Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

12
Set18

O PIB cresceu

Albertino Ferreira

O Banco Mundial reconhece que a economia portuguesa cresceu 2,7% em 2017, o que significa que 17 países da União Europeia tiveram melhores resultados do que nós.

 

pib_txc.png

O Banco Mundial atesta igualmente que, por habitante, a taxa de crescimento do PIB por habitante superou a taxa de crescimento médio indicada no gráfico anterior. O que implica que a taxa de crescimento da economia foi superior à taxa de crescimento da população.

É positivo, é assim que deve ser; embora, no caso português, o movimento da população deva merecer uma atenção mais cuidada...

pib_pc_txc.png

 

11
Set18

Rendimento Nacional Bruto

Albertino Ferreira

O rendimento nacional bruto -RNB- é outra das formas de medir o tamanho da Economia; é o mesmo que o Produto Interno Bruto -PIB- embora na ótica dos rendimentos gerados. É o indicador usado pelo Banco Mundial.

De acordo com ele, a economia portuguesa é a 14.ª maior na União Europeia, o que não é famoso.

Menos bem ainda é quando se calcula o rendimento nacional bruto por habitante, que indica que parte do rendimento é que corresponde a cada português, se o mesmo fosse repartido equitativamente.  

rnb_eu.png

Aí, a posição de Portugal é a 16.ª, desce relativamente à posição anterior, o que indica, julgo, que a economia portuguesa é menos efetiva do que outras, menos desenvolvida tecnologicamente, logo com uma capacidade inferior de gerar riqueza e rendimentos.

Os portugueses, enquanto nação, precisam de fazer bem contas á vida, porque senão...

rnb_eu_1.png

 

21
Jul18

Não estão no Euro e Estão Melhor

Albertino Ferreira

Os países da União Europeia que não aderiram à moeda única, o Euro, conservando a sua própria moeda, têm-se desenvolvido mais rapidamente do que Portugal. Também em relação a esses países Portugal está a divergir.

 

zne.png

 

Assim, em 1995, o Produto Interno Bruto de Portugal era equivalente a 50,49% da média do PIB dos países que não adotaram o Euro; em 2017 essa percentagem tinha caído para 41,77%.

zne1.png

 

Entre os países que mantêm a sua moeda nacional, a União Europeia faz uma distinção entre os "países não pertencentes à zona euro" (Bulgária, Croácia, Hungria, Polónia, República Checa; Roménia, Suécia) e os "países que optaram por não participar no euro", (Dinamarca e Reino Unido). Os gráficos supra consideram todos os 9 países como não pertencentes à zona euro. O que se segue, refere-se apenas aos primeiros sete países, não incluindo, por isso, nem a Dinamarca, nem o Reino Unido.

 

A foto da evolução da economia que se obtém é diferente. Mas, desde 2011, esses países ultrapassaram também Portugal no ritmo de crescimento da economia e vão alargando o fosso.  O gráfico parece autorizar a conclusão de que esses países, dispondo da sua moeda própria - isto é, sendo eles a definir a sua política monetária - ultrapassaram mais rapidamente e melhor a crise que a todos afetou.

 

pne.png

Pode-se ir um pouco mais além e eliminar a influência da economia sueca desse grupo de países. Nesse caso, a imagem da relação que se obtém entre a média da economia dos países restantes com a portuguesa é a que se observa no gráfico seguinte. Como se verifica, num movimento quase simétrico, estão a reduzir a distância que tinham para a economia portuguesa, ou seja, desenvolvem-se mais, o que é nítido principalmente nos anos mais recentes....

 

Leste.png

 

 

 

 

20
Jul18

Em Qual Pelotão da Frente da União Europeia?

Albertino Ferreira

Altos responsáveis deste país chegaram a afirmar que Portugal estava no "pelotão da frente da União Europeia."  As coisas que não se dizem. A verdade é que a nossa economia nunca alcançou os 2/5 da média da UE, embora lá tenha andado perto em 2009. É certo, em 31 anos registou-se uma apreciação que não é de desprezar, uma subida de quase 10 pontos percentuais. Mas muito pouco relativamente ao necessário, e para piorar, entrámos em divergência desde 2011, ligeiramente atenuada nos dois anos mais recentes, e hoje a nossa economia representa menos na UE do representava em 1997, um recuo de 20 anos! 

 

ue.png

 

 

 

19
Jul18

Qual Centro da Construção Europeia?

Albertino Ferreira

Uma das justificações dadas para o abandono da moeda nacional e a adesão ao euro foi a de que, desse modo, Portugal estaria no "centro da construção europeia"!

Bom, dezoito anos depois, o balanço que se pode fazer com base nos dados é o seguinte: a economia portuguesa pouco se aproximou da média da economia da zona euro; partindo de 33,48%, o máximo que conseguiu foi alcançar os 34,65% da média da zona euro; na prática, tudo na mesma; com a agravante de ter começado a divergir fortemente a partir de 2011; é certo, desde 2015 verifica-se uma ligeiríssima recuperação; mas ainda nem sequer se alcançaram os valores do ano 2000, isto é, a economia portuguesa representa menos hoje no interior da zona euro do que representava quando se iniciou o processo  de adesão/circulação dessa moeda.

ze.png

 

18
Jul18

Os EUA, velho, chato e rezingão

Albertino Ferreira

Anda todo mundo espantado com o comportamento do presidente dos EUA, Donald Trump; que é explicado pelas idiossincrasias da sua personalidade.

Talvez, mas os dados apontam para razões mais profundas, concretamente para a perda de importância relativa da economia americana no mundo, que, em 1960, representava mais de 40% da economia mundial e, em 2017, apenas 24%, um trambolhão de 16%.

Mais inquietante ainda para Washington é o facto de ter surgido um competidor direto, a China, quando há 57 anos não existia nenhum.

 

econo60.png

 

 

 

econo601.png

 

17
Jul18

As maiores economias do mundo

Albertino Ferreira

Os EUA continuam a ser a maior economia do mundo, pelo método de cálculo do Banco Mundial, mas não se sentem seguros, daí a guerra que iniciou contra tudo e contra todos, particularmente a China.

 

Portugal não faz parte de grupo dos maiores, está em 47.º lugar, o que não é mau a nível global, mas podíamos estar melhor.

econo.png

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub