Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

05
Nov22

Berlim vai para Pequim: o verdadeiro negócio

José Pacheco


Pepe Escobar

A caravana de Scholz foi a Pequim para estabelecer os passos preparatórios para a elaboração de um acordo de paz com a Rússia, tendo a China como mensageira privilegiada.

Com seu talento inimitável para a análise econômica mergulhado em profundidade histórica, o último ensaio do professor Michael Hudson, originalmente escrito para um público alemão, apresenta um paralelo impressionante entre as Cruzadas e a atual “ordem internacional baseada em regras” imposta pelo Hegemon.

O professor Hudson detalha como o papado em Roma conseguiu bloquear o controle unipolar sobre os reinos seculares (toca uma campainha?) quando o jogo era sobre a precedência papal sobre reis, acima de todos os imperadores alemães do Sacro Império Romano-Germânico. Como sabemos, meio em tom de brincadeira, o Império não era propriamente Sagrado, nem Alemão (talvez um pouco Romano), e nem mesmo um Império.

Uma cláusula nos ditados papais dava ao Papa a autoridade de excomungar quem “não estivesse em paz com a Igreja Romana”. Hudson observa nitidamente como as sanções dos EUA são o equivalente moderno da excomunhão.

Indiscutivelmente, existem as duas principais datas em todo o processo.

O primeiro seria o Terceiro Concílio Ecumênico de 435: foi quando apenas Roma (itálico meu) foi atribuída autoridade universal (itálico meu). Alexandria e Antioquia, por exemplo, estavam limitadas à autoridade regional dentro do Império Romano.

A outra data principal é 1054 – quando Roma e Constantinopla se separaram para sempre. Ou seja, a Igreja Católica Romana se separou da Ortodoxia, o que nos leva à Rússia, e Moscou como a Terceira Roma – e a animosidade secular do “Ocidente” contra a Rússia.

Um Estado de Lei Marcial

O professor Hudson então investiga a viagem da delegação do chanceler Scholz da “Linguiça de Fígado” à China nesta semana para “exigir que desmonte seu setor público e pare de subsidiar sua economia, ou então a Alemanha e a Europa imporão sanções ao comércio com a China”.

Bem, na verdade isso é apenas uma ilusão infantil, expressa pelo Conselho Alemão de Relações Exteriores em um artigo publicado no Financial Times (a plataforma de propriedade japonesa na cidade de Londres). O Conselho, conforme descrito corretamente por Hudson, é “o braço 'libertário' neoliberal da OTAN exigindo a desindustrialização e a dependência alemãs” dos EUA.

Assim, o FT, previsivelmente, está imprimindo sonhos molhados da OTAN.

O contexto é essencial. O presidente federal alemão, Frank-Walter Steinmeier, em um discurso no Castelo de Bellevue, admitiu que Berlim está quebrada: “Uma era de ventos contrários está começando para a Alemanha – anos difíceis e difíceis estão chegando para nós. A Alemanha está na crise mais profunda desde a reunificação”.

No entanto, a esquizofrenia, mais uma vez, reina suprema, como Steinmeier, depois de uma façanha ridícula em Kiev – completa com posando como um ator inconsciente encolhido em um bunker – anunciou um folheto extra: mais dois lançadores de foguetes múltiplos MARS e quatro obuses Panzerhaubitze 2000 a serem entregues aos ucranianos.

Portanto, mesmo que a economia “mundial” – na verdade a UE – esteja tão fragilizada que os estados membros não possam mais ajudar Kiev sem prejudicar suas próprias populações, e a UE esteja à beira de uma crise energética catastrófica, lutando por “nossos valores” em País 404 supera tudo.

O contexto Big Picture também é fundamental. Andrea Zhok, Professor de Filosofia Ética da Universidade de Milão, levou o conceito de “Estado de Exceção” de Giorgio Agamben a novos patamares.

Zhok propõe que o Ocidente coletivo zumbificado agora esteja completamente subjugado a um “Estado de Lei Marcial” – onde um ethos de Guerra Eterna é a prioridade máxima para elites globais rarefeitas.

Todas as outras variáveis ​​– do trans-humanismo ao despovoamento e até mesmo ao cancelamento da cultura – estão subordinadas ao Estado de Lei Marcial e são basicamente inessenciais. A única coisa que importa é exercer controle absoluto e bruto.

Berlim – Moscou – Pequim

As sólidas fontes empresariais alemãs contradizem completamente a “mensagem” transmitida pelo Conselho Alemão de Relações Exteriores na viagem à China.

Segundo estas fontes, a caravana de Scholz deslocou-se a Pequim essencialmente para estabelecer os passos preparatórios para a elaboração de um acordo de paz com a Rússia, tendo a China como mensageiro privilegiado.

Isso é – literalmente – tão explosivo, geopolítica e geoeconomicamente, quanto possível. Como apontei em uma de minhas colunas anteriores, Berlim e Moscou mantinham um canal secreto de comunicação – via interlocutores de negócios – até o momento em que os suspeitos de sempre, em desespero, decidiram explodir os Nord Streams.

Dica para o agora notório SMS do iPhone de Liz Truss para Little Tony Blinken, um minuto após as explosões: “Está feito”.

Há mais: a caravana de Scholz pode estar tentando iniciar um longo e complicado processo de eventualmente substituir os EUA pela China como um aliado chave. Nunca se deve esquecer que o principal terminal de comércio/conectividade da BRI na UE é a Alemanha (o vale do Ruhr).

Segundo uma das fontes, “se esse esforço for bem-sucedido, Alemanha, China e Rússia podem se aliar e expulsar os EUA da Europa”.

Outra fonte deu a cereja do bolo: “Olaf Scholz está sendo acompanhado nesta viagem por industriais alemães que realmente controlam a Alemanha e não vão ficar sentados vendo a si mesmos serem destruídos”.

Moscou sabe muito bem qual é o objetivo imperial quando se trata da UE reduzida ao papel de vassalo totalmente dominado – e desindustrializado, exercendo soberania zero. Afinal, os canais traseiros não estão em frangalhos no fundo do mar Báltico. Além disso, a China não deu nenhuma indicação de que seu comércio maciço com a Alemanha e a UE está prestes a desaparecer.

O próprio Scholz, um dia antes de sua caravana chegar a Pequim, enfatizou à mídia chinesa que a Alemanha não tem intenção de se dissociar da China, e não há nada que justifique “os apelos de alguns para isolar a China”.

Paralelamente, Xi Jinping e o novo Politburo estão muito cientes da posição do Kremlin, reiterada repetidamente: permanecemos sempre abertos a negociações, enquanto Washington finalmente decidir falar sobre o fim da expansão ilimitada da OTAN encharcada de russofobia.

Portanto, negociar significa que o Império assina na linha pontilhada do documento que recebeu de Moscou em 1º de dezembro de 2021 , focado na “indivisibilidade da segurança”. Caso contrário, não há nada a negociar.

E quando temos o lobista do Pentágono Lloyd “Raytheon” Austin aconselhando os ucranianos a avançar sobre Kherson, fica ainda mais claro que não há nada para negociar.

Então, tudo isso poderia ser a pedra fundamental do corredor geopolítico/geoeconômico trans-Eurásia Berlim-Moscou-Pequim? Isso significará Bye Bye Empire. Mais uma vez: não acabou até que a gorda vá para Gotterdammerung

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub