Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

30
Jul22

Indo para Samarcanda

José Pacheco

A SCO e outras organizações pan-eurasianas jogam um jogo de bola completamente diferente – respeitoso e consensual. E é por isso que eles estão chamando a atenção da maior parte do Sul Global.

reunião do Conselho Ministerial da SCO  em Tashkent na sexta-feira passada envolveu alguns assuntos muito sérios. Essa foi a principal reunião preparatória anterior à cúpula da SCO em meados de setembro na lendária Samarcanda, onde a SCO lançará uma muito aguardada “Declaração de Samarcanda”.

O que aconteceu em Tashkent foi previsivelmente não relatado em todo o Ocidente coletivo e ainda não digerido em grandes áreas do Oriente.

Então, mais uma vez, cabe ao ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, ir direto ao ponto. O principal diplomata do mundo – em meio ao drama trágico da Era da Não-Diplomacia, Ameaças e Sanções inventada pelos EUA – destacou os dois temas principais sobrepostos que impulsionam a SCO como uma das principais organizações no caminho para a integração da Eurásia.

  1. Interconectividade e “a criação de corredores de transporte eficientes”. A Guerra dos Corredores Econômicos é uma das principais características do século XXI
  2. Traçando “o roteiro para o aumento gradual da participação das moedas nacionais em acordos mútuos”.

No entanto, foi na sessão de perguntas e respostas que Lavrov, para todos os efeitos práticos, detalhou todas as principais tendências no estado atual e incandescente das relações internacionais. Estas são as principais conclusões.

Quão confortável você está com o dólar americano?

África: “Concordamos em submeter à consideração dos líderes propostas sobre ações específicas para mudar para assentamentos em moedas nacionais. Acho que agora todo mundo vai pensar nisso. A África já tem uma experiência semelhante: moedas comuns em algumas estruturas sub-regionais, que, no entanto, em geral, estão atreladas às ocidentais. A partir de 2023, uma zona de livre comércio continental começará a funcionar no continente africano. Um passo lógico seria reforçá-lo com acordos cambiais.”

Bielorrússia – e muitos outros – ansiosos para ingressar na SCO: “Há um amplo consenso sobre a candidatura bielorrussa (…) Eu senti isso hoje. Há uma série de candidatos ao estatuto de observador, parceiro de diálogo. Alguns países árabes demonstram esse interesse, como Armênia, Azerbaijão e vários estados asiáticos.”

Diplomacia de grãos: “Em relação à questão dos grãos russos, foram as sanções americanas que não permitiram a implementação plena dos contratos assinados devido às restrições impostas: navios russos estão proibidos de entrar em vários portos, há proibição em navios estrangeiros que entram em portos russos para pegar carga de exportação, e as taxas de seguro subiram (...) As cadeias financeiras também são interrompidas por sanções ilegítimas dos EUA e da UE. Em particular, o Rosselkhozbank, por onde passam todos os principais acordos de exportação de alimentos, foi um dos primeiros a ser incluído na lista de sanções. O secretário-geral da ONU, A. Guterres, comprometeu-se a remover essas barreiras para enfrentar a crise alimentar global. Vamos ver."

Taiwan: “Não discutimos isso com nosso colega chinês. A posição da Rússia de ter apenas uma China permanece inalterada. Os Estados Unidos confirmam periodicamente a mesma linha em palavras, mas na prática seus 'feitos' nem sempre coincidem com as palavras. Não temos nenhum problema em defender o princípio da soberania chinesa”.

O SCO deve abandonar o dólar americano? “Cada país da SCO deve decidir por si mesmo o quão confortável se sente em confiar no dólar, levando em consideração a absoluta falta de confiabilidade dessa moeda para possíveis abusos. Os americanos usaram isso mais de uma vez em relação a vários estados”.

Por que a SCO é importante: “Não há líderes e seguidores na SCO. Não há situações na organização como na OTAN, quando os EUA e seus aliados mais próximos impõem uma linha ou outra a todos os outros membros da aliança. Na Organização de Cooperação de Xangai, a situação que estamos vendo atualmente na UE não se coloca: países soberanos estão literalmente sendo 'nocauteados', exigindo que parem de comprar gás ou reduzam seu consumo em violação aos planos e interesses nacionais. ”

Lavrov também fez questão de enfatizar como “outras estruturas no espaço eurasiano, por exemplo, a EAEU e BRICS, são baseadas e operam nos mesmos princípios” da SCO. E ele se referiu à cooperação crucial com os 10 países membros da ASEAN.

Assim, ele preparou o terreno para o argumento decisivo: “Todos esses processos, em interconexão, ajudam a formar a Grande Parceria Eurasiática, sobre a qual o presidente Vladimir Putin falou repetidamente. Vemos neles um benefício para toda a população do continente eurasiano.”

Essas vidas afegãs e árabes

A grande história real dos Raging Twenties  é como a operação militar especial (SMO) na Ucrânia de fato deu início a “todos esses processos”, como Lavrov mencionou, levando simultaneamente à inexorável integração da Eurásia.

Mais uma vez ele teve que relembrar dois fatos básicos que continuam a escapar de qualquer análise séria em todo o Ocidente coletivo:

Fato 1: “Todas as nossas propostas para sua remoção [referindo-se aos ativos de expansão da OTAN] com base no princípio do respeito mútuo pelos interesses de segurança foram ignoradas pelos EUA, pela UE e pela OTAN.”

Fato 2: “Quando a língua russa foi banida na Ucrânia, e o governo ucraniano promoveu teorias e práticas neonazistas, o Ocidente não se opôs, mas, ao contrário, encorajou as ações do regime de Kyiv e admirou a Ucrânia como um ' reduto da democracia.' Os países ocidentais forneceram armas ao regime de Kyiv e planejaram a construção de bases navais em território ucraniano. Todas essas ações visavam abertamente conter a Federação Russa. Estamos alertando há 10 anos que isso é inaceitável”.

Também é apropriado que Lavrov coloque novamente o Afeganistão, Iraque e Líbia em contexto: “Lembremos o exemplo do Afeganistão, quando até as cerimônias de casamento foram submetidas a ataques aéreos, ou do Iraque e da Líbia, onde o Estado foi completamente destruído, e muitas vidas foram sacrificadas. Quando os estados que facilmente adotaram tal política estão agora fazendo um alvoroço sobre a Ucrânia, posso concluir que as vidas dos afegãos e árabes não significam nada para os governos ocidentais. É lamentável. Padrões duplos, esses instintos racistas e coloniais devem ser eliminados”.

Putin, Lavrov, Patrushev, Madvedev, todos têm enfatizado ultimamente o caráter racista e neocolonial da matriz OTANstan. A SCO e outras organizações pan-eurasianas jogam um jogo de bola completamente diferente – respeitoso e consensual. E é por isso que eles estão chamando a atenção da maior parte do Sul Global. Próxima parada: Samarcanda.

 

Pepe Escobar
29
Jul22

Diplomacia americana como drama trágico

José Pacheco

Por Michael Hudson 

Como em uma tragédia grega cujo protagonista traz precisamente o destino que ele procurou evitar, o confronto EUA/OTAN com a Rússia na Ucrânia está alcançando exatamente o oposto do objetivo dos EUA de impedir que China, Rússia e seus aliados ajam independentemente do controle dos EUA sobre a sua política comercial e de investimento. Nomeando a China como o principal adversário de longo prazo dos Estados Unidos, o plano do governo Biden era separar a Rússia da China e então prejudicar a própria viabilidade militar e econômica da China. Mas o efeito da diplomacia americana foi unir a Rússia e a China, juntando-se ao Irã, Índia e outros aliados. Pela primeira vez desde a Conferência de Bandung das Nações Não Alinhadas em 1955, uma massa crítica é capaz de ser mutuamente auto-suficiente para iniciar o processo de independência da Diplomacia do Dólar.

Confrontados com a prosperidade industrial da China baseada no investimento público autofinanciado em mercados socializados, as autoridades americanas reconhecem que a resolução dessa luta levará várias décadas para acontecer. Armar um regime ucraniano por procuração é apenas um movimento de abertura para transformar a Segunda Guerra Fria (e potencialmente / ou mesmo a Terceira Guerra Mundial) em uma luta para dividir o mundo em aliados e inimigos em relação a se os governos ou o setor financeiro planejarão a economia mundial e sociedade.

O que é eufemizado como democracia ao estilo dos EUA é uma oligarquia financeira que privatiza a infraestrutura básica, a saúde e a educação. A alternativa é o que o presidente Biden chama de autocracia, um rótulo hostil para governos fortes o suficiente para impedir que uma oligarquia global em busca de renda assuma o controle. A China é considerada autocrática por fornecer necessidades básicas a preços subsidiados, em vez de cobrar o que o mercado pode suportar. Tornar sua economia mista mais barata é chamado de “manipulação de mercado”, como se isso fosse uma coisa ruim que não foi feita pelos Estados Unidos, Alemanha e todas as outras nações industrializadas durante sua decolagem econômica no século 19 e início do século 20 .

Clausewitz popularizou o axioma de que a guerra é uma extensão dos interesses nacionais – principalmente econômicos. Os Estados Unidos vêem seu interesse econômico na busca de espalhar sua ideologia neoliberal globalmente. O objetivo evangelístico é financiar e privatizar as economias, mudando o planejamento dos governos nacionais para um setor financeiro cosmopolita. Haveria pouca necessidade de política em tal mundo. O planejamento econômico passaria das capitais políticas para os centros financeiros, de Washington para Wall Street, com satélites na City de Londres, na Bolsa de Paris, Frankfurt e Tóquio. As reuniões do conselho da nova oligarquia seriam realizadas no Fórum Econômico Mundial de Davos. Até agora, os serviços públicos de infraestrutura seriam privatizados e com preços altos o suficiente para incluir lucros (e, de fato, aluguéis de monopólio), financiamento da dívida e taxas de administração, em vez de ser subsidiado publicamente. O serviço da dívida e o aluguel se tornariam os principais custos gerais para famílias, indústria e governos.

O esforço dos EUA para manter seu poder unipolar de impor políticas financeiras, comerciais e militares “America First” ao mundo envolve uma hostilidade inerente em relação a todos os países que buscam seguir seus próprios interesses nacionais. Tendo cada vez menos a oferecer na forma de ganhos econômicos mútuos, a política dos EUA faz ameaças de sanções e intromissões encobertas na política externa. O sonho dos EUA prevê uma versão chinesa de Boris Yeltsin substituindo a liderança do Partido Comunista do país e vendendo seu domínio público para o maior lance – presumivelmente depois que uma crise monetária acaba com o poder de compra doméstico, como ocorreu na Rússia pós-soviética, deixando o mercado financeiro internacional comunidade como compradores.

A Rússia e o presidente Putin não podem ser perdoados por terem lutado contra as “reformas” dos meninos de Harvard. É por isso que as autoridades dos EUA planejaram como criar uma ruptura econômica russa para (esperam) orquestrar uma “revolução colorida” para recapturar a Rússia para o campo neoliberal mundial. Esse é o caráter da “democracia” e do “livre mercado” sendo justapostos à “autocracia” do crescimento subsidiado pelo Estado. Como o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, explicou em uma entrevista coletiva em 20 de julho de 2022 sobre o violento golpe na Ucrânia em 2014, os EUA e outras autoridades ocidentais definem os golpes militares como democráticos se forem patrocinados pelos Estados Unidos na esperança de promover políticas neoliberais.

Você se lembra de como os eventos se desenvolveram após o golpe? Os golpistas cuspiam na cara da Alemanha, França e Polônia que eram os fiadores do acordo com Viktor Yanukovych. Foi pisoteado na manhã seguinte. Esses países europeus não deram um pio – eles se reconciliaram com isso. Há alguns anos, perguntei aos alemães e franceses o que achavam do golpe. De que adiantaria se eles não exigiam que os golpistas cumprissem os acordos? Eles responderam: “Este é o custo do processo democrático”. Eu não estou brincando. Incrível – estes eram adultos que ocupavam o cargo de ministros das Relações Exteriores. [1]

Esse vocabulário do Doublethink reflete até que ponto a ideologia dominante evoluiu da descrição de Rosa Luxemburgo, um século atrás, da escolha civilizacional que estava sendo colocada: barbárie ou socialismo.

Os interesses contraditórios dos EUA e da Europa e os encargos da guerra na Ucrânia

Voltando à visão de Clausewitz da guerra como uma extensão da política nacional, os interesses nacionais dos EUA estão divergindo acentuadamente daqueles de seus satélites da OTAN. O complexo industrial militar americano, os setores petrolífero e agrícola estão se beneficiando, enquanto os interesses industriais europeus estão sofrendo. Esse é especialmente o caso da Alemanha e da Itália, como resultado de seus governos bloquearem as importações de gás do North Stream 2 e outras matérias-primas russas.

A interrupção das cadeias mundiais de fornecimento de energia, alimentos e minerais e a consequente inflação de preços (fornecendo um guarda-chuva para aluguéis de monopólio por fornecedores não russos) impôs enormes tensões econômicas aos aliados dos EUA na Europa e no Sul Global. No entanto, a economia dos EUA está se beneficiando disso, ou pelo menos setores específicos da economia dos EUA estão se beneficiando. Como Sergey Lavrov, apontou em sua conferência de imprensa acima citada: “A economia europeia é impactada mais do que qualquer outra coisa. As estatísticas mostram que 40% dos danos causados ​​pelas sanções são suportados pela UE, enquanto os danos aos Estados Unidos são inferiores a 1%”. A taxa de câmbio do dólar disparou em relação ao euro, que despencou para a paridade com o dólar e deve cair ainda mais para os US$ 0,80 de uma geração atrás. NÓS o domínio sobre a Europa é ainda mais reforçado pelas sanções comerciais contra o petróleo e o gás russos. Os EUA são exportadores de GNL, as empresas americanas controlam o comércio mundial de petróleo e as empresas americanas são as maiores comercializadoras e exportadoras de grãos do mundo, agora que a Rússia está excluída de muitos mercados estrangeiros.

Um renascimento dos gastos militares europeus – para o ataque, não para a defesa

Os fabricantes de armas dos EUA estão ansiosos para lucrar com as vendas de armas para a Europa Ocidental, que quase literalmente se desarmou enviando seus tanques e obuses, munições e mísseis para a Ucrânia. Os políticos dos EUA apoiam uma política externa belicosa para promover fábricas de armas que empregam mão de obra em seus distritos eleitorais. E os neocons que dominam o Departamento de Estado e a CIA veem a guerra como um meio de afirmar o domínio americano sobre a economia mundial, começando com seus próprios parceiros da OTAN.

O problema com essa visão é que, embora os monopólios militares-industriais, petrolíferos e agrícolas da América estejam se beneficiando, o resto da economia dos EUA está sendo espremida pelas pressões inflacionárias resultantes do boicote às exportações russas de gás, grãos e outras matérias-primas, e a enorme aumento do orçamento militar será usado como desculpa para cortar programas de gastos sociais. Isso também é um problema para os membros da zona do euro. Eles prometeram à Otan aumentar seus gastos militares para os 2% estipulados de seu PIB, e os americanos estão pedindo níveis muito mais altos para atualizar para o conjunto mais recente de armamentos. Quase esquecido está o Dividendo da Paz que foi prometido em 1991, quando a União Soviética dissolveu a aliança do Pacto de Varsóvia, esperando que a OTAN também tivesse poucas razões para existir.

A Rússia não tem nenhum interesse econômico discernível em montar uma nova ocupação da Europa Central. Isso não traria nenhum ganho para a Rússia, como seus líderes perceberam quando dissolveram a antiga União Soviética. Na verdade, nenhum país industrializado no mundo de hoje pode se dar ao luxo de colocar uma infantaria para ocupar um inimigo. Tudo o que a OTAN pode fazer é bombardear à distância. Pode destruir, mas não ocupar. Os Estados Unidos descobriram isso na Sérvia, Iraque, Líbia, Síria e Afeganistão. E assim como o assassinato do arquiduque Ferdinand em Sarajevo (agora Bósnia-Herzegovina) desencadeou a Primeira Guerra Mundial em 1914, o bombardeio da OTAN na vizinha Sérvia pode ser visto como um desafio para transformar a Segunda Guerra Fria em uma verdadeira Terceira Guerra Mundial. Isso marcou o ponto em que a OTAN se tornou uma aliança ofensiva, não defensiva.

Como isso reflete os interesses europeus? Por que a Europa deveria se rearmar, se o único efeito é torná-la alvo de retaliação em caso de novos ataques à Rússia? O que a Europa tem a ganhar ao se tornar um cliente maior para o complexo industrial militar dos Estados Unidos? Desviar gastos para reconstruir um exército ofensivo – que nunca pode ser usado sem desencadear uma resposta atômica que acabaria com a Europa – limitará os gastos sociais necessários para lidar com os problemas atuais da Covid e a recessão econômica.

A única alavancagem duradoura que uma nação pode oferecer no mundo de hoje é o comércio e a transferência de tecnologia. A Europa tem mais a oferecer do que os Estados Unidos. No entanto, a única oposição a gastos militares renovados vem dos partidos de direita e do partido alemão Linke. Os partidos social-democrata, socialista e trabalhista da Europa compartilham a ideologia neoliberal americana.

Sanções contra o gás russo fazem do carvão “o combustível do futuro”

A pegada de carbono de bombardeios, fabricação de armas e bases militares está surpreendentemente ausente da discussão de hoje sobre o aquecimento global e a necessidade de reduzir as emissões de carbono. O partido alemão que se autodenomina Green está liderando a campanha por sanções contra a importação de petróleo e gás russos, que as concessionárias de energia elétrica estão substituindo por carvão polonês e até linhita alemã. O carvão está se tornando o “combustível do futuro”. Seu preço também está subindo nos Estados Unidos, beneficiando as empresas americanas de carvão.

Ao contrário dos acordos do Clube de Paris para reduzir as emissões de carbono, os Estados Unidos não têm capacidade política nem intenção de se juntar ao esforço de conservação. A Suprema Corte decidiu recentemente que o Poder Executivo não tem autoridade para emitir regras de energia em todo o país; apenas estados individuais podem fazer isso, a menos que o Congresso aprove uma lei nacional para reduzir os combustíveis fósseis.

Isso parece improvável em vista do fato de que se tornar chefe de um Senado democrata e de um comitê do Congresso exige ser um líder no levantamento de contribuições de campanha para o partido. Joe Manchin, um bilionário da empresa de carvão, lidera todos os senadores em apoio à campanha das indústrias de petróleo e carvão, permitindo-lhe ganhar o leilão de seu partido para a presidência do comitê de Energia e Recursos Naturais do Senado e bloquear qualquer legislação ambiental seriamente restritiva.

Ao lado do petróleo, a agricultura é um dos principais contribuintes para a balança de pagamentos dos EUA. O bloqueio do transporte russo de grãos e fertilizantes ameaça criar uma crise alimentar no Sul Global, bem como uma crise europeia, já que o gás não está disponível para produzir fertilizantes domésticos. A Rússia é o maior exportador mundial de grãos e também de fertilizantes, e suas exportações desses produtos estão isentas das sanções da OTAN. Mas o transporte russo foi bloqueado pela Ucrânia, colocando minas nas rotas marítimas através do Mar Negro para fechar o acesso ao porto de Odessa, esperando que o mundo culpasse a Rússia pela iminente crise mundial de grãos e energia, em vez das sanções comerciais EUA/OTAN impostas à Rússia. Rússia. [2] Em sua entrevista coletiva de 20 de julho de 2022, Sergey Lavrov mostrou a hipocrisia da tentativa de relações públicas de distorcer os assuntos:

Por muitos meses, eles nos disseram que a Rússia era a culpada pela crise alimentar porque as sanções não cobrem alimentos e fertilizantes. Portanto, a Rússia não precisa encontrar maneiras de evitar as sanções e, portanto, deve negociar porque ninguém está em seu caminho. Levamos muito tempo para explicar a eles que, embora alimentos e fertilizantes não estejam sujeitos a sanções, o primeiro e o segundo pacotes de restrições ocidentais afetaram os custos de frete, prêmios de seguro, permissões para navios russos que transportam essas mercadorias para atracar em portos estrangeiros e os de navios estrangeiros que recebem as mesmas remessas nos portos russos. Eles estão mentindo abertamente para nós que isso não é verdade e que cabe apenas à Rússia. Isso é jogo sujo.

O transporte de grãos do Mar Negro começou a ser retomado, mas os países da OTAN bloquearam pagamentos à Rússia em dólares, euros ou moedas de outros países na órbita dos EUA. Os países com déficit alimentar que não podem pagar os preços dos alimentos em nível de angústia enfrentam escassez drástica, que será exacerbada quando forem obrigados a pagar suas dívidas externas denominadas em dólar norte-americano valorizado. A iminente crise de combustíveis e alimentos promete levar uma nova onda de imigrantes para a Europa em busca de sobrevivência. A Europa já foi inundada de refugiados dos bombardeios da OTAN e do apoio aos ataques jihadistas na Líbia e nos países produtores de petróleo do Oriente Próximo. A guerra por procuração deste ano na Ucrânia e a imposição de sanções anti-russas são uma ilustração perfeita da piada de Henry Kissinger: “Pode ser perigoso ser inimigo da América, mas ser amigo da América é fatal”.

Blowback dos erros de cálculo dos EUA/OTAN

A diplomacia internacional dos Estados Unidos visa ditar políticas financeiras, comerciais e militares que prenderão outros países à dívida em dólares e à dependência comercial, impedindo-os de desenvolver alternativas. Se isso falhar, os Estados Unidos procuram isolar os recalcitrantes da esfera ocidental centrada nos EUA.

A diplomacia estrangeira dos Estados Unidos não se baseia mais em oferecer ganhos mútuos. Tal poderia ser reivindicado após a Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos estavam em posição de oferecer empréstimos, ajuda externa e proteção militar contra a ocupação – bem como manufaturas para reconstruir economias devastadas pela guerra – aos governos em troca de sua aceitação. políticas comerciais e monetárias favoráveis ​​aos exportadores e investidores americanos. Mas hoje existe apenas a diplomacia beligerante de ameaçar ferir nações cujos governos socialistas rejeitam o impulso neoliberal dos Estados Unidos de privatizar e vender seus recursos naturais e infraestrutura pública.

O primeiro objetivo é impedir que a Rússia e a China se ajudem. Esta é a velha estratégia imperial de dividir para conquistar. Minimizar a capacidade da Rússia de apoiar a China abriria caminho para que os Estados Unidos e a OTAN Europa imponham novas sanções comerciais à China e enviem jihadistas para a região uigur ocidental de Xinjiang. O objetivo é esgotar o estoque de armamentos da Rússia, matar o suficiente de seus soldados e criar escassez e sofrimento suficientes para não apenas enfraquecer sua capacidade de ajudar a China, mas estimular sua população a apoiar uma mudança de regime, uma “revolução colorida” patrocinada pelos EUA. .” O sonho é promover um líder semelhante a Yeltsin amigo da “terapia” neoliberal que desmantelou a economia russa na década de 1990.

Por incrível que pareça, os estrategistas dos EUA não previram a resposta óbvia dos países que se encontram juntos na mira das ameaças militares e econômicas dos EUA/OTAN. Em 19 de julho de 2022, os presidentes da Rússia e do Irã se reuniram para anunciar sua cooperação diante da guerra de sanções contra eles. Isso se seguiu à reunião anterior da Rússia com o primeiro-ministro da Índia, Modi. No que foi caracterizado como “atirar no próprio pé”, a diplomacia dos EUA está unindo Rússia, China, Índia e Irã e, de fato, estendendo a mão à Argentina e outros países para se juntar ao banco BRICS-plus para se proteger.

Os próprios EUA estão acabando com o padrão do dólar das finanças internacionais

O governo Trump deu um grande passo para tirar os países da órbita do dólar em novembro de 2018, confiscando quase US$ 2 bilhões do estoque oficial de ouro da Venezuela em Londres. O Banco da Inglaterra colocou essas reservas à disposição de Juan Guaidó, o político marginal de direita escolhido pelos Estados Unidos para substituir o presidente eleito da Venezuela como chefe de Estado. Isso foi definido como democrático, porque a mudança de regime prometia introduzir o “livre mercado” neoliberal que é considerado a essência da definição americana de democracia para o mundo de hoje.

Este roubo de ouro na verdade não foi o primeiro tal confisco. Em 14 de novembro de 1979, a administração Carter paralisou os depósitos bancários do Irã em Nova York depois que o xá foi derrubado. Este ato impediu o Irã de pagar seu serviço de dívida externa programado, forçando-o a entrar em default. Isso foi visto como uma ação única excepcional no que diz respeito a todos os outros mercados financeiros. Mas agora que os Estados Unidos são a autoproclamada “nação excepcional”, tais confiscos estão se tornando uma nova norma na diplomacia americana. Ninguém sabe ainda o que aconteceu com as reservas de ouro da Líbia que Muammar Gadafi pretendia usar para apoiar uma alternativa africana ao dólar. E o ouro e outras reservas do Afeganistão foram simplesmente tomados por Washington como pagamento pelo custo de “libertar” aquele país do controle russo, apoiando o Talibã. Mas quando o governo Biden e seus aliados da OTAN fizeram uma captura de ativos muito maior de cerca de US$ 300 bilhões das reservas bancárias estrangeiras da Rússia e das reservas de moeda em março de 2022, oficializou uma nova época radical na diplomacia do dólar. Qualquer nação que siga políticas que não sejam consideradas de interesse do governo dos EUA corre o risco de as autoridades dos EUA confiscarem suas reservas estrangeiras em bancos ou títulos dos EUA.

Esta foi uma bandeira vermelha que levou os países a temer denominar seu comércio, poupança e dívida externa em dólares, e evitar o uso de depósitos bancários em dólares ou euros e títulos como meio de pagamento. Ao levar outros países a pensar em como se libertar do sistema monetário e comercial mundial centrado nos EUA, estabelecido em 1945 com o FMI, o Banco Mundial e, posteriormente, a Organização Mundial do Comércio, os confiscos dos EUA aceleraram o fim do Tesouro dos EUA. -bill standard que tem governado as finanças mundiais desde que os Estados Unidos saíram do ouro em 1971. [3]

Desde que a conversibilidade do dólar em ouro terminou em agosto de 1971, a dolarização do comércio e do investimento mundial criou a necessidade de outros países manterem a maior parte de suas novas reservas monetárias internacionais em títulos do Tesouro dos EUA e depósitos bancários. Como já observado, isso permite aos Estados Unidos apreender depósitos bancários estrangeiros e títulos denominados em dólares americanos.

Mais importante, os Estados Unidos podem criar e gastar IOUs em dólares na economia mundial à vontade, sem limites. Ele não precisa ganhar poder de compra internacional por meio de um superávit comercial, como outros países precisam fazer. O Tesouro dos EUA pode simplesmente imprimir dólares eletronicamente para financiar seus gastos militares estrangeiros e compras de recursos e empresas estrangeiras. E sendo o “país excepcional”, não precisa pagar essas dívidas – que são reconhecidas como grandes demais para serem pagas. As participações em dólares estrangeiros são crédito gratuito dos EUA para os Estados Unidos, não exigindo reembolso mais do que os dólares de papel em nossas carteiras devem ser pagos (retirando-os de circulação).

Blowback resultante de EUA/OTAN isolando seus sistemas econômicos e monetários

É difícil ver como tirar os países da órbita econômica dos EUA serve aos interesses nacionais dos EUA de longo prazo. Dividir o mundo em dois blocos monetários limitará a Diplomacia do Dólar aos seus aliados e satélites da OTAN.

O retrocesso que agora se desenrola na esteira da diplomacia dos EUA começa com sua política anti-Rússia. Esperava-se que a imposição de sanções comerciais e monetárias impedisse os consumidores e empresas russas de comprar as importações dos EUA/OTAN às quais estavam acostumados. Confiscar as reservas de moeda estrangeira da Rússia deveria quebrar o rublo, “transformando-o em escombros”, como o presidente Biden prometeu. A imposição de sanções contra a importação de petróleo e gás russos para a Europa deveria privar a Rússia das receitas de exportação, causando o colapso do rublo e aumentando os preços de importação (e, portanto, o custo de vida) para o público russo. Em vez disso, bloquear as exportações russas criou uma inflação mundial de preços de petróleo e gás, aumentando drasticamente as receitas de exportação russas. Exportava menos gás, mas ganhava mais – e com dólares e euros bloqueados, A Rússia exigiu o pagamento de suas exportações em rublos. Sua taxa de câmbio disparou em vez de entrar em colapso, permitindo que a Rússia reduzisse suas taxas de juros.

Incitar a Rússia a enviar seus soldados ao leste da Ucrânia para defender os falantes de russo sob ataque em Luhansk e Donetsk, juntamente com o impacto esperado das sanções ocidentais que se seguiram, deveria fazer com que os eleitores russos pressionassem por uma mudança de regime. Mas, como quase sempre acontece quando um país ou etnia é atacado, os russos ficaram horrorizados com o ódio ucraniano aos falantes de língua russa e à cultura russa, e com a russofobia do Ocidente. O efeito de países ocidentais banindo músicas de compositores russos e romances russos de bibliotecas – e a Inglaterra banindo jogadores de tênis russos do torneio de Wimbledon – foi fazer com que os russos se sentissem atacados simplesmente por serem russos. Eles se reuniram em torno do presidente Putin.

As sanções comerciais da OTAN ajudaram a agricultura e a indústria russas a se tornarem mais autossuficientes, obrigando a Rússia a investir na substituição de importações. Um sucesso agrícola bem divulgado foi desenvolver sua própria produção de queijo para substituir a da Lituânia e de outros fornecedores europeus. Sua produção automotiva e industrial está sendo forçada a mudar de marcas alemãs e de outras marcas europeias para seus próprios produtores e chineses. O resultado é uma perda de mercados para os exportadores ocidentais.

No campo dos serviços financeiros, a exclusão da Rússia pela OTAN do sistema de compensação bancária SWIFT não conseguiu criar o caos previsto nos pagamentos. A ameaça foi tão alta por tanto tempo que a Rússia e a China tiveram tempo de sobra para desenvolver seu próprio sistema de pagamentos. Isso lhes forneceu uma das pré-condições para seus planos de separar suas economias das do Ocidente dos EUA/OTAN.

Como as coisas aconteceram, as sanções comerciais e monetárias contra a Rússia estão impondo os custos mais pesados ​​à Europa Ocidental e provavelmente se espalharão para o Sul Global, levando-os a pensar se seus interesses econômicos estão em ingressar na diplomacia do dólar dos EUA. A interrupção está sendo sentida mais seriamente na Alemanha, causando o fechamento de muitas empresas como resultado da escassez de gás e outras matérias-primas. A recusa da Alemanha em autorizar o oleoduto North Stream 2 levou a crise de energia ao auge. Isso levantou a questão de quanto tempo os partidos políticos da Alemanha podem permanecer subordinados às políticas da Guerra Fria da OTAN às custas da indústria alemã e das famílias que enfrentam aumentos acentuados nos custos de aquecimento e eletricidade.

Quanto mais tempo demorar para restabelecer o comércio com a Rússia, mais as economias europeias sofrerão, junto com os cidadãos em geral, e mais a taxa de câmbio do euro cairá, estimulando a inflação em todos os países membros. Os países europeus da OTAN estão perdendo não apenas seus mercados de exportação, mas suas oportunidades de investimento para ganhar com o crescimento muito mais rápido dos países da Eurásia, cujo planejamento governamental e resistência à financeirização se mostraram muito mais produtivos do que o modelo neoliberal EUA/OTAN.

É difícil ver como qualquer estratégia diplomática pode fazer mais do que ganhar tempo. Isso envolve viver no curto prazo, não no longo prazo. O tempo parece estar do lado da Rússia, da China e das alianças de comércio e investimento que estão negociando para substituir a ordem econômica ocidental neoliberal.

O problema final da América é sua economia pós-industrial neoliberal

O fracasso e os retrocessos da diplomacia norte-americana são resultado de problemas que vão além da própria diplomacia. O problema subjacente é o compromisso do Ocidente com o neoliberalismo, a financeirização e a privatização. Em vez do subsídio governamental dos custos básicos de vida necessários ao trabalho, toda a vida social está sendo feita parte do “mercado” – um mercado desregulamentado exclusivamente Thatcherista dos “Chicago Boys” no qual a indústria, a agricultura, a habitação e o financiamento são desregulamentados e cada vez mais predatórios, enquanto subsidiando fortemente a avaliação de ativos financeiros e rent-seeking – principalmente a riqueza dos 1% mais ricos. A renda é obtida cada vez mais pela busca de renda financeira e monopolista, e fortunas são feitas por ganhos de “capital” alavancados por dívida para ações, títulos e imóveis.

As empresas industriais dos EUA têm como objetivo “criar riqueza” aumentando o preço de suas ações usando mais de 90% de seus lucros para recompras de ações e pagamentos de dividendos, em vez de investir em novas instalações de produção e contratar mais mão de obra. O resultado de um investimento de capital mais lento é desmantelar e canibalizar financeiramente a indústria corporativa para produzir ganhos financeiros. E na medida em que as empresas empregam mão de obra e estabelecem nova produção, isso é feito no exterior, onde a mão de obra é mais barata.

A maioria dos trabalhadores asiáticos pode se dar ao luxo de trabalhar por salários mais baixos porque tem custos de moradia muito mais baixos e não precisa pagar dívidas de educação. A saúde é um direito público, não uma transação de mercado financeirizada, e as pensões não são pagas antecipadamente pelos assalariados e empregadores, mas são públicas. O objetivo na China, em particular, é evitar que o setor rentista de Finanças, Seguros e Imóveis (FIRE) se torne uma sobrecarga onerosa cujos interesses econômicos diferem dos de um governo socialista.

A China trata o dinheiro e os bancos como uma utilidade pública, a ser criada, gasta e emprestada para fins que ajudem a aumentar a produtividade e os padrões de vida (e cada vez mais preservar o meio ambiente). Rejeita o modelo neoliberal patrocinado pelos EUA imposto pelo FMI, Banco Mundial e Organização Mundial do Comércio.

A fratura econômica global vai muito além do conflito da OTAN com a Rússia na Ucrânia. Quando o governo Biden tomou posse no início de 2021, Rússia e China já discutiam a necessidade de desdolarizar seu comércio exterior e investimento, usando suas próprias moedas. [4]Isso envolve o salto quântico de organizar uma nova instituição de compensação de pagamentos. O planejamento não havia progredido além das linhas gerais de como esse sistema funcionaria, mas o confisco dos EUA das reservas estrangeiras da Rússia tornou esse planejamento urgente, começando com um banco BRICS-plus. Uma alternativa eurasiana ao FMI removerá sua capacidade de impor “condicionalidades” de austeridade neoliberal para forçar os países a reduzir os pagamentos ao trabalho e dar prioridade ao pagamento de seus credores estrangeiros acima de alimentar-se e desenvolver suas próprias economias. Em vez de um novo crédito internacional ser concedido principalmente para pagar dívidas em dólares, ele fará parte de um processo de novo investimento mútuo em infraestrutura básica projetado para acelerar o crescimento econômico e os padrões de vida. Outras instituições estão sendo projetadas como China, Rússia, Irã,

A política básica dos EUA tem sido ameaçar desestabilizar os países e talvez bombardeá-los até que eles concordem em adotar políticas neoliberais e privatizar seu domínio público. Mas enfrentar a Rússia, a China e o Irã é uma ordem de magnitude muito maior. A OTAN se desarmou da capacidade de travar a guerra convencional, entregando seu suprimento de armamento – reconhecidamente em grande parte desatualizado – para ser devorado na Ucrânia. De qualquer forma, nenhuma democracia no mundo de hoje pode impor um recrutamento militar para travar uma guerra terrestre convencional contra um adversário importante/significativo. Os protestos contra a Guerra do Vietnã no final da década de 1960 acabaram com o alistamento militar dos EUA, e a única maneira de realmente conquistar um país é ocupá-lo na guerra terrestre.

Isso deixa as democracias ocidentais com a capacidade de lutar apenas um tipo de guerra: a guerra atômica – ou pelo menos, bombardeio à distância, como foi feito no Afeganistão e no Oriente Próximo, sem exigir mão de obra ocidental. Isso não é diplomacia de forma alguma. Ele está apenas desempenhando o papel de destruidor. Mas essa é a única tática que permanece disponível para os Estados Unidos e a OTAN Europa. É surpreendentemente como a dinâmica da tragédia grega, onde o poder leva à arrogância que é prejudicial aos outros e, portanto, em última análise, anti-social – e autodestrutiva no final.

Como, então, os Estados Unidos podem manter seu domínio mundial? Ele desindustrializou e aumentou a dívida oficial externa muito além de qualquer forma previsível de pagamento. Enquanto isso, seus bancos e detentores de títulos estão exigindo que o Sul Global e outros países paguem aos detentores de títulos estrangeiros em dólares diante de sua própria crise comercial resultante da disparada dos preços de energia e alimentos causada pela beligerância anti-russa e anti-China dos Estados Unidos. Esse duplo padrão é uma contradição interna básica que vai ao cerne da visão de mundo neoliberal ocidental de hoje.

Descrevi os possíveis cenários para resolver esse conflito em meu recente livro The Destiny of Civilization: Finance Capitalism, Industrial Capitalism or Socialism . Agora também foi lançado em forma de e-book pela Counterpunch Books.

25
Jul22

Prepare-se para congelar… Os governantes elitistas da UE dão um novo significado sombrio à Guerra Fria

José Pacheco

A Rússia fez todos os esforços para manter a Europa abastecida. Os governos europeus comprometidos com a política imperial dos EUA têm feito esforços para causar estragos em seu próprio povo.

O congelamento das famílias, os custos de energia paralisantes e as crescentes contas de alimentos associadas são o resultado da agenda de guerra dos Estados Unidos e da OTAN em relação à Rússia. A temporada de verão trouxe ondas de calor sufocantes em toda a Europa (e em outros lugares), mas em poucos meses, até 500 milhões de cidadãos da União Europeia enfrentarão níveis recordes de privação à medida que a escassez de gás da Rússia se tornar totalmente manifesta.

A Rússia fez todos os esforços para manter a Europa abastecida. Os governos europeus comprometidos com a política imperial dos EUA têm feito esforços para causar estragos em seu próprio povo.

O ministro das Relações Exteriores da Hungria, Peter Szijjarto, durante uma visita a Moscou , deu uma rara nota de sanidade quando afirmou que a Europa simplesmente não pode sobreviver sem o fornecimento de energia russo. Outros líderes europeus, no entanto, estão cegos pela irracional russofobia e pela subserviência aos ditames americanos. Um dia de acerto de contas é devido se, isto é, o dia do juízo final puder ser evitado.

Este suicídio auto-infligido de nações europeias foi ordenado por governos que se prostraram à agenda imperial de confronto de Washington com a Rússia. A guerra na Ucrânia é o resultado trágico de uma beligerância de anos da OTAN liderada pelos EUA contra a Rússia. Qualquer um que ouse afirmar que a verdade objetiva é vilipendiado como um propagandista do Kremlin. A discussão pública ocidental e o pensamento crítico foram praticamente obliterados. A censura maciça da internet aumentou essa obliteração. Este jornal online, por exemplo, foi colocado na lista negra e bloqueado para leitores nos EUA e na Europa por governos que professam defender a liberdade de expressão e o pensamento independente.

A expansão implacável da OTAN para o leste e o armamento de um regime ucraniano infestado de nazistas criaram o conflito atual e consequências destrutivas, incluindo problemas de fornecimento de energia e alimentos.

Eles estão tão obcecados com a russofobia e servilismo ao imperialismo agressivo de Washington, que a elite europeia está forçando suas populações a uma Guerra Fria sem precedentes que corre o risco de se transformar em uma guerra mundial catastrófica. Uma guerra que inevitavelmente levaria a uma conflagração nuclear.

Em vez de recuar do abismo, a não eleita Comissão Europeia – o poder executivo da União Europeia – ordenou esta semana que todos os 27 estados membros fizessem cortes maciços no consumo de gás. Os cortes chegam a 15%. As medidas são apenas uma tentativa fútil de cobrir a inevitável calamidade de escassez de energia maciça que atingirá a UE neste inverno por causa de uma redução drástica nas importações de combustível russo. O que a chamada liderança política da UE está a mostrar é um desrespeito insensível pelas condições de vida dos seus cidadãos.

Estamos vendo o equivalente moderno de enviar milhões de pessoas para as trincheiras enlameadas e sangrentas da Primeira Guerra Mundial. Podemos olhar para trás e imaginar essa barbárie e como milhões a acompanharam. Que diferença há com a insensibilidade e a barbárie de hoje?

Líderes da UE como Ursula von der Leyen acusam a Rússia de “chantagem energética” e “armamentização do gás”. Mas esse bode expiatório é desprezível. A situação de crise foi engendrada pela UE seguindo cegamente a agenda de Washington de sabotar décadas de fornecimento de energia confiável e acessível da Rússia. O gasoduto Nord Stream 2 foi tecnicamente concluído no ano passado para fornecer cerca de 55 bilhões de metros cúbicos de gás – ou cerca de um terço do antigo fornecimento total da Rússia para a UE. A Alemanha optou por suspender esse oleoduto a convite e intimidação de Washington. Até mesmo o oleoduto Nord Stream 1 já em funcionamento foi interrompido por causa das sanções econômicas ocidentais impostas à Rússia. A manutenção programada das turbinas foi adiada e quase ameaçou um desligamento completo até que a russa Gazprom conseguiu se reconectar na quinta-feira, apesar dos obstáculos ocidentais.

A Polônia e a Ucrânia também cortaram o fornecimento de gás russo por gasodutos terrestres que serviam à UE.

Por causa das sanções unilaterais ocidentais aos bancos russos, Moscou foi obrigada a solicitar o pagamento das exportações de gás em rublos. Alguns países europeus se recusaram a cumprir esse novo acordo de pagamento razoável e, portanto, optaram por perder a compra do gás russo.

Durante décadas, a Rússia provou ser um parceiro confiável no fornecimento de gás acessível e abundante, bem como petróleo para a União Européia. Essa parceria estratégica para o abastecimento de energia foi a pedra angular das economias europeias. As indústrias alemãs e a economia orientada para a exportação que impulsiona o resto da UE prosperaram com a energia russa. Perversamente, a elite política europeia se rebaixou para se aliar aos interesses imperiais americanos, em vez de proteger os interesses das populações europeias. Tanto para a democracia representativa!

O interesse nu dos EUA em vender à Europa seu próprio gás mais caro é flagrante. Apenas um tolo, ou uma ferramenta, poderia fingir o contrário.

Como já foi observado em editoriais anteriores do SCF, as ambições hegemônicas de Washington de domínio global e de salvar seu poder capitalista falido dependem crucialmente da busca de uma nova Guerra Fria contra a Rússia e a China. O mundo está sendo lançado em turbulência perigosa por causa dessa ambição criminosa. Ridicularmente, os líderes europeus têm pretensões de independência e influência global. Eles não passam de lacaios patéticos do poder americano que estão voluntariamente sacrificando suas populações no processo.

O desespero do regime dos EUA e de seus asseclas europeus é tal que suas sociedades estão à beira do colapso devido ao colapso econômico. Sua imprudente belicismo contra a Rússia (e a China) está exacerbando e acelerando seu próprio colapso. O perigo real é que os EUA e seus cúmplices da OTAN estão agora apostando na escalada da guerra na Ucrânia como forma de evitar a morte de suas próprias nações – uma morte que eles induziram.

Em uma conferência de segurança esta semana em Aspen, Colorado, o chefe do MI6 da Grã-Bretanha alertou que "o inverno está chegando" e a determinação ocidental será severamente testada por causa da privação social em cascata devido aos apagões de energia. Richard Moore pediu ainda mais fornecimento de armas ao regime de Kiev – além da situação já existente. Seu raciocínio, como outros no eixo da OTAN, é dobrar uma guerra por procuração com a Rússia para evitar repercussões domésticas e a implosão da frente ocidental sob o comando de Washington. O próprio futuro do eixo da OTAN liderado pelos EUA está em jogo.

Isso significa que, à medida que os cidadãos europeus e americanos sofrem mais dificuldades com o belicismo desenfreado de seus líderes contra a Rússia, esses mesmos déspotas ocidentais vão apostar tudo em uma ofensiva de última hora contra a Rússia via Ucrânia. A política e a diplomacia foram abandonadas. A guerra na Ucrânia deve piorar precisamente porque as elites ocidentais estão perdendo um conflito existencial. Em última análise, seu conflito é interno, relacionado ao fortalecimento de seu próprio poder inerente em ruínas de governar suas massas. Isso, por sua vez, é concomitante ao fracasso histórico de suas economias capitalistas. O militarismo e a guerra, como em tempos passados ​​de fracasso, estão mais uma vez sendo desenterrados como uma “solução” desesperada para seu fracasso.

Os cidadãos ocidentais estão descobrindo – e pagando caro – a sombria realidade da Guerra Fria. Em vez de serem responsabilizados por maquinações criminosas imprudentes, os insanos enganadores estão agora tentando transformá-lo em uma Guerra Quente.

O desastre não é inevitável. Certamente está sendo cortejado. Mas as pessoas podem evitar o abismo tirando o controle das mãos de seus governantes criminosos. Uma escolha histórica na direção está se aproximando. Os desgovernantes ocidentais estão tentando impedir que uma escolha correta seja tomada ao desencadear a guerra.

24
Jul22

Caçar piolhos em cabeça de careca

José Pacheco

7aa3f781-276f-4851-871f-969765624499.jpeg

Os EUA estão sempre a inventar pretextos para assediar a China. Porquê? Porque são lunáticos. Segundo eles nenhum país se pode desenvolver tanto ou mais do que eles. E recorrem a todos os meios para torpedear quem eles julgam que pode fazer isso. Têm tantos problemas em casa para resolver, mas passam a vida a tentar criar problemas a outros. Não funcionam bem da cabeça!

 

Pág. 1/5

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub