Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

08
Jan23

Além da China, à medida que mais nações rejeitarem a ordem liderada pelos EUA, 2022 ficará marcado como o ano da 'desocidentalização'

José Pacheco

Wang Wen: Além da China, à medida que mais nações rejeitarem a ordem liderada pelos EUA, 2022 ficará marcado como o ano da 'desocidentalização'

Do caminho socialista da China à virada para a esquerda da América Latina e à postura neutra da Asean, mais países estão silenciosamente mas firmemente rejeitando a ordem mundial ocidental

Em vez disso, procuram favorecer os interesses nacionais, uma forma mais democrática de política internacional e o respeito mútuo

Wang Wen

6 de janeiro de 2023

O significado global de 2022 foi grosseiramente subestimado. Sua importância para a história mundial supera em muito a de 2001, quando ocorreram os ataques de 11 de setembro, e de 2008, quando estourou a crise financeira global.

Em vez disso, 2022 pode ser comparável a 1991, quando a Guerra Fria terminou. Se existe uma palavra-chave, é “desocidentalização”.

Não se trata apenas da tentativa radical da Rússia, através do uso do poder militar, de tentar quebrar a ordem internacional dominada pelos EUA. Trata-se também da insurreição sem precedentes de países não ocidentais contra a ordem estabelecida em busca de uma postura mais independente.

A China, após a convocação bem-sucedida de seu 20º congresso do Partido Comunista e apesar dos desafios do Covid-19 e da crise econômica, continua avançando firmemente em direção ao seu objetivo de se tornar uma potência socialista moderna até 2050.

Originalmente publicado pelo South China Morning Post, SCMP, em 3 de janeiro de 2023

No Brasil, a reeleição de Luiz Inácio Lula da Silva como presidente significa que 80% da América Latina está agora sob governos de esquerda – nos últimos anos, México, Argentina, Peru, Chile, Honduras , Colômbia e outros também líderes escolhidos à esquerda. Eles defendem manter distância dos Estados Unidos e promover maior independência e integração latino-americana.

No Sudeste Asiático, que recentemente sediou as reuniões de cúpula da ASEAN, G20 e APEC, a Associação das Nações do Sudeste Asiático manteve cuidadosamente a mesma distância da China e dos EUA, fortalecendo sua posição neutra por meio da solidariedade regional e da vitalidade econômica.

Na Ásia Central, os líderes do Quirguistão, Cazaquistão, Uzbequistão, Tadjiquistão e Turcomenistão continuaram a fortalecer o mecanismo de consulta de chefes de estado e assinaram documentos importantes, incluindo um tratado de “amizade, boa vizinhança e cooperação para o desenvolvimento da Ásia Central no século 21". Ao manter uma distância igual da Rússia, dos EUA, da Europa e de outras potências, a Ásia Central está entrando em um novo estágio de consolidação nacional e integração regional.

No Oriente Médio, que experimentou a primavera árabe e a guerra antiterrorista dos Estados Unidos, os 22 países do mundo árabe estão cada vez mais focados em seu desenvolvimento estratégico e independente. O Saudi Vision 2030, o Qatar National Vision 2030 , o New Kuwait Vision 2035, o Oman Vision 2040 e o United Arab Emirates' Vision 2050, entre outros, são planos de desenvolvimento de longo prazo que elevaram as expectativas do mundo.

Interessante também?   Farhang Jahanpour: Sobre "Civilisation On Trial" de Arnold Toynbee hoje

A recente realização da Copa do Mundo do Qatar , da Cúpula China -Estados Árabes e da Cúpula do Conselho de Cooperação China-Golfo (GCC) também aumentou o prestígio e a influência global da região.

Potências regionais que abrigam sonhos de grandeza também estão mantendo uma distância moderada do Ocidente. A Índia tem resistido à pressão ocidental para aderir às sanções contra a Rússia, mantendo sua política de cooperação com a China e a Rússia. Como presidente do Grupo dos 20, mais conhecido como G20, em 2023, a Índia tem uma grande oportunidade de aumentar sua influência.

A mídia ocidental tende a se concentrar no cenário G2 da competição EUA-China – quando o mundo está apresentando um cenário duplo de hegemonia ocidental versus um desenvolvimento desocidentalizado e mais independente.

O Ocidente não pode parar essa tendência. Os EUA lideraram o mundo em grandes crises no século passado, mas sua liderança se tornou menos convincente após a pandemia de Covid-19 e a guerra na Ucrânia. Isso ocorreu ao enfrentar desafios domésticos sem precedentes ao lidar com sua própria epidemia de Covid-19, conflito racial, recuperação econômica e ordem política.

Enquanto isso, a participação da Europa na economia global continua caindo. E a economia da Índia tornou- se maior do que a da Grã-Bretanha, seu antigo mestre colonial, em um ano em que também um homem de ascendência indiana se tornou o primeiro-ministro britânico.

De acordo com as estatísticas oficiais da China, o investimento estrangeiro direto externo do país em 2020 ficou em primeiro lugar no mundo pela primeira vez. O país já ocupa o primeiro lugar na produção manufatureira e no comércio de bens.

Nos últimos anos, a China também superou muitos países ocidentais na atração de capital estrangeiro, mostrando que o capital quase sempre não está preso no Ocidente. Em 2022, o maior acordo de livre comércio do mundo, a Parceria Econômica Abrangente Regional (RCEP), entrou em vigor. Isso é um reflexo da perda do monopólio do Ocidente sobre o livre comércio.

Essa desocidentalização também se estende a uma crescente desdolarização no comércio global, à medida que os países se afastam do dólar americano, e a uma “desamericanização” da tecnologia .

Nos últimos 20 anos, a participação do dólar americano nas reservas internacionais caiu constantemente de mais de 70% para menos de 60%, agora oscilando em torno de uma baixa de 25 anos, de acordo com dados do Fundo Monetário Internacional. Com a quarta revolução industrial, os países europeus e americanos também perderam sua vantagem tecnológica em tecnologia inteligente, computação quântica, big data, 5G e muito mais.

Interessante também?   Um círculo na escuridão: a Europa pós-guerra

Juntos, o mundo não-ocidental está apresentando uma imagem como nunca antes vista. Sua resposta à hegemonia ocidental não é necessariamente por meio de confronto, conflito ou insistência em freios e contrapesos.

Em vez disso, eles estão simplesmente sacudindo o controle ocidental, colocando cada vez mais seus interesses nacionais no centro estratégico. Uma forma mais democrática de política internacional e respeito mútuo são suas principais reivindicações.

Uma relação política mais igualitária entre o Ocidente e o resto está sendo construída, e isso será uma característica importante da política mundial nesta terceira década do século XXI. Não será um mundo tranquilo em 2023, mas o movimento de desocidentalização é irreversível e só evoluirá.

O autor

Wang Wen é professor e reitor executivo do Chongyang Institute for Financial Studies, Renmin University of China.

18
Mai22

Shireen Abu Akleh

José Pacheco

Jornalista, Palestina, Cristã, assassinada por Israel!

279883494_2213278535477418_1076660923159425154_n.j

 

O nazismo foi (é) um regime político ao serviços dos grandes interesses económicos e financeiros.

E0-PaQYX0AYpErJ.png

 

A dita ajuda à Ucrânia não chega aos ucranianos. Vai toda para o complexo militar industrial do ocidente, e para a corrupção na Ucrânia.

e5206d3b-51f7-4a16-a2bf-007d43e5eac7.jpeg

O ocidente, governos, gande comunicação social, a generalidade dos comentadores andam histéricos, gritam muito. A realidade é que estão isolados. A grande maioria do mundo não os acompanha  na guerra ensandecida de sanções contra a Rússia, que está a fazer muito mal nos países ocidentais e no mundo.

f61ca7e5-ac04-41ef-be40-b4a06a548450.jpeg

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub