Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

03
Set21

O Grande Jogo de Esmagar Nações

Albertino Ferreira

Mais de uma geração atrás, o Afeganistão conquistou sua liberdade, que os EUA, a Grã-Bretanha e seus “aliados” destruíram.

Enquanto um tsunami de lágrimas de crocodilo engolfa os políticos ocidentais, a história é suprimida. Mais de uma geração atrás, o Afeganistão conquistou sua liberdade, que os Estados Unidos, a Grã-Bretanha e seus “aliados” destruíram.

Em 1978, um movimento de libertação liderado pelo Partido Democrático Popular do Afeganistão (PDPA) derrubou a ditadura de Mohammad Dawd, primo do rei Zahir Shah. Foi uma revolução imensamente popular que pegou ingleses e americanos de surpresa.

Jornalistas estrangeiros em Cabul, relatou o The New York Times, ficaram surpresos ao descobrir que "quase todos os afegãos que entrevistaram disseram [estar] maravilhados com o golpe". O Wall Street Journal relatou que "150.000 pessoas ... marcharam para homenagear a nova bandeira ... os participantes pareciam genuinamente entusiasmados."

O Washington Post relatou que “a lealdade afegã ao governo dificilmente pode ser questionada”. Secular, modernista e, em um grau considerável, socialista, o governo declarou um programa de reformas visionárias que incluía direitos iguais para mulheres e minorias. Os presos políticos foram libertados e os arquivos da polícia queimados publicamente.

Sob a monarquia, a expectativa de vida era de 35; 1 em cada 3 crianças morreu na infância. Noventa por cento da população era analfabeta. O novo governo introduziu cuidados médicos gratuitos. Uma campanha de alfabetização em massa foi lançada.

Para as mulheres, os ganhos não tinham precedentes; no final da década de 1980, metade dos estudantes universitários eram mulheres, e as mulheres representavam 40% dos médicos do Afeganistão, 70% dos professores e 30% dos funcionários públicos.

Apoiado pelo Ocidente

As mudanças foram tão radicais que permanecem vivas na memória dos beneficiados. Saira Noorani, uma cirurgiã que fugiu do Afeganistão em 2001, lembrou:

“Toda garota poderia ir para o ensino médio e a universidade. Podíamos ir aonde quiséssemos e vestir o que quiséssemos ... Costumávamos ir a cafés e ao cinema para ver os últimos filmes indianos em uma sexta-feira ... tudo começou a dar errado quando os mujahedin começaram a ganhar ... essas eram as pessoas que o Ocidente apoiava . ”

By John Pilger

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub