metade, e o núcleo do ciclo de acumulação asiático - China, Índia, os países da Indochina, Japão, Coréia - já dominará absolutamente em todos os indicadores macroeconômicos.

Esse processo é irreversível, mas quanto mais próxima essa transição, que é óbvia para todos, menos poder permanece no núcleo da velha ordem econômica mundial, mais agressiva ela se torna. E aqui está funcionando o mesmo mecanismo de guerra híbrida, que os britânicos usaram na Primeira Guerra Mundial e na Segunda Guerra Mundial. Nós os chamamos de híbridos porque as guerras eram por território.

No quadro da nova ordem econômica mundial, as guerras estão acontecendo agora pela consciência, pelas mentes dos cidadãos de diferentes países e, ao contrário da guerra do século passado, a guerra atual é uma guerra, antes de tudo, pelo domínio na consciência pública. Portanto, a frente principal é a frente informacional-cognitiva. Aqui as questões de ideologia são as principais.

A segunda frente mais importante é a frente monetária e financeira, onde os EUA e a União Europeia ainda dominam. E só em terceiro lugar são usados ​​tanques, mísseis e aeronaves que, de fato, no quadro desta guerra mundial híbrida, são chamados a punir os vencidos. Ou seja, intimidar, destruir qualquer desejo de resistência e coisas do gênero.

Assim como a Grã-Bretanha desencadeou a Primeira Guerra Mundial, quando já entendia que o poder combinado da Alemanha, Rússia, Áustria-Hungria superava o britânico e faltavam alguns anos para uma virada na liderança mundial, a elite dominante americana iniciou um guerra híbrida. Ao mesmo tempo, como vemos, a guerra comercial dos EUA contra a China está se desenrolando.A guerra de sanções contra nós já dura mais de 8 anos - e esse agravamento das tensões geopolíticas hoje está se derramando em eventos dramáticos nos quais estamos totalmente envolvidos hoje.

Como a nova ordem econômica mundial difere da anterior, imperial? Observe que o estado que é formado hoje na China e na Índia incorpora todas as conquistas da construção do estado de eras anteriores. Este é um estado de bem-estar. É um Estado democrático de direito, mas ao mesmo tempo soberano. Ou seja, a peculiaridade da nova ordem econômica mundial é que o Estado dirigente não tenta impor seus modelos a todos os outros países.

Se havia três modelos na estrutura econômica mundial imperial, dois dos quais aconteceram – o soviético e o americano, e o terceiro, que não aconteceu – o fascista alemão. Eles tentaram refazer o mundo inteiro à sua própria imagem e semelhança. Em todos os lugares crie os mesmos fractais que no centro.

A soberania econômica mundial está sendo restaurada na nova ordem econômica mundial. Este é um ponto fundamentalmente importante. O estado nesta nova ordem econômica mundial restaura os valores morais. É um estado humano, justo, intelectual, responsável e, para resumir, ideologicamente, é um estado socialista.

Mas na China vemos a imagem familiar do Partido Comunista à frente deste estado. A Índia tem a maior democracia do mundo, mas não vamos desconsiderar o socialismo gandhiano. Todas essas tradições estão vivas e os modelos de gestão - chamo sua atenção - na China e na Índia estão bastante próximos. Controle estatal sobre o sistema bancário, empréstimos ilimitados para o crescimento da produção, uso do mercado para fins de eficiência econômica da competição de mercado.

O Estado estimula o empreendedorismo privado, e estimula sem limites se gerar renda. Daí o aumento do bem-estar das pessoas. Se o empreendedorismo privado é destrutivo, se envolve em especulação, tenta lucrar com a desestabilização da economia, esse empreendedorismo é severamente bloqueado. Tanto a China quanto a Índia têm rígidos controles cambiais e a exportação de capital não é permitida. O dinheiro é fornecido de 0% a 4-6%, dependendo da prioridade dos empréstimos. A emissão de crédito alvo é amplamente utilizada como ferramenta de planejamento estratégico.

Chamamos de integral porque o Estado reúne a sociedade aqui. Reúne diferentes grupos sociais em torno do critério principal - a ascensão do bem-estar social. Assim, toda a política econômica se baseia nesse critério. Comparemos a essência da política econômica seguida na nova ordem econômica mundial.

Aqui, comparando os modelos existentes do Consenso de Washington, chamarei a atenção para a principal diferença. Primeiro, o propósito da economia não é ganhar dinheiro de forma alguma. O objetivo da economia é aumentar o bem-estar social.

Portanto, daqui - planejamento estratégico, daqui - o uso do dinheiro como ferramenta. Daí - tributação progressiva e medidas práticas para garantir a justiça social.Todos os requisitos de um estado de bem-estar social estão na educação e na saúde. Que deve ser gratuito, garantir a reprodução do capital humano da forma mais completa possível. O sistema tributário do orçamento tributário está focado no desenvolvimento, e não apenas nas chamadas “funções de um estado burocrático policial”. Os preços são regulados com base nas proporções desejadas da reprodução da economia.

A colaboração domina nas relações de trabalho, e o antagonismo entre trabalho e capital desaparece completamente. Em nosso entendimento, a empresa nacional atua como a forma dominante de propriedade privada. Uma empresa em que os trabalhadores são também os proprietários.

É assim que a Huawei, Xiaomi e outras que nascem das cooperativas crescem. Ou seja, esta é uma economia de parceria social, onde dinheiro é lucro e tudo o que atormenta nossa economia com a exportação de capital, tudo isso é limitado no sistema de regulação econômica para que a renda das pessoas cresça. E o empresário cresceu na proporção de sua contribuição para a ascensão da previdência social.

E não há dúvidas aqui se é necessária uma política industrial, agrícola, científica e técnica. Todas essas são políticas públicas-chave óbvias que gerenciam o mecanismo de mercado da maneira necessária para aumentar o bem-estar público.

Passemos agora às versões ideológicas dessa nova estrutura econômica mundial. A construção do socialismo continua na China. Embora com características chinesas, mas deve ser entendido desta forma. Se o socialismo soviético procurava fazer o mundo inteiro feliz, queríamos alcançar um sistema socialista em todo o mundo gastando muito dinheiro com isso, então o socialismo com características chinesas significa que a ideia socialista e a ideia nacional andam juntas.

E na China vemos os seguintes slogans - esta é uma sociedade de prosperidade universal, este é o grande renascimento da nação chinesa. Ou seja, aqui a ideia de socialismo e nacionalismo positivo, que não pretende ser exclusividade nacional, mas coloca em primeiro plano o bem-estar do próprio país, é uma característica fundamental.

Vemos o mesmo na Índia. Combinação de socialismo, economia de mercado e ideia nacional. A ideia nacional, embora seja aplicada em termos de aumento da prosperidade. Isso é compreensível para um país que tem uma população gigantesca que vive na pobreza há séculos. Para eles, a ascensão da prosperidade é um certo momento chave, nenhuma ideia nacional. Além disso, ao contrário do socialismo soviético, que cresceu em um ambiente de “fortaleza sitiada” e ao mesmo tempo inevitavelmente teve características de mobilização e supressão da liberdade pessoal para salvar a sociedade e o Estado, aqui não existem tais riscos. Nem na China, nem na Índia.

Mas é óbvio que o desenvolvimento futuro do mundo no futuro próximo ocorrerá da mesma maneira que no século 20, onde havia competição entre a União Soviética comunista e a América democrática.Agora, o confronto se desenrolará entre o "Ocidente democrático", a China comunista e a Índia democrática. A questão é onde estaremos.

Há também uma terceira versão dessa ideologia da nova ordem econômica mundial. Ele, na verdade, é uma continuação do nazista ocidental, por assim dizer, vetor ideológico. O racismo dominou o Império Inglês no século 19, o nazismo dominou a Europa por muito tempo durante a Segunda Guerra Mundial.

E agora os receptores dessa forma misantrópica a preenchem com o conteúdo do pós-humanismo. Um campo de concentração eletrônico, todos devem andar em formação e obedecer às exigências da Organização Mundial da Saúde ou outros análogos de um governo mundial.

Ou seja, essa é a ideia de uma transição para um estado pós-humanístico, pós-humano, quando as pessoas são vistas como ferramenta de manipulação. Mais precisamente, objeto de manipulação – e a ideologia é construída sob a atomização da sociedade.

Ou seja, o principal vetor ideológico é a privação das pessoas de qualquer identidade coletiva. Identidade nacional, identidade de gênero. Em geral, até mesmo a identidade humana. As pessoas começam a se perceber como qualquer coisa - ciborgues, animais, plantas.

A desumanização está em andamento, e esse tipo de material pós-humano está sendo incorporado à inteligência artificial e facilmente manipulável, substituindo já, em geral, os ideólogos, impondo seus próprios modelos de comportamento a essa pós-humanidade e obrigando as pessoas a se comportarem como as necessidades de gestão oligárquica artificial do mundo.

Ao mesmo tempo, vemos o desenvolvimento de métodos que nos permitem trazer essa sociedade pós-humana para qualquer estado. Ao ponto de autodestruição coletiva. Tenho certeza que se começarem a injetar uma vacina com algum tipo de veneno, já existem mecanismos, a maioria vai fazer fila e tomar essa vacina.

Estamos neste estado mundial de transição na periferia, falando francamente. Após o colapso da União Soviética, nos encontramos na periferia econômica dos Estados Unidos. Nosso país foi usado como um típico país periférico, de onde foram bombeados bilhões de toneladas de recursos, bombeado capital. A fuga de cérebros de nós lá, para a qual, de fato, era necessário o sistema de Bolonha.

Aqueles que impulsionaram o sistema de Bolonha tiveram vergonha de dizer diretamente que o sistema de Bolonha é necessário para facilitar a fuga de cérebros. Que nós formamos pessoal qualificado aqui de graça, eles poderiam se mudar com facilidade e naturalidade, fazer um mestrado no exterior e ficar lá. Fizeram de nós um país periférico com todas as suas características.

Agora, depois que o Ocidente entrou em guerra conosco e ergueu barreiras em quase todas as áreas, estamos falando em mudar o paradigma de governança. Mas devemos entender que até agora essa mudança em nosso sistema de controle não nos afetou em nada. É do outro lado que foram erguidas barreiras que roubaram nosso sistema de governo. Ou seja, dificultaram a exportação de capital, mas observo que assim que a situação se estabilizou um pouco, nossas autoridades monetárias voltaram a exportar capital.

Novamente eles começam a estimular a exportação de capital! Pelo menos aceite em rublos, pelo menos aceite dinheiro de nós! Ou seja, nosso "poder monetário" funciona da mesma forma que antes. Não lhes é dada a oportunidade de criar condições para a saída de capitais, de facto cancelaram a possibilidade de aplicação da regra orçamentária, mas tudo isso permanece e a regra orçamentária ainda não desapareceu. Ele simplesmente não pode ser usado nas condições de retenção de reservas cambiais.

Eles introduziram a venda obrigatória de receitas cambiais para estabilizar a taxa de câmbio. Agora eles querem continuar a deixar as receitas em divisas no exterior, talvez sejam confiscadas da mesma forma que as reservas de divisas do Estado. Ou seja, nossa política monetária continua profundamente periférica, ainda segue as regras do FMI e do Consenso de Washington.

Por causa das sanções, a sociedade de repente percebeu que somos um país muito rico, que poderíamos viver duas vezes melhor do que vivemos, porque a saída de capital parou. Assim que a saída de capital parou, o rublo subiu imediatamente, o poder de compra aumentou 1,5 vezes e o rublo se fortaleceu ainda mais. Ou seja, até agora a principal função-alvo das “autoridades monetárias” era o enriquecimento dos especuladores cambiais.

Foi para isso que o Banco Central trabalhou. A meta de inflação é ridícula, porque o principal fator de inflação é a desvalorização do rublo em uma situação em que a formação da taxa de câmbio do rublo é realizada por especuladores, principalmente especuladores internacionais. E apenas 5% das transações na Bolsa de Moscou são transações para exportadores e importadores.

É óbvio que a taxa de câmbio do rublo foi manipulada durante todos esses 8 anos.Com isso, dezenas de bilhões de dólares foram retirados da Rússia. Foram os especuladores cambiais, onde os especuladores americanos desempenharam o papel principal, os principais beneficiários da política monetária prosseguida. Agora, devido às sanções políticas, isso se tornou impossível. Estamos sendo forçados, forçados a mudar para um novo sistema de governança.

Qual deve ser o sistema de controle? Não há necessidade de adivinhar aqui. Vemos exemplos de um novo sistema de governança bem-sucedido na China e na Índia. Este é, naturalmente, um sistema misto de governo, onde o cenário principal trabalha com o objetivo de aumentar o bem-estar público. O Estado está engajado no planejamento estratégico.

Aqui está Elena Vladimirovna Panina, uma das autoras da lei sobre planejamento estratégico, que se esforçou muito em sua promoção. Temos a lei há muitos anos. Mas no início sua introdução foi adiada, agora termina com a redação de dezenas de milhares de documentos sobre planejamento estratégico, mas não há mecanismos para sua implementação.

Embora se você olhar, todos nós existimos separadamente. O mecanismo de parceria privada e estatal, contratos especiais, acordos multilaterais de investimento, ferramentas especiais de refinanciamento que o Banco Central poderia usar para trazer empréstimos baratos para aumentar o investimento. Individualmente, tudo isso está lá, mas como um todo o sistema não funciona.

Há muitos anos, propomos a mudança para um sistema de desenvolvimento avançado, onde a ênfase seria na estratégia e modernização do desenvolvimento econômico baseado em uma nova ordem tecnológica. De acordo com nossas estimativas, poderíamos alcançar um crescimento de pelo menos 8% ao ano, usando instalações de produção ociosas, saturando a economia com dinheiro e permitindo que as empresas recebessem empréstimos de no máximo 2-3% para o mutuário final, para financiar investimentos, para aumentar a produção.

Este é o uso mais completo possível do nosso potencial científico e técnico, este é o processamento aprofundado de matérias-primas. Nonão temos restrições ao crescimento econômico, exceto pelo alto custo artificial do crédito criado pelas "autoridades monetárias". As empresas não podem fazer um empréstimo que não seja de 18%, nem de 11%, elas precisam trazer um empréstimo de 1-3% ao ano, como é feito na China e na Índia.

Aqui nós, na União Euroasiática, estamos lutando com a exportação de madeira redonda, introduzimos um embargo, mas por algum motivo a madeira está sendo levada para a China. Porque na China o estado aloca tanto dinheiro quanto necessário, a 0,2% ao ano por 10 anos, para que as empresas criem uma infraestrutura para processamento, embalagem e colheita de madeira siberiana.

Eles criaram a infraestrutura, começaram a fornecer empréstimos sazonais sem juros aos nossos madeireiros e, não podendo nos emprestar, nossos madeireiros vão para a China e fazem empréstimos lá. E eles carregam a floresta até eles - voluntariamente e sem qualquer coerção. Dentro do país, eles não têm a oportunidade de fazer empréstimos para colher madeira durante a temporada e depois, depois de vender os produtos, devolvê-los.

Ou seja, vemos uma possibilidade real de atingir altas taxas de crescimento de pelo menos 8% ao ano, então não posso concordar com as previsões de nossos departamentos oficiais, que são atraídos para nós (seguindo Washington) menos 8% este ano. De onde vem menos 8%? Do Banco Mundial e do Fundo Monetário.

De Washington eles estão tentando nos impor uma previsão tão pessimista que "você terá menos 10 porque iniciou uma operação militar". De onde vem o valor menos 10%? A UE corta as exportações para a Rússia e as importações da Rússia também. Então, usando um modelo econométrico, eles levantam a hipótese de que o comércio exterior russo encolherá 30%. E de acordo com esse modelo, que na verdade é uma extrapolação das relações existentes na economia, dizem que nesse caso você terá menos 10% do PIB. Embora o presidente nos diga que precisamos aproveitar as oportunidades.

No último Fórum Econômico da Eurásia, ele disse que as empresas estrangeiras estão saindo - e talvez seja melhor, deixá-las sair, vamos criar essas produções nós mesmos. Vamos fazer a substituição de importações. Vamos preencher a quota de saída da União Europeia com a nossa própria produção. Desenvolveremos a cooperação na União Eurasiática e desenvolveremos relações com nossos parceiros asiáticos.

Ou seja, se lidarmos com o desenvolvimento da economia, onde o dinheiro não é um fim em si mesmo, mas sim uma ferramenta para emprestar à produção, podemos passar completamente sem recessão este ano. Pelo contrário, podemos fazer um boom econômico com esta crise, com a saída de concorrentes europeus. Boom empreendedor. Para fazer isso, você precisa conceder empréstimos.

É necessário realizar os objetivos de aumentar o bem-estar público. E não por simples injeções de dinheiro para sustentar a vida das pessoas, mas criando novas indústrias, novos empregos. O presidente já falou sobre isso muitas vezes, mas como resultado, o que temos hoje em termos de medidas de estímulo ao desenvolvimento econômico é, na verdade, uma continuação dos pequenos relaxamentos da covid em termos de regulação. Em termos de redução da pressão burocrática, infelizmente, não há oportunidades reais para aumentar os investimentos em substituição de importações e implementar programas de desenvolvimento de longo prazo.

Concluindo a minha intervenção, direi que a imagem do futuro, parece-me, é bastante óbvia. Se entendermos que antes do final deste século, muito provavelmente, a guerra híbrida americana terminará em fracasso para eles. Eles, em sua russofobia, que está em seu subcórtex, podem ainda não perceber isso. Portanto, tendo a China como seu principal adversário, eles nos atacaram, já que a russofobia está inserida na geopolítica anglo-saxônica.

A geopolítica, que ensina políticos americanos e britânicos, é baseada em livros dos séculos 19 e 20 - de Halford Mackinder a Zbigniew Brzezinski, e em todos os lugares sua ideia principal é "como destruir a Rússia". A geopolítica é uma pseudociência clássica sobre o tema "como destruir a Rússia em qualquer uma de suas formas históricas".

Eles se tornaram vítimas de sua orientação genética russofóbica. Eles perderam para a China na guerra comercial e agora estão nos controlando. Quando a Crimeia se reuniu conosco, eu disse repetidamente que as sanções teriam sido em qualquer caso. Teria se reunido com a Crimeia, ou vice-versa, desgraçado, - mesmo assim, teria havido sanções. E a guerra de hoje, também entendemos, era inevitável. Apenas 8 anos atrás era possível passar sem guerra e tomar todo o sudeste da Ucrânia sem disparar um tiro, as próprias pessoas vieram até nós.

Agora temos de corrigir este atraso à custa de grandes esforços e sacrifícios.

Mas esse conflito era inevitável precisamente por causa da russofobia genética da elite dominante americana-inglesa, que é essencialmente o núcleo ideológico e econômico do mundo ocidental. E eles procuram nos apagar, como eles dizem, sem qualquer equívoco, eu diria.

Não subestime isso. Quando o primeiro-ministro polonês diz “apagar”, significa apagar naturalmente, como foi em 1717, quando o Império Russo foi apagado. Como foi depois do Tempo das Perturbações, quando o reino moscovita foi apagado. Ou seja, houve precedentes quando a Rússia foi apagada - apagada ideologicamente, culturalmente, até a destruição de todos os monumentos, até onde eles podiam alcançar, até a queima de crônicas e coisas do gênero.

Eles têm um plano. Eles acham que a Rússia é a chave para a dominação mundial. Em sua mente delirante, é assim. Nos fundamentos de sua geopolítica anglo-saxônica, desde Mackinder, eles ensinam que para controlar o mundo é preciso controlar a Eurásia.chamam-lhe a grande ilha. Na Eurásia, o principal que detém o controle. esta é a Rússia.

Portanto, para controlar o mundo, a Rússia precisa ser capturada, esmagada, destruída. Então o próximo objetivo é a destruição do Irã, isso é absolutamente óbvio. E então eles pensam que cercando a China por todos os lados e isolando-a do resto do mundo, eles manterão o domínio, manterão a hegemonia.

Este é um projeto absolutamente utópico, eles vão perder a guerra. Eles já estão perdendo uma vantagem importante diante de nossos olhos. Essas sanções muito notórias, pelas quais perdemos nossas reservas cambiais e nosso negócio offshore hoje não sabe como continuar funcionando.

De fato, do ponto de vista das perspectivas futuras de uma guerra híbrida, trata-se de um trunfo, pois sua principal vantagem foi a emissão de moeda mundial. E então eles jogaram seu ás de trunfos. Eles não têm mais uma moeda mundial, ninguém mais confia neles - nem politicamente, nem ideologicamente, nem economicamente. Começou um êxodo do dólar.

Os chineses estão vendendo reservas em dólar. Seus satélites ainda têm medo de fazer isso, mas aqui quem vender dólares mais rápido perderá menos. Absolutamente óbvio. Não esqueçamos que metade dos dólares que os americanos imprimem em grande escala está fora dos EUA. Esta onda de dólares está voltando para a América hoje. Se antes se considerava, dizem eles, é bom que o capital esteja sendo atraído para o país, agora a avalanche está adquirindo claramente consequências inflacionárias e o colapso das gigantes bolhas financeiras que compõem o sistema financeiro e econômico ocidental não está longe.

Hoje estamos pensando em criar uma nova moeda contábil que estaria vinculada às commodities cambiais. Estamos construindo uma aliança com a China "One train - one way". Estamos tentando restaurar o direito internacional na integração eurasiana e aderir estritamente aos princípios de voluntariedade e respeito à soberania, benefício mútuo e transparência. Ou seja, criamos uma imagem atraente da nova ordem mundial. Nova ordem econômica mundial.

O problema é que, sem um crescimento econômico mais rápido, nossa visão de futuro não será convincente. Preste atenção, nossos ideólogos eurasianos, por exemplo, Trubetskoy, eles previram brilhantemente completamente o colapso da União Soviética no final dos anos 20 do século passado, que então se levantou.

Ele disse que depois que o estado dos trabalhadores e camponeses se esgotar, uma nova comunidade, acima da classe, será formada. A União Soviética perderá seu núcleo ideológico e entrará em colapso. Em seguida vem a era do nacionalismo. Os fragmentos da União Soviética serão seduzidos por ideias nacionalistas para reunir novamente nosso grande país. E então é preciso superar o nacionalismo e se livrar do nazismo, é claro.

Nenhuma exclusividade nacional ou outra deve ser permitida! E a base para uma nova união só pode ser uma compreensão da semelhança da história de alguém. Preste atenção em como os chineses interceptam os slogans dos eurasianos. A China clama pela unidade de todos os povos do destino comum da humanidade. O que são "povos de um destino comum"? Estes são os povos de um país. Essa compreensão do destino comum da humanidade é, de fato, a base ideológica da grande parceria eurasiana de que fala nosso presidente.

Mas para ser líder nessa parceria, e não periferia, é preciso garantir taxas avançadas de desenvolvimento econômico. Isso requer a ideologia da causa comum, o bem comum.

Concluindo meu discurso, direi brevemente que essa ideologia deve absorver as conquistas do socialismo. Não é por acaso que a ideologia socialista domina tanto na China quanto na Índia, e sob diferentes construções políticas. O socialismo como a ideia do bem comum, onde o principal significado do Estado é o serviço à sociedade. O Estado não atende a determinados grupos sociais, como nossa oligarquia ou burocracia, ou qualquer outra pessoa. O Estado está seriamente e verdadeiramente empenhado em melhorar o bem-estar público.

Portanto, é claro, a ideia socialista deve estar presente. Sem ela, um novo modo de vida é impossível, além disso, já tomou forma. O socialismo deve retornar novamente como a ideologia dominante, o núcleo do sistema econômico mundial do Sudeste Asiático. Se olharmos para o modelo japonês ou coreano, veremos também as características familiares da ideologia socialista. Este é um estado que planeja, um estado de desenvolvimento.

Quanto à questão dos valores éticos. A nova ordem tecnológica realmente desafia a humanidade no sentido de que é tecnologicamente possível a transição para um estado pós-humanoide. O surgimento de ciborgues, manipulação da consciência, inteligência artificial. Todos esses são sinais de uma transição para uma civilização pós-humana, e se perdermos nossas normas éticas tradicionais, se permitirmos que esse novo governo mundial oligárquico domine, não espere nada de bom. Neste caso, a humanidade está acabada.

E, uma vez que estamos na vanguarda da guerra híbrida, pode-se de fato considerar que a guerra com o Ocidente é para o destino da humanidade. E o Ocidente hoje não tem nenhuma imagem do futuro. Chipização universal, inteligência artificial e desumanização, LGBT, a destruição da família, a cessação de todas as formas de identidade humana - esta é uma imagem da morte, não do futuro. É isso que o Ocidente nos traz. Já que estamos em confronto direto com ele, podemos supor que estamos realmente lutando pela preservação da humanidade.

A questão é qual deve ser a ideologia aqui. Obviamente, deve ser baseado em valores tradicionais.Para resumir, esta deveria ser uma imagem do socialismo cristão, já amplamente vulgarizado na Europa. Com o entendimento de que não temos apenas o socialismo cristão, mas também o socialismo islâmico, o socialismo budista. Eu chamaria essa ideologia de uma síntese social conservadora. Uma combinação de valores morais tradicionais que surgiram das grandes religiões, com as demandas de justiça social, um estado de bem-estar social e um estado de desenvolvimento.

Obrigado pela sua atenção.

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub