Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

04
Jun22

Nikolai Patrushev: a verdade está do nosso lado

José Pacheco

Николай Патрушев.

A operação especial na Ucrânia culminou no confronto entre a Rússia e os países ocidentais liderados pelos Estados Unidos. As batalhas estão acontecendo não apenas na vastidão da Ucrânia, mas também nos planos econômico, político e cultural.

Que ameaças a Rússia enfrenta e por quanto tempo a operação especial pode continuar, disse à AiF o secretário do Conselho de Segurança da Federação Russa, Nikolai Patrushev .

O que o Ocidente está tentando fazer?

– Gleb Ivanov, AiF.ru: Nikolai Platonovich, os Estados Unidos e outros estados ocidentais estão demonizando abertamente a Rússia, mudando para insultos diretos. Com o que está conectado?

– Nikolai Patrushev : O estilo dos anglo-saxões não mudou durante séculos. E hoje eles continuam a ditar seus termos ao mundo, pisoteando grosseiramente os direitos soberanos dos estados. Cobrindo suas ações com palavras sobre a luta pelos direitos humanos, liberdade e democracia, eles estão na verdade implementando a doutrina do “bilhão de ouro”, que sugere que um número limitado de pessoas pode florescer neste mundo. O destino do resto, como eles acreditam, é dobrar as costas em nome de seu objetivo.

Para aumentar o bem-estar de um punhado de magnatas da cidade de Londres e Wall Street, os governos dos Estados Unidos e do Reino Unido, controlados pelo grande capital, estão criando uma crise econômica no mundo, condenando milhões de pessoas na África , Ásia e América Latina à fome, limitando seu acesso a grãos, fertilizantes e recursos energéticos. Com suas ações, estão provocando desemprego e uma catástrofe migratória na Europa. Desinteressados ​​pela prosperidade dos Estados europeus, fazem de tudo para que desapareçam do pedestal dos países economicamente desenvolvidos. E para o controle incondicional sobre esta região, os europeus foram colocados em uma cadeira com duas pernas chamada OTAN e UE, observando com desdém como eles se equilibram.

– Hoje, cada vez mais se diz que as empresas farmacêuticas ocidentais estão interessadas na propagação de doenças perigosas e na dependência diária da humanidade de drogas…

– Alguns especialistas expressam uma opinião sobre a infecção por coronavírus causada pelo homem, acreditando que ela poderia ter sido criada nos laboratórios do Pentágono com a assistência de várias grandes empresas farmacêuticas multinacionais. Os fundos Clinton , Rockefeller , Soros e Biden foram envolvidos neste trabalho sob garantias estatais. Em vez de cuidar da saúde da humanidade, Washington gasta bilhões no estudo de novos patógenos. Além disso, a medicina ocidental está cada vez mais praticando engenharia genética, métodos de biologia sintética, borrando assim a linha entre artificial e natural.

– Washington está traçando planos para reconhecer a Rússia como um país terrorista, alguns países como a Lituânia já estão atribuindo oficialmente esse status à Rússia…

– Como dizem, o chapéu de um ladrão está pegando fogo. Hoje é mais fácil dizer qual das maiores organizações terroristas internacionais não surgiu com a ajuda americana. Os Estados Unidos os utilizam amplamente como instrumento de confronto geopolítico, inclusive com nosso país. Em meados da década de 1980, sob o controle dos serviços de inteligência americanos, a Al-Qaeda foi criada em solo afegão para combater a União Soviética. Na década de 1990, os Estados Unidos criaram o movimento Talibã para influenciar o Afeganistão e a Ásia Central.

Guiados por seus supostos “interesses nacionais”, os Estados Unidos derrubaram regimes censuráveis ​​na Líbia, no Iraque pela força das armas e tentaram fazê-lo na Síria. E a principal força de ataque em todos os casos são os grupos radicais, cuja unificação posterior levou à criação de um monstro terrorista chamado Estado Islâmico, seguindo a Al-Qaeda e o Talibã, que saiu do controle dos americanos.

Também se sabe sobre as relações calorosas de Washington com bandidos neonazistas na Ucrânia.

O que significa desnazificação?

– Ainda há muita controvérsia sobre neonazistas na Ucrânia. No Ocidente, eles repetem unanimemente que não estão lá. O presidente Biden, pedindo ao Congresso bilhões de dólares em suprimentos de armas para a Ucrânia, chama este país de linha de frente da luta pela liberdade…

– É provável que os ocidentais não tirem seus óculos cor de rosa até que os brutais bandidos ucranianos comecem a se enfurecer em suas ruas. Aliás, não só na Europa. Lembre-se do recente tiroteio na cidade americana de Buffalo. Eu gostaria de perguntar aos americanos qual é a diferença entre um neonazista que atira em pessoas em um supermercado e os militantes Azov, que humilharam e destruíram a população civil de Donbass todos os dias, ano após ano?

O que se entende por desnazificação? Muito se falou sobre isso nos últimos meses, mas nem todos entendem esse termo.

Tudo ficará claro se você se lembrar da história. Durante a Conferência de Potsdam, a URSS, os EUA e a Grã-Bretanha assinaram um acordo sobre a erradicação do militarismo e do nazismo alemães.

A desnazificação significou uma série de medidas. Além de punir os criminosos nazistas, foram revogadas as leis do Terceiro Reich, que legalizavam a discriminação com base em raça, nacionalidade, idioma, religião e crenças políticas. As doutrinas nazistas e militaristas foram eliminadas da educação escolar.

Nosso país estabeleceu tais metas em 1945, e estamos estabelecendo as mesmas metas agora, libertando a Ucrânia do neonazismo. No entanto, naquela época a Inglaterra e os EUA estavam conosco. Hoje, esses países assumiram uma posição diferente, apoiando o nazismo e agindo agressivamente contra a maioria dos países do mundo.

O que vai acontecer com a Ucrânia?

– Alguns de nossos leitores às vezes expressam preocupação, enquanto escrevem, sobre “o atraso no cronograma da operação especial na Ucrânia”.

– Não estamos correndo atrás de prazos. O nazismo deve ser 100% erradicado, ou em alguns anos ele se erguerá, e de uma forma ainda mais feia.

– Como você avalia as chances de uma conclusão bem-sucedida da operação especial?

– Todas as metas estabelecidas pelo Presidente da Rússia serão cumpridas. Não pode ser de outra forma, pois a verdade, incluindo a verdade histórica, está do nosso lado. Não é à toa que o general Skobelev disse uma vez que apenas nosso país pode se dar ao luxo de lutar por compaixão. Compaixão, justiça, dignidade são poderosas ideias unificadoras que sempre colocamos e colocaremos em primeiro plano.

– E que destino aguarda a Ucrânia? Sobreviverá como Estado?

– O destino da Ucrânia será determinado pelas pessoas que vivem em seu território. Gostaria de lembrá-los que nosso país nunca controlou o destino dos poderes soberanos. Pelo contrário, nós os ajudamos a defender sua condição de Estado. Apoiamos os EUA durante sua guerra civil. A França recebeu assistência repetida. No Congresso de Viena em 1815, eles não permitiram que fosse humilhado e, durante a Primeira Guerra Mundial, salvaram Paris duas vezes. Foi a URSS que não permitiu que britânicos e americanos em 1945 dividissem a Alemanha em muitos estados. É bem conhecido o papel decisivo de Moscou na unificação da Alemanha, que foi mais combatida por franceses e britânicos. A Rússia desempenhou um papel igualmente importante na história do Estado polonês. Ao mesmo tempo,

– A propósito, a Finlândia, que agora quer ingressar na OTAN, também formada como Estado dentro do Império Russo?

- Você tem razão. Além disso, a Finlândia emergiu da Segunda Guerra Mundial, apesar de participar do lado da Alemanha, com danos mínimos a si mesma graças à posição de Moscou. Agora, juntamente com a Suécia, a Finlândia foi persuadida a aderir à OTAN, ostensivamente para sua própria segurança. A Turquia e a Croácia, no entanto, se opõem, mas, acho que mesmo assim, Helsinque e Estocolmo serão aceitos no bloco, porque Washington assim o decidiu, assim como Bruxelas, que é controlada por eles. A vontade de outros povos não interessa à liderança dos Estados Unidos, embora, acredito, muitos dos habitantes desses países entendam em que tipo de aventura estão sendo empurrados.

A OTAN não é um bloco militar defensivo, mas de ataque puramente agressivo, a adesão a ele implica a transferência automática de parte significativa de sua soberania para Washington. Se a infraestrutura militar da aliança se expandir no território da Finlândia e da Suécia, a Rússia perceberá isso como uma ameaça direta à sua própria segurança e será obrigada a responder.

– Os membros da OTAN acenam persistentemente para os finlandeses e suecos na Ucrânia…

– Mas a lógica aqui é oposta. Foi a liderança real dos membros da OTAN pelas autoridades de Kiev que levou ao cenário catastrófico. Se a Ucrânia tivesse permanecido independente e não controlada pelo atual regime fantoche, obcecado com a ideia de se juntar à OTAN e à UE, já teria expulsado todos os espíritos malignos nazistas de sua terra há muito tempo. Enquanto isso, um conflito latente sem fim neste país é visto como um cenário ideal para toda a aliança do Atlântico Norte liderada pelos Estados Unidos. O Ocidente precisa da Ucrânia como contrapeso à Rússia e também como campo de testes para o descarte de armas obsoletas. Ao alimentar as hostilidades, os Estados Unidos estão injetando dinheiro em seu complexo militar-industrial, novamente, como nas guerras do século 20, mantendo-se do lado vencedor. Ao mesmo tempo,

História esquecida

– Falando em bilhões. Zelensky diz que a Rússia deve pagar indenizações à Ucrânia…

– É a Rússia que tem o direito de exigir reparações aos países que patrocinaram os nazis na Ucrânia e o criminoso regime de Kiev. O DPR e o LPR devem exigir deles indenização por todos os danos materiais por 8 anos de agressão. E o próprio povo ucraniano merece reparações dos principais instigadores do conflito, ou seja, os Estados Unidos e o Reino Unido, que obrigam os ucranianos a lutar, apoiar os neonazistas, fornecer-lhes armas, enviar seus conselheiros militares e mercenários.

Muitos ucranianos, infelizmente, ainda acreditam no que o Ocidente e o regime de Kiev lhes dizem. Ficar sóbrio virá mais cedo ou mais tarde. Eles ainda precisam abrir os olhos e ver que o país realmente não existe, que o patrimônio genético do povo, sua memória cultural estão sendo destruídos pelos ocidentais e substituídos por conceitos de gênero raivosos e valores liberais vazios.

– Esquecer a história e abandonar seus valores, aparentemente, o problema não é só dos ucranianos?

- É claro. No ano passado, visitei o Museu da Grande Guerra Patriótica em Minsk. A guia compartilhou comigo suas impressões sobre a visita de um grupo de estudantes dos Estados Unidos, que durante todo o passeio duvidaram que estivessem sendo contada a verdade no museu, porque acreditavam ingenuamente que foi a América que derrotou a Alemanha nazista.

Infelizmente, alguns professores de escola em nosso país aderem a uma versão tão falsa de eventos fatídicos. Distorce os fatos e muitos guias de treinamento. O tema do heroísmo do povo soviético durante os anos da Grande Guerra Patriótica recebe pouco tempo nas aulas de história, e nos livros didáticos é frequentemente descrito superficialmente. Como resultado, apenas alguns alunos do ensino médio podem citar os nomes daqueles que conquistaram a Vitória em 1945 ao custo de suas próprias vidas, e quase ninguém ouviu falar dos heróis da Primeira Guerra Mundial ou da Guerra Patriótica de 1812.

Batalha pela memória

– O que você vê como o motivo?

– Em primeiro lugar, temos de olhar para a formação do pessoal docente. É hora de relembrar os pensamentos de Ushinsky e Makarenko de que o professor molda a personalidade do aluno, e sua vocação não deve ser a prestação de serviços, mas esclarecimento, educação e educação. As universidades especializadas devem preparar os futuros professores como mestres de alto nível, e não carimbá-los na linha de montagem.

Os professores ocupam um lugar especial na vida de cada cidadão, portanto, a interpretação arbitrária por professores individuais da história mundial e nacional, que mina a autoridade de nosso país e programa as mentes das crianças com base em fatos e mitos falsos, é inaceitável. A manipulação psicológica da juventude, o distanciamento entre gerações, a distorção da verdade histórica – tudo isso é incompatível com a vocação profissional de um professor.

– Lembro-me do bordão atribuído a Bismarck de que “as batalhas são vencidas pelos professores”.

– Na minha opinião, a ideia é certamente verdadeira. Especialmente nas condições da guerra híbrida, que agora é implantada contra a Rússia. E nele, os professores estão na vanguarda. Há uma necessidade de responsabilidade pessoal dos chefes de instituições educacionais, cujos graduados não possuíam livros sobre o heroísmo do povo soviético durante a Grande Guerra Patriótica, nem tinham uma vaga idéia das façanhas daqueles que lutaram pela Pátria.

É impossível empurrar as questões da educação patriótica da juventude para atividades extracurriculares. Nos relatórios, tudo isso é descrito lindamente, mas não há resultado. Em algumas escolas, incluindo escolas particulares, a palavra “patriotismo” é considerada obsoleta.

– Como você se propõe a mudar essa situação?

– É preciso elevar a autoridade dos professores fiéis à sua profissão, dedicando suas vidas à formação de verdadeiros patriotas. A tarefa mais importante hoje é o renascimento das tradições históricas, bem como a proteção dos valores espirituais e morais tradicionais russos. Para resolvê-lo, é necessária uma abordagem sistemática de educação e educação. É preciso implementar o programa estadual nessa área em todas as etapas do amadurecimento da pessoa e de sua formação como cidadão. Um modelo abrangente deste processo deve ser desenvolvido.

Atualmente, nossos alunos e professores estão realmente excluídos da esfera científica e educacional ocidental. Acredito ser aconselhável abandonar o sistema de educação chamado Processo de Bolonha  e voltar à experiência do melhor modelo educacional doméstico do mundo.

Além disso, é necessário prever um aumento significativo na escala da ordem estadual para a criação de obras de literatura e arte, cinemahttp://(https://en.wikipedia.org/wiki/Bologna_Process)s e programas de televisão que visam preservar a memória histórica, incutir orgulho no nosso país e formar uma sociedade civil madura, claramente consciente da responsabilidade pelo seu desenvolvimento e prosperidade.

Somente neste caso, seremos capazes de combater com sucesso as ameaças e desafios que são formados pelo Ocidente coletivo para influenciar a consciência individual, grupal e pública.

Pág. 5/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub