Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

06
Nov23

Pepe Escobar: Rússia e China traçam nova ordem econômica em Pequim

José Pacheco




O presidente chinês, Xi Jinping, e o presidente russo, Vladimir Putin, apertam as mãos durante reunião no Kremlin, em Moscou, na Rússia.  - Sputnik Internacional, 1920, 19/10/2023






A história – completa com conotações poéticas de justiça – apresentou-nos esta semana o contraste definitivo e flagrante entre a geopolítica do passado, promulgada num canto incendiário do sudoeste da Ásia, e a geopolítica do futuro, promulgada em Pequim, no Leste Asiático, um dos capitais da multipolaridade emergente.




Vamos começar com o futuro. O 3º Fórum do Cinturão e Rota em Pequim funcionou como uma espécie de roteiro para a integração económica/infra-estrutural da Eurásia. Foi precedido pelo lançamento pelo Conselho de Estado da República Popular da China, em 10 de Outubro, de um documento branco bastante detalhado sobre as Novas Rotas da Seda – ou Iniciativa Cinturão e Rota (BRI), o actual conceito abrangente de política externa da China para o futuro previsível.






A BRI, inicialmente definida como OBOR (One Belt, One Road), foi lançada há 10 anos pelo presidente Xi Jinping, primeiro em Astana, no Cazaquistão (parte do “cinturão”, como numa série de cinturões económicos) e depois em Jacarta, na Indonésia ( parte da “estrada”, como na Rota Marítima da Seda).



Dez anos, quase 150 nações participantes e mais de 1 bilião de dólares em investimentos chineses depois, o livro branco resumiu tudo: a BRI está a avançar continuamente como uma plataforma multifacetada de comércio internacional e conectividade; como um mecanismo para desenvolver vastas áreas do Sul Global/Maioria Global; e como uma contrapartida prática da hegemonia ocidental.



A maior parte dos projectos da BRI dizem respeito às indústrias extractivas e aos corredores de transporte. Não é por acaso que as principais indústrias extractivas estão concentradas na Rússia e no Golfo Pérsico – e isso está intimamente ligado ao complexo esforço estratégico de Pequim para contornar a contenção hegemónica e os casos de guerra híbrida.



Assim, não é de admirar que o convidado de honra do Fórum de 2023 tenha sido o Presidente Putin; e todas as discussões deixaram bem claro que a Rússia será, a partir de agora, um parceiro-chave da BRI – em linha com o aprofundamento da parceria estratégica Rússia-China, lideranças inteiras estão totalmente sincronizadas.



Lançada seção de oleoduto da Rússia até a fronteira chinesa - Sputnik International, 1920, 19.10.2023

Economia

Exportações de energia russas para a China aumentam 17% este ano - Novak





Fiel ao meticuloso e carregado de simbologia do protocolo chinês, foi também inevitável que, à entrada do jantar de gala do Fórum, o primeiro fosse o convidado de honra Putin. Logo atrás dele estavam líderes da Ásia Central (Tokayev e Mirziyoyev, do Cazaquistão e do Uzbequistão) e do Sudeste Asiático (Joko Widodo, da Indonésia).



 

A seguir: A Rota da Seda do Norte




O Presidente Xi anunciou que os participantes da cimeira empresarial no Fórum fecharam novos acordos de infra-estruturas no valor de 97,2 mil milhões de dólares.



Esse é o novo paradigma. Compare-o com o velho paradigma das Guerras Eternas: a Casa Branca a trabalhar num pacote de 100 mil milhões de dólares para financiar as guerras Ucrânia-Israel.



O encontro presencial de três horas entre Putin e Xi foi crucial em mais de um aspecto. Foi uma ilustração gráfica da Rússia e da China co-anfitriões do movimento em direcção a um mundo multipolar. E da BRI trabalhando lado a lado com o próximo BRICS 11 (em vigor em 1 de Janeiro, quando a Rússia inicia a sua presidência do BRICS).



Putin, astuto como uma raposa, comentou que não poderia nos contar “tudo” que discutiu com Xi. O que ele poderia dizer é que eles passaram por “toda a agenda bilateral, muitos assuntos aí: são a economia, as finanças, a interação política e o trabalho conjunto em plataformas internacionais”.



Além disso, "discutimos detalhadamente a situação no Médio Oriente também. Também informei detalhadamente o presidente sobre a situação na via ucraniana. Todos estes factores externos são ameaças comuns (itálico meu). Eles fortalecem a interacção russo-chinesa. "



A China-Rússia assinou o maior acordo da sua história comum para o fornecimento de cereais; 2,5 trilhões de rublos por 70 milhões de toneladas de carga de grãos, leguminosas e oleaginosas entregues em 12 anos.



Isso destrói completamente os cenários de sonho molhado do Think Tankland dos EUA que defendem um bloqueio naval como a estratégia chave para a contenção da China, para privá-la de alimentos e matérias-primas.



Na frente energética, Xi espera que o gasoduto Power of Siberia II alargado, ou gasoduto Rússia-Mongólia-China, faça “progressos substanciais” o mais rapidamente possível.



O presidente chinês Xi Jinping passa pelos guardas de honra russos durante uma cerimônia de boas-vindas na chegada ao Aeroporto Internacional de Vnukovo, em Moscou - Sputnik International, 1920, 19/10/2023

Mundo

China pronta para expandir cooperação trilateral com Mongólia e Rússia, diz Xi





Por mais que Putin tenha sublinhado o “respeito pela diversidade civilizacional” da Rússia e da China, bem como o direito de cada Estado-civilização ao seu próprio modelo de desenvolvimento, o que realmente se destacou foi a sua explicação detalhada dos corredores de conectividade.





 


Putin sublinhou como “está a ser formado um corredor Norte-Sul na parte europeia da Rússia – do Báltico ao Irão. A comunicação ferroviária contínua será organizada lá.”









Esta foi uma referência direta ao Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INSTC), cujos principais centros são a Rússia, o Irão e a Índia. Isso irá interligar-se, a médio e longo prazo, com os corredores centrais da Eurásia da BRI.



Putin acrescentou que “outras seções passarão pela Sibéria, pelos Urais e por Yamal. A Passagem do Mar do Norte será construída - para o Oceano Ártico. As rotas ferroviárias irão do centro da Sibéria ao sul – até aos oceanos Índico e Pacífico (…) Um corredor também passará do Ártico ao sul – será construída uma linha ferroviária de BAM a Yakutia, pontes sobre o Lena e o Amur , as rodovias serão modernizadas e serão criados terminais de alto mar.”



A caracterização da Rota do Mar do Norte feita por Putin é particularmente crucial:



“Todos estes corredores de transporte de norte a sul na parte europeia da Rússia, na Sibéria e no Extremo Oriente abrem a possibilidade de ligar e integrar diretamente a Rota do Mar do Norte com grandes centros logísticos no sul do nosso continente, no costa dos oceanos Índico e Pacífico. No que diz respeito à Rota Marítima do Norte, a Rússia não está apenas a convidar os seus parceiros a utilizarem activamente o seu potencial de trânsito. Deixe-me dizer mais: convidamos os estados interessados ​​a participar diretamente no seu desenvolvimento e estão prontos para fornecer navegação, comunicação e abastecimento confiáveis ​​no gelo. Já no próximo ano, a navegação de navios de carga da classe gelo ao longo de toda a extensão da Rota do Mar do Norte passará a ser realizada durante todo o ano. A criação das rotas logísticas e comerciais internacionais e regionais acima mencionadas reflecte objectivamente as profundas mudanças que estão a ocorrer na economia global.”



Portanto, aqui temos Putin a convidar pessoalmente empresas e negócios de todo o Sul Global a investirem directamente na integração de toda a Eurásia. E para aqueles que não entenderam a mensagem, o canal de Suez, para muitos em todo o Sul Global, tornar-se-á em breve uma relíquia do passado – geoeconómico.



 

Citas a cavalo adotam alta tecnologia




O Fórum foi uma ilustração gráfica de que a BRI, uma plataforma aberta – um conceito ininteligível no Ocidente – vai muito além do comércio, do desenvolvimento de infra-estruturas e dos corredores de conectividade. Trata-se também de interacção intercultural e daqueles notórios “intercâmbios interpessoais” definidos por Xi, dando um exemplo quando se trata de coexistência civilizacional.



Os asiáticos centrais e do sudeste asiático confraternizavam por todo o lado. O húngaro Viktor Orban ficou encantado por falar com todos sem ser considerado um “autoritário” contrário aos “valores” da UE. A delegação talibã melhorou a sua rede quando não estava a discutir o investimento chinês no cobre e a construção de uma nova estrada através do corredor Wakhan, que liga directamente o norte do Afeganistão a Xinjiang.



É como se isto fosse uma remixagem de alta tecnologia do espírito das Antigas Rotas da Seda, quando cavaleiros citas nómadas, apaixonados por jóias de ouro e seda chinesa, abriram uma nova frente comercial, agindo como intermediários, facilitando o comércio através da Eurásia entre a Ásia e a Europa.



A propósito, a Europa e todo o Ocidente colectivo ficaram quase invisíveis no Fórum do Cinturão e Rota.



O que nos leva ao mito de um Ocidente universalista agora em frangalhos.



Os principais pontos de inflexão, ultimamente, têm sido a humilhação da Hegemonia no Afeganistão; o colapso do Projecto Ucrânia – com a humilhação cósmica da NATO; e o colapso de informações supostamente incomparáveis ​​de Israel na Palestina, cegamente vingadas através de punição colectiva.



Compare tudo isso com Putin-Xi em Pequim. Os desastres acumulados apontam para a dissolução inexorável do projecto ocidental do “fim da História”. E fica pior: o novo paradigma geoeconómico discutido em Pequim continuará a acelerar a impiedosa e implacável expansão económica e geopolítica da “nação mais poderosa da história do mundo” (copyright The White House).



Os Americanos estão absolutamente aterrorizados, entre outros casos, pelo facto de agora o Irão e a Arábia Saudita estarem a traçar estratégias em conjunto para o Grande Quadro: a consequência inevitável de uma détente primeiro arquitetada pelos Russos e depois conquistada pelos Chineses.



Os Americanos estão absolutamente paralisados ​​pelo facto de a BRI e o BRICS 11 já estarem empenhados no processo de virar de cabeça para baixo o modelo de negócios ocidental imperial e neocolonial.



O presidente chinês, Xi Jinping (E), e o presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, participam de uma cerimônia de boas-vindas no Grande Salão do Povo, em Pequim, em 14 de abril de 2023. - Sputnik International, 1920, 14.04.2023

Mundo

Brasil e China apoiam expansão do BRICS





Putin, Xi e os convidados do Fórum Cinturão e Rota deixaram bem claro que se trata essencialmente de novas cadeias de abastecimento de mercadorias; novas e melhoradas Rotas Marítimas da Seda; e contornar os pontos de estrangulamento controlados pelo Ocidente – como mostra o mapa (anexo). Tudo conduz a um labirinto interligado que inclui a BRI, os BRICS , a EAEU e a SCO.



Os BRICS 11 liderados pela Rússia e pela China – e além (Putin deu uma dica de que a Indonésia se tornará um dos novos membros em 2024) já está virando de cabeça para baixo todas as fantasias encharcadas de Mackinder, no caminho para unir a Eurásia e configurar a Afro-Eurásia como um Heartland extenso, pacífico e predominante.


Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub