Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

30
Mar22

Como Mariupol se tornará um centro-chave da integração euro-asiática

José Pacheco

Mariupol foi agredida pelo batalhão de direita Azov da Ucrânia bem antes de Moscou lançar suas operações militares. Em mãos russas, este porto estratégico de siderurgia pode se transformar em um hub de conectividade eurasiana.

                                                                                                                         By Pepe Escobar

March 29 2022

https://media.thecradle.co/wp-content/uploads/2022/03/Unknown-5.jpeg

Mariupol fica no estratégico Mar de Azov, na ponta do Mar Negro, e é a 'Meca' da indústria siderúrgica da Europa. Sua conquista pela Rússia pode abrir caminho para uma ferrovia eurasiana e um aumento de conectividade.

Crédito da foto: O berço
 

Mariupol, o porto estratégico do Mar de Azov, permanece no centro da tempestade na Ucrânia.

A narrativa da OTAN é que Azovstal – uma das maiores fábricas de ferro e aço da Europa – foi quase destruída pelo exército russo e suas forças aliadas de Donetsk que “sitiam” Mariupol.

A história verdadeira é que o batalhão neonazista Azov tomou dezenas de civis Mariupol como escudos humanos desde o início da operação militar russa na Ucrânia e recuou para Azovstal como última resistência. Após um ultimato entregue na semana passada, eles agora estão sendo completamente exterminados pelas forças russas e de Donetsk e pela Spetsnaz chechena.

Azovstal, parte do grupo Metinvest controlado pelo oligarca mais rico da Ucrânia, Rinat Akhmetov, é de fato uma das maiores usinas metalúrgicas da Europa, auto-descrita como uma “empresa metalúrgica integrada de alto desempenho que produz coque e sinter, aço, bem como alta -produtos laminados de qualidade, barras e formas.”

Em meio a uma enxurrada de depoimentos detalhando os horrores infligidos pelos neonazistas Azov à população civil de Mariupol, uma história muito mais auspiciosa e invisível é um bom presságio para o futuro imediato.

A Rússia é o quinto maior produtor de aço do mundo, além de possuir enormes depósitos de ferro e carvão. Mariupol - uma Meca do aço - costumava obter carvão do Donbass, mas sob o domínio neonazista de fato desde os eventos de Maidan em 2014, foi transformado em importador. O ferro, por exemplo, começou a ser fornecido a partir de Krivbas, na Ucrânia, a mais de 200 quilômetros de distância.

Depois que Donetsk se solidificar como uma república independente ou, por meio de referendo, optar por se tornar parte da Federação Russa, essa situação deve mudar.

A Azovstal investe em uma ampla linha de produtos de grande utilidade: aço estrutural, trilho para ferrovias, aço temperado para correntes, equipamentos de mineração, aço laminado usado em aparatos fabris, caminhões e vagões ferroviários. Partes do complexo fabril são bastante modernas, enquanto algumas, com décadas de idade, precisam muito de atualização, o que a indústria russa certamente pode fornecer.

Estrategicamente, este é um enorme complexo, bem no Mar de Azov, que agora está, para todos os efeitos práticos, incorporado à República Popular de Donetsk e perto do Mar Negro. Isso implica uma curta viagem ao Mediterrâneo Oriental, incluindo muitos clientes em potencial na Ásia Ocidental. E atravessando o Suez e chegando ao Oceano Índico, são clientes em todo o Sul e Sudeste Asiático.

Assim, a República Popular de Donetsk, possivelmente parte da futura Novorossiya, e até mesmo parte da Rússia, controlará grande parte da capacidade de produção de aço no sul da Europa, Ásia Ocidental e além.

Uma das consequências inevitáveis ​​é que será capaz de fornecer um verdadeiro boom de construção de ferrovias de carga na Rússia, China e os 'stans' da Ásia Central. A construção de ferrovias é o modo de conectividade privilegiado para a ambiciosa Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI) de Pequim. E, crucialmente, do Corredor de Transporte Internacional Norte Sul (INSTC) cada vez mais turbinado.

Assim, a médio prazo, Mariupol deve se tornar um dos principais centros de um boom nas rotas norte-sul - INSTC em toda a Rússia e ligando-se aos 'stans' - bem como grandes atualizações da BRI nos corredores leste-oeste e sub-BRI .

Eurásia interligada

Os principais atores do INSTC são Rússia, Irã e Índia – que estão agora, pós-sanções da OTAN, em modo avançado de interconexão, completos com mecanismos para contornar o dólar americano em seu comércio. O Azerbaijão é outro importante player do INSTC, ainda mais volátil porque privilegia os projetos de conectividade da Turquia no Cáucaso.

A rede INSTC também estará progressivamente se interconectando com o Paquistão – e isso significa o Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC), um importante hub da BRI, que está se expandindo lenta mas seguramente para o Afeganistão. A visita improvisada do ministro das Relações Exteriores Wang Yi a Cabul no final da semana passada foi para promover a incorporação do Afeganistão às Novas Rotas da Seda.

Tudo o que está acontecendo enquanto Moscou – extremamente próxima de Nova Délhi – está simultaneamente expandindo as relações comerciais com Islamabad. Todos os três, crucialmente, são membros da Organização de Cooperação de Xangai (SCO).

Assim, o grande projeto Norte-Sul explica a conectividade fluente do continente russo ao Cáucaso (Azerbaijão), à Ásia Ocidental (Irã) até o sul da Ásia (Índia e Paquistão). Nenhum desses atores-chave demonizou ou sancionou a Rússia, apesar das contínuas pressões dos EUA para fazê-lo.

Estrategicamente, isso representa o conceito multipolar russo de Greater Eurasian Partnership em ação em termos de comércio e conectividade – em paralelo e complementar ao BRI porque a Índia, ansiosa para instalar um mecanismo de rupia-rublo para comprar energia, neste caso é uma Rússia absolutamente crucial parceiro, correspondendo ao acordo estratégico de US$ 400 bilhões da China com o Irã. Na prática, a Parceria da Grande Eurásia facilitará a conectividade entre Rússia, Irã, Paquistão e Índia.

O universo da OTAN, por sua vez, é congenitamente incapaz até mesmo de reconhecer a complexidade do alinhamento, para não falar de analisar suas implicações. O que temos é o entrelaçamento do BRI, INTSC e da Greater Eurasia Partnership no terreno – todas as noções que são consideradas anátemas no Washington Beltway.

Tudo isso, é claro, está sendo projetado em meio a um momento geoeconômico de mudança de jogo, já que a Rússia, a partir desta quinta-feira, só aceitará pagamento por seu gás em rublos de nações “hostis”.

Paralelamente à Greater Eurasia Partnership, a BRI, desde que foi lançada em 2013, também está progressivamente tecendo uma complexa e integrada rede eurasiana de parcerias: financeiro/econômico, conectividade, construção de infraestrutura física, corredores econômicos/comerciais. O papel do BRI como co-formador de instituições de governança global, incluindo fundações normativas, também tem sido crucial, para desespero da aliança da OTAN.

Hora de desocidentalizar

No entanto, só agora o Sul Global, especialmente, começará a observar todo o espectro do jogo China-Rússia em toda a esfera eurasiana. Moscou e Pequim estão profundamente envolvidos em um esforço conjunto para desocidentalizar a governança globalista, se não destruí-la completamente.

A Rússia a partir de agora será ainda mais meticulosa em sua construção institucional, unindo a União Econômica da Eurásia (EAEU), a SCO e a Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) – uma aliança militar eurasiana de estados pós-soviéticos selecionados – em um cenário geopolítico. contexto de divisão institucional e normativa irreversível entre a Rússia e o Ocidente.

Ao mesmo tempo, a Parceria da Grande Eurásia solidificará a Rússia como a ponte eurasiana definitiva, criando um espaço comum em toda a Eurásia que poderia até ignorar a Europa vassalada.

Enquanto isso, na vida real, o BRI, tanto quanto o INSTC, estará cada vez mais conectado ao Mar Negro (olá, Mariupol). E o próprio BRI pode até ser propenso a reavaliação em sua ênfase em ligar a China Ocidental à base industrial cada vez menor da Europa Ocidental.

Não haverá sentido em privilegiar os corredores do norte da BRI – China-Mongólia-Rússia através da Transiberiana e a ponte terrestre da Eurásia através do Cazaquistão – quando você tem a Europa caindo na demência medieval.

O foco renovado da BRI será obter acesso a commodities insubstituíveis – e isso significa a Rússia – bem como garantir suprimentos essenciais para a produção chinesa. As nações ricas em commodities, como o Cazaquistão e muitos players na África, se tornarão os principais mercados futuros para a China.

Em um ciclo pré-Covid pela Ásia Central, ouvia-se constantemente que a China constrói fábricas e ferrovias de alta velocidade enquanto a Europa, na melhor das hipóteses, escreve white papers. Sempre pode piorar.

A UE como território americano ocupado está agora descendo, rapidamente, do centro do poder global para o status de jogador periférico inconsequente, um mero mercado em dificuldades na periferia distante da “comunidade de destino compartilhado” da China.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub