Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

22
Jul24

O grande panorama por trás do ônibus espacial da paz de Viktor, o Mediador

José Pacheco
Pepe Escobar 9 de julho de 2024
 

Entre em contato conosco: info@strategic-culture.su

Viktor Orban está a todo vapor.

E isso desencadeou uma montanha-russa turbulenta.

Todos ficaram fascinados pelo espetáculo extraordinário de espécimes pré-históricos chafurdando no pântano geopolítico ocidental, chegando às profundezas do Histeriastão, ao ver o ônibus espacial da paz do primeiro-ministro húngaro viajando da Ucrânia e da Rússia para a China.

E fazer isso na véspera do 75º aniversário do belicoso Robocop Global NATO deve ser a maior afronta.

A reunião de 3 horas entre Putin e Viktor The Mediator em Moscou

foi algo e tanto. Estes são, sem dúvida, os três pontos principais de Putin:

1. Kiev não pode permitir a ideia de um cessar-fogo porque isso removeria o pretexto para estender a lei marcial.

2. Se Kiev acabar com a lei marcial, precisará realizar eleições presidenciais. As chances de as atuais autoridades ucranianas vencerem são próximas de zero.

3. Não deve haver uma trégua para o armamento adicional de Kiev: Moscou quer um fim de jogo completo e definitivo.

Em comparação, estes são sem dúvida os três pontos principais de Orbán:

1. As posições da Rússia e da Ucrânia estão muito distantes uma da outra, muito precisa ser feito.

2. A guerra na Ucrânia começou a ter impacto na economia europeia e na sua competitividade (por muito que a “liderança” da UE o negue).

  1. “Ouvi o que Putin pensa sobre as iniciativas de paz existentes, o cessar-fogo e as negociações, e a visão da Europa depois da guerra.”

Orban também fez questão de enfatizar o sigilo absoluto antes da reunião, já que “os meios de comunicação estão sob vigilância total dos chefões”.

Ele descreveu a busca por uma solução na Ucrânia como seu “dever cristão”. E disse que fez três perguntas diretas a Putin: se as negociações de paz são possíveis; se um cessar-fogo antes que elas comecem é realista; e como poderia ser a arquitetura de segurança da Europa.

Putin, disse Orban, respondeu a todas as três perguntas.

O argumento decisivo – não para os belicistas, mas para a Maioria Global – foi a descrição de Putin feita por Orban:

“Todas as negociações com ele, ele está sempre de bom humor – essa é a primeira coisa. Em segundo lugar, ele é mais do que 100% racional. Quando ele negocia, quando começa a explicar, quando faz uma oferta, dizendo sim ou não, ele é super, super racional. De que outra forma você pode dizer isso em húngaro? Cabeça fria, reservado, cuidadoso e pontual. Ele tem disciplina. Então é um verdadeiro desafio negociar com ele e estar preparado para corresponder ao seu nível intelectual e político.”

Esse novo sistema de segurança da Eurásia

Tudo isso está relacionado ao conceito de um novo sistema de segurança da Eurásia proposto no mês passado por Putin – e um tema-chave de discussão na cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (OCX) em Astana na semana passada.

Putin enfatizou o papel central da SCO no processo, afirmando que “foi tomada uma decisão para transformar a estrutura antiterrorista regional da SCO em um centro universal encarregado de responder a toda a gama de ameaças à segurança”.

Em poucas palavras: a SCO será, sem dúvida, o nó-chave no novo arranjo de indivisibilidade de segurança em toda a Eurásia. Isso é o mais enorme que pode haver.

Tudo começou com o conceito de Grande Parceria Eurasiática, proposto por Putin em 2015 e conceituado por Sergey Karaganov em 2018. Putin levou isso a outro nível em sua reunião com importantes diplomatas russos em junho; é hora de estabelecer garantias bilaterais e multilaterais sérias para a segurança coletiva da Eurásia.

Essa deveria ser uma arquitetura de segurança, segundo Putin, aberta a

“todos os países eurasianos que desejam participar”, incluindo “países europeus e da OTAN”.

E deve levar à “eliminação gradual” da presença militar de “potências externas na Eurásia”, lado a lado com o “estabelecimento de alternativas aos mecanismos económicos controlados pelo Ocidente, a expansão da utilização de moedas nacionais em acordos e o estabelecimento de sistemas de pagamento independentes”.

Em poucas palavras: uma reformulação geopolítica e técnico-militar completa, bem como geoeconômica (importância do desenvolvimento de corredores alternativos de transporte internacional, como o INSTC).

O Encarregado de Negócios da Missão Russa na UE, Kirill Logvinov, tentou informar os europeus na semana passada, sob a rubrica “Nova Arquitetura de Segurança para o Continente Eurasiático”.

Logvinov explicou como “o conceito Euro-Atlântico de segurança entrou em colapso. Baseado no domínio dos EUA e da OTAN, a estrutura de segurança regional europeia falhou em garantir a implementação prática do princípio de 'segurança indivisível para todos'.”

Um futuro sistema de segurança e cooperação na Eurásia formará então a “fundação da arquitetura de segurança global em um mundo multipolar baseado nos princípios da Carta da ONU e no império do direito internacional”.

E a Grande Parceria Eurasiática formará a base econômica e social deste novo sistema de segurança eurasiano.

O inferno congelará antes que a UE/OTAN aceitem a nova realidade. Mas o fato é que o espaço de segurança mútua já emergente dentro da SCO deve tornar a Eurásia – menos sua península da Europa Ocidental, pelo menos no futuro previsível – mais sólida em termos de estabilidade estratégica de Grande Potência.

No final, caberá à Europa – ou melhor, à Eurásia Ocidental: ou vocês permanecem como humildes vassalos sob o declínio da hegemonia, ou olham para o Oriente em busca de um futuro soberano e dinâmico.

O plano russo vs. todos os outros planos

É sob esse Big Picture que o plano de paz de Putin para a Ucrânia – anunciado em 14 de junho diante da crème de la crème dos diplomatas russos – deve ser compreendido. Orban certamente entendeu.

Quaisquer outros planos — com exceção da oferta chinesa revisada, e é por isso que Orban foi a Pequim — são irrelevantes, da perspectiva de Moscou.

Claro que a equipe Trump teve que criar seu próprio plano centrado na OTAN. Isso não é exatamente um presente para europeus desinformados.

Sob Trump, o papel da OTAN mudará: ela se tornará uma força “auxiliar” na Europa. Washington, é claro, manterá seus nós no Império das Bases – na Alemanha, Reino Unido, Turquia – mas forças terrestres, veículos blindados, artilharia, logística, tudo, altos custos incluídos, serão totalmente pagos pelas economias europeias vacilantes.

Sob a coordenação do conselheiro de estratégia de defesa nacional de Trump, Elbridge Colby, a nova administração prometeria dar a Putin compromissos de "não expandir a OTAN para o leste". Além disso, Trump parece estar pronto para "considerar concessões territoriais" à Rússia.

Como se Moscou estivesse rezando em uníssono para obter “concessões” de um presidente americano notoriamente pouco confiável.

O objetivo desse plano é que, com Trump 2.0, a principal “ameaça” aos EUA será a China, não a Rússia.

Faltando apenas quatro meses para a eleição presidencial dos EUA, e com o cadáver na Casa Branca prestes a ser jogado — especialmente por doadores poderosos — sob o ônibus (de asilo), finalmente ocorreu até mesmo à multidão zumbi que o sonho de infligir uma derrota estratégica à Rússia acabou.

Ainda assim, os democratas em DC e seus vassalos desorientados da OTAN estão desesperados para impor um cenário coreano: um cessar-fogo falso e um congelamento nas atuais linhas de frente.

Neste caso, o inferno congelará antes que Moscou aceite um "plano de paz" que preserve a possibilidade de uma Ucrânia um tanto quanto fragmentada entrar na OTAN e na UE em um futuro próximo, além de preservar um exército ucraniano rearmado na frente ocidental da Rússia.

Um congelamento da guerra agora se traduz como uma nova guerra em dois ou três anos com uma Kiev enormemente re-armada. Isso não vai acontecer – já que o imperativo absoluto de Moscou é uma Ucrânia neutra, totalmente desmilitarizada, mais o fim do rolo compressor oficial da desrussificação.

Orban, sem dúvida, não está jogando o jogo da OTAN de tentar “persuadir” a Rússia – e a China – a uma trégua, com Pequim pressionando Moscou. Ao contrário de seus parceiros desavisados ​​da UE, Orban pode ter aprendido uma coisa ou duas sobre a parceria estratégica Rússia-China.

Os próximos quatro meses serão frenéticos, tanto na frente de negociação quanto na de criptonegociação. A guerra provavelmente não terminará em 2024. E o cenário de uma longa e terrível guerra de vários anos pode — e a palavra-chave é "pode" — ser dissipada apenas com Trump 2.0: e isso, sobre os cadáveres coletivos do Deep State.

O Big Picture permanece: o futuro da “ordem internacional baseada em regras” está sendo decidido no solo negro de Novorossiya. É Ordem Unipolar x Ordem Multipolar, Multi-Nodal .

O OTANstan não está em posição de ditar nenhuma bobagem patética à Rússia. A oferta de Putin foi a última. Não vai aceitar? A guerra continuará até o fim – até a rendição total.

Não há ilusões em Moscou de que o Ocidente coletivo possa aceitar a oferta de Putin. Sergey Naryshkin, o chefe do SVR, foi direto: as condições só vão piorar. Putin anunciou apenas o “nível mais baixo” das condições de Moscou.

Orban pode ter entendido que, em condições reais para um acordo de paz, as regiões da RPD, RPL, Zaporozhye e Kherson seriam anexadas à Rússia ao longo de suas fronteiras administrativas originais; a Ucrânia seria neutra, livre de armas nucleares e não alinhada; todas as sanções coletivas do Ocidente seriam suspensas; e os fundos congelados da Rússia seriam devolvidos.

Antes que qualquer coisa disso aconteça – um tiro no escuro – a Rússia tem muito tempo. A prioridade agora é uma cúpula bem-sucedida do BRICS em outubro em Kazan. Os novos assessores presidenciais Nikolai Patrushev e A. Dyumin, junto com o novo Ministro da Defesa Belousov, estão aprimorando a estratégia do Big Picture.

Enquanto isso, há sempre o show da OTAN – como um show paralelo. Tão pacífico, tão benigno, tão democrático. Valores de produção tão legais. Junte-se à diversão

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub