Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

24
Dez23

Reflexões estratégicas de Moscou

José Pacheco
Alastair Crooke 11 de dezembro de 2023
 

A tensão inerente e a falta de intercâmbio genuíno são piores do que durante a Guerra Fria, quando os canais de comunicação permaneceram abertos.

❗️ Junte-se a nós no  Telegram ,  Twitter  e  VK .

Contate-nos: info@strategic-culture.su

As relações EUA-Rússia atingiram o fundo do poço; é ainda pior do que se imaginava. No discurso com altos responsáveis ​​russos, é evidente que os EUA tratam os primeiros como inimigos claros. Para ter uma ideia, é como se um alto funcionário russo perguntasse: “O que você quer de mim?”. A resposta pode vir: “Gostaria que você morresse”.

A tensão inerente e a falta de intercâmbio genuíno são piores do que durante a Guerra Fria, quando os canais de comunicação permaneceram abertos. Esta lacuna é agravada pela ausência de consciência política entre os líderes políticos europeus, com os quais uma discussão fundamentada não se revelou possível.

As autoridades russas reconhecem os riscos desta situação. Eles não sabem como corrigi-lo. O teor do discurso também passou da hostilidade total para a mesquinhez: os EUA, por exemplo, poderiam impedir a entrada de trabalhadores na missão russa na ONU para reparar janelas partidas. Moscovo então – relutantemente – vê-se com poucas alternativas a não ser responder de uma forma igualmente mesquinha – e assim a relação desce em espiral.

Há um reconhecimento de que a “guerra de informação” deliberadamente injuriosa é totalmente dominada pelos meios de comunicação social ocidentais – azedando ainda mais a atmosfera. E embora os dispersos meios de comunicação alternativos ocidentais existam e estejam a ganhar escala e importância, não são facilmente envolvidos (sendo ao mesmo tempo diversos e individualistas). A etiqueta de “Apologista de Putin” também permanece tóxica para qualquer fornecedor de notícias autónomo e pode destruir a credibilidade de uma só vez.

Na Rússia, entende-se que o Ocidente vive actualmente numa “falsa normalidade” – um interlúdio na sua própria guerra cultural (no período que antecede 2024). Os russos, no entanto, percebem alguns paralelos óbvios com a sua própria experiência de polarização civil radical – quando a Nomenklatura Soviética exigia conformidade com a “linha” do Partido, ou sofria sanções.

Moscovo está aberto ao diálogo com o Ocidente, mas até agora os interlocutores representaram-se apenas a si próprios e não têm mandato. Esta experiência aponta para a conclusão de que não faz muito sentido “bater a cabeça” contra a parede de tijolos de uma liderança ocidental ideologicamente orientada – os valores russos são como um trapo vermelho para o “touro” ideológico ocidental. No entanto, não está claro quando chegará a hora, se um interlocutor habilitado (capaz de se comprometer) estará presente em Washington para atender o telefone.

No entanto, a inimizade projectada no Ocidente em relação à Rússia é vista como tendo aspectos positivos, bem como graves riscos (ausência de tratados sobre a utilização e mobilização de armas). Os interlocutores sublinham como o desdém ocidental para com os russos – mais a sua inimizade explícita – permitiu finalmente à Rússia ir além da europeização de Pedro, o Grande. Este último episódio é visto agora como um desvio do verdadeiro destino da Rússia (embora deva ser visto no contexto da ascensão e ascensão do Estado-nação europeu pós-vestfaliano).

A hostilidade demonstrada pelos europeus para com o povo russo (e não apenas para com a sua governação) levou a Rússia a “ser ela mesma” novamente, o que tem sido para seu grande benefício. No entanto, a mudança dá origem a uma certa tensão: é evidente que os “falcões” ocidentais estão sempre a esquadrinhar a cena russa, a fim de localizar um hospedeiro dentro do corpo político no qual possam inserir os esporos da sua Nova Ordem Moral armada – o seu propósito pretendendo penetrar e fragmentar a sociedade russa.

Inevitavelmente, então, o apego cultural ocidental explícito suscita uma certa cautela entre a “corrente patriótica” dominante. Os russos (principalmente em Moscovo e São Petersburgo) que se inclinam para a cultura europeia sentem tensão. Não são peixes nem aves: a Rússia está a avançar em direcção a uma nova identidade e “modo de ser”, deixando os europeístas a verem os seus marcos retrocederem. Geralmente, a mudança é vista como inevitável e como tendo provocado um verdadeiro renascimento russo e um sentimento de confiança.

Disseram-nos que o renascimento da religião se auto-inflamou espontaneamente, à medida que as igrejas reabriram após o fim do comunismo. Muitos novos foram construídos (aproximadamente 75% dos russos afirmam ser ortodoxos hoje). Há um sentido em que o “renascimento” Ortodoxo tem um toque escatológico – provocado em parte pelo que um indivíduo chamou de “escatologia” antagónica da “Ordem das Regras”! Notavelmente, poucos interlocutores lamentaram os “liberais russos” seculares (que tinham deixado a Rússia) – “boa viagem” (embora alguns estejam a regressar). Há aqui um elemento de purificação da sociedade da “westificação” dos séculos anteriores – embora a ambivalência seja inevitável: a cultura europeia – pelo menos em termos de filosofia e arte – foi, e é, um componente incorporado na vida intelectual russa, e não está prestes a desaparecer.

O reino político

Não é fácil transmitir o sentido em que a vitória “absoluta” da Rússia na Ucrânia se fundiu com a noção do renascimento em curso do novo sentido de “eu” da Rússia. A vitória na Ucrânia foi de alguma forma assimilada pelo destino metafísico – como algo garantido e em desenvolvimento. A liderança militar russa (compreensivelmente) permanece em silêncio relativamente ao provável resultado estrutural/institucional. A conversa (em programas de televisão), no entanto, centra-se mais nas rixas e cismas que assolam Kiev, do que nos detalhes do campo de batalha, como até agora.

Entende-se que a NATO foi totalmente derrotada na Ucrânia. A extensão e a profundidade do fracasso da NATO talvez tenham sido uma surpresa na Rússia, mas são vistas como, de alguma forma, um testemunho da capacidade de adaptação e da inovação tecnológica russa na integração e comunicação de todas as armas. “Vitória absoluta” pode ser entendida como “de jeito nenhum” Moscovo permitirá que a Ucrânia se torne novamente uma ameaça à segurança russa.

As autoridades russas consideram que as guerras entre a Ucrânia e Israel-Médio Oriente se fundem para segmentar o Ocidente em esferas separadas e controversas - com o Ocidente a caminhar para a fragmentação e possível instabilidade. Os EUA enfrentam reveses e desafios que revelarão ainda mais a perda de dissuasão – exacerbando ainda mais a ansiedade dos EUA relativamente à sua segurança.

Moscovo está ciente do quanto o zeitgeist político em Israel mudou (como resultado do governo radical instalado após as últimas eleições israelitas) e, portanto, das consequentes limitações às iniciativas políticas dos estados ocidentais. Observa atentamente os planos de Israel em relação ao sul do Líbano. A Rússia está a coordenar-se com outros Estados para evitar o deslizamento rumo a uma grande guerra. A visita do Presidente Raisi a Moscovo na semana passada centrou-se alegadamente no acordo estratégico abrangente em negociação e (supostamente) incluiu a assinatura de um documento sobre o combate às sanções ocidentais impostas a ambos os estados.

Em termos da ordem global emergente, Moscovo assume a Presidência dos BRICS em Janeiro de 2024. É ao mesmo tempo uma enorme oportunidade para estabelecer o mundo multipolar dos BRICS num momento de amplo consenso geopolítico no Sul Global – e um desafio também. Moscovo percebe a janela de oportunidade que a sua presidência oferece, mas está consciente de que os estados BRICS estão longe de ser homogéneos. No que diz respeito às guerras de Israel, a Rússia tem tanto um lobby judeu influente como uma diáspora russa em Israel que impõe certos deveres constitucionais ao Presidente. A Rússia provavelmente agirá com cautela no conflito Israel-Palestina, a fim de manter a coesão dos BRICS. Algumas formas importantes de inovações económicas e financeiras emergirão da presidência russa dos BRICS.

E em termos do “problema da UE” da Rússia, em contraponto ao chamado “problema da Rússia” da Europa, a UE e a NATO (pós-Maidan) construíram o exército ucraniano para ser um dos maiores e mais bem equipados exércitos da NATO na Europa. . Depois de as propostas de acordo russo-ucranianas de Março de 2022 terem sido vetadas por Boris Johnson e Blinken – e quando a inevitável guerra mais longa e intensa se tornou certa – a Rússia mobilizou e preparou as suas próprias cadeias de abastecimento logístico. Contudo, os líderes da UE estão agora a “fechar o círculo” ao projectarem que esta expansão militar russa (ela própria uma reacção à intensificação da NATO na Ucrânia) é antes uma prova de um plano russo para invadir a Europa continental. No que parece ser um esforço coordenado, os principais meios de comunicação ocidentais estão à procura de qualquer coisa que possa, mesmo remotamente, assemelhar-se a alguma evidência dos supostos “desígnios” da Rússia contra a Europa.

Este espectro do imperialismo Russo está a ser criado para inculcar o medo na população Europeia e para argumentar que a Europa deve desviar recursos para preparar a sua logística para uma guerra que se aproxima com a Rússia. Isto representa mais uma reviravolta nesse ciclo vicioso descendente de ameaça de guerra que pressagia mal para a Europa. Não houve – para a Europa – nenhum “problema” russo até os neoconservadores aproveitarem a “abertura” de Maidan para enfraquecer a Rússia.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub