Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

09
Out22

Michael Hudson: Um roteiro para escapar do estrangulamento do Ocidente

José Pacheco

 

É impossível rastrear a turbulência geoeconômica inerente às “dores de parto” do mundo multipolar sem os insights do professor Michael Hudson, da Universidade de Missouri, e autor do já seminal The Destiny of Civilization.

Em seu último ensaio , o professor Hudson se aprofunda nas políticas econômicas/financeiras suicidas da Alemanha; seu efeito sobre o euro já em queda – e sugere algumas possibilidades de integração rápida da Eurásia e do Sul Global como um todo para tentar quebrar o domínio do Hegemon.

Isso levou a uma série de trocas de e-mail, especialmente sobre o futuro papel do yuan, onde Hudson comentou:

“Os chineses com quem conversei durante anos e anos não esperavam que o dólar enfraquecesse. Eles não estão chorando por sua ascensão, mas estão preocupados com a fuga de capital da China, pois acho que depois do Congresso do Partido [começando em 16 de outubro] haverá uma repressão à defesa do livre mercado de Xangai. A pressão para as próximas mudanças vem se acumulando há muito tempo. O espírito de reforma para conter os 'mercados livres' estava se espalhando entre os estudantes há mais de uma década, e eles estão subindo na hierarquia do Partido”.

Sobre a questão-chave de a Rússia aceitar o pagamento de energia em rublos, Hudson tocou em um ponto raramente examinado fora da Rússia: “Eles realmente não querem ser pagos apenas em rublos. Essa é a única coisa que a Rússia não precisa, porque pode simplesmente imprimi-los. Ele só precisa de rublos para equilibrar seus pagamentos internacionais para estabilizar a taxa de câmbio – não para empurrá-la para cima.”

O que nos leva a acordos em yuan: “Receber o pagamento em yuan é como receber o pagamento em ouro – um ativo internacional que todo país deseja como uma moeda não fiduciária que tem valor se for vendida (ao contrário do dólar agora, que pode simplesmente confiscados ou, em última análise, abandonados). O que a Rússia realmente precisa são insumos industriais críticos, como chips de computador. Poderia pedir à China para importá-los com o yuan que a Rússia fornece.”

Keynes está de volta

Após nossas trocas de e-mails, o professor Hudson gentilmente concordou em responder em detalhes a algumas perguntas sobre os processos geoeconômicos extremamente complexos em jogo na Eurásia. Aqui vamos nós.

O Berço: Os BRICS estão estudando a adoção de uma moeda comum – incluindo todos eles e, esperamos, o BRICS+ expandido também. Como isso poderia ser implementado na prática? Difícil ver o Banco Central do Brasil se harmonizando com os russos e o Banco Popular da China. Isso envolveria apenas investimento – via banco de desenvolvimento BRICS? Isso seria baseado em commodities + ouro? Como o yuan se encaixa? A abordagem do BRICS é baseada nas atuais discussões da União Econômica da Eurásia (EAEU) com os chineses, lideradas por Sergey Glazyev ? A cúpula de Samarcanda avançou, praticamente, na interligação dos BRICS e da SCO?

Hudson: “Qualquer ideia de uma moeda comum deve começar com um acordo de troca de moeda entre os países membros existentes. A maior parte do comércio será em suas próprias moedas. Mas para resolver os inevitáveis ​​desequilíbrios (superávits e déficits no balanço de pagamentos), uma moeda artificial será criada por um novo Banco Central.

Isso pode parecer superficialmente com os Direitos Especiais de Saque (SDRs) criados pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), em grande parte para financiar o déficit dos EUA na conta militar e o crescente serviço da dívida dos devedores do Sul Global aos credores dos EUA. Mas o arranjo será muito mais parecido com o 'bancor' proposto por John Maynard Keynes em 1944. Os países deficitários poderiam sacar uma cota específica de bancors, cuja avaliação seria determinada por uma seleção comum de preços e taxas de câmbio. Os bancors (e sua própria moeda) seriam usados ​​para pagar os países com superávit.

Mas, diferentemente do sistema SDR do FMI, o objetivo dessa nova alternativa do Banco Central não será simplesmente subsidiar a polarização econômica e o endividamento. Keynes propôs um princípio de que se um país (ele estava pensando nos Estados Unidos na época) tivesse superávits crônicos, isso seria um sinal de seu protecionismo ou recusa em apoiar uma economia mutuamente resiliente, e suas reivindicações começariam a se extinguir, junto com as dívidas em bancor de países cujas economias impediam sua capacidade de equilibrar seus pagamentos internacionais e sustentar sua moeda.

Os arranjos propostos hoje de fato apoiariam empréstimos entre os bancos membros, mas não com o propósito de apoiar a fuga de capitais (o principal uso dos empréstimos do FMI, quando governos de “esquerda” parecem ser eleitos), e o FMI e sua alternativa associada ao Banco Mundial não imporia planos de austeridade e políticas antitrabalhistas aos devedores. A doutrina econômica promoveria a auto-suficiência em alimentos e bens essenciais, e promoveria a formação de capital agrícola e industrial tangível, não a financeirização.

É provável que o ouro também seja um elemento das reservas monetárias internacionais desses países, simplesmente porque o ouro é uma mercadoria que centenas de anos de prática mundial já concordaram como aceitável e politicamente neutra. Mas o ouro seria um meio de acertar os saldos de pagamentos, não definir a moeda nacional. Esses saldos se estenderiam, obviamente, ao comércio e ao investimento com países ocidentais que não fazem parte deste banco. O ouro seria um meio aceitável de liquidar os saldos da dívida ocidental com o novo banco centrado na Eurásia. Isso provaria ser um veículo para pagamentos que os países ocidentais não poderiam simplesmente repudiar – desde que o ouro fosse mantido nas mãos dos novos membros do banco, não mais em Nova York ou Londres, como tem sido a prática perigosa desde 1945.

Em uma reunião para criar tal banco, a China estaria em uma posição dominante semelhante à que os Estados Unidos desfrutavam em 1944 em Bretton Woods. Mas sua filosofia operacional seria bem diferente. O objetivo seria desenvolver as economias dos membros do banco, com planejamento de longo prazo ou padrões de comércio que pareçam mais apropriados para suas economias para evitar o tipo de relações de dependência e aquisições de privatização que caracterizaram a política do FMI e do Banco Mundial.

Esses objetivos de desenvolvimento envolveriam reforma agrária, reestruturação industrial e financeira e reforma tributária, bem como reformas bancárias e de crédito domésticas. As discussões nas reuniões da SCO parecem ter preparado o terreno para estabelecer uma harmonia geral de interesses na criação de reformas nesse sentido.”

Eurásia ou busto

O Berço: A médio prazo, é viável esperar que os industriais alemães, contemplando o terreno baldio vindouro e sua própria morte, se revoltem em massa contra as sanções comerciais/financeiras impostas pela OTAN contra a Rússia e forcem Berlim a abrir o Nord Stream 2 ? A Gazprom garante que o gasoduto é recuperável. Não precisa se juntar ao SCO para fazer isso acontecer…

Hudson: “É improvável que os industriais alemães ajam para impedir a desindustrialização de seu país, dado o domínio dos EUA/OTAN na política da zona do euro e os últimos 75 anos de intromissão política por parte de funcionários dos EUA. Os chefes de empresas alemãs são mais propensos a tentar sobreviver com o máximo de riqueza pessoal e corporativa intacta que puderem, após a Alemanha se transformar em um destroço econômico do tipo estado báltico.

Já se fala em transferir a produção – e gestão – para os Estados Unidos, o que impedirá a Alemanha de obter energia, metais e outros materiais essenciais de qualquer fornecedor não controlado pelos interesses dos EUA e seus aliados.

A grande questão é se as empresas alemãs emigrariam para as novas economias euro-asiáticas, cujo crescimento industrial e prosperidade parecem ofuscar em muito o dos Estados Unidos.

Claro que os gasodutos Nord Stream são recuperáveis. É precisamente por isso que a pressão política dos EUA do secretário de Estado Blinken tem sido tão insistente para que Alemanha, Itália e outros países europeus se redobrem em isolar suas economias do comércio e investimento com Rússia, Irã, China e outros países cujo crescimento os EUA estão tentando perturbe."

Como escapar do “Não há alternativa”

The Cradle: Estamos chegando ao ponto em que os principais atores do Sul Global – mais de 100 nações – finalmente se reúnem e decidem ir à falência e impedir os EUA de manter a economia global neoliberal artificial em estado de coma perpétuo? Isso significa que a única opção possível, como você descreveu, é estabelecer uma moeda global paralela contornando o dólar americano – enquanto os suspeitos do costume flutuam a noção de um Bretton Woods III na melhor das hipóteses. O cassino financeiro FIRE (finanças, seguros, imóveis) é onipotente o suficiente para esmagar qualquer possível concorrência? Você prevê algum outro mecanismo prático além do que está sendo discutido pelo BRICS/ EAEU/SCO?

Hudson: “Um ou dois anos atrás, parecia que a tarefa de projetar uma moeda mundial alternativa completa, monetária, de crédito e sistema comercial era tão complexa que os detalhes dificilmente poderiam ser pensados. Mas as sanções dos EUA provaram ser o catalisador necessário para tornar essas discussões pragmaticamente urgentes.

O confisco das reservas de ouro da Venezuela em Londres e seus investimentos nos EUA, o confisco de US$ 300 bilhões das reservas cambiais da Rússia mantidas nos Estados Unidos e na Europa, e sua ameaça de fazer o mesmo com a China e outros países que resistem à política externa dos EUA tornou urgente a desdolarização. Expliquei a lógica em muitos pontos, desde meu artigo no Valdai Club (com Radhika Desai) até meu livro recente sobre The Destiny of Civilization , a série de palestras que preparei para Hong Kong e a Global University for Sustainability.

Manter títulos denominados em dólares, e até mesmo manter ouro ou investimentos nos Estados Unidos e na Europa, não é mais uma opção segura. É claro que o mundo está se dividindo em dois tipos bastante diferentes de economias, e que os diplomatas dos EUA e seus satélites europeus estão dispostos a destruir a ordem econômica existente na esperança de que a criação de uma crise disruptiva lhes permita sair por cima.

Também está claro que a subjugação ao FMI e seus planos de austeridade são suicídio econômico, e que seguir o Banco Mundial e sua doutrina neoliberal de dependência internacional é autodestrutivo. O resultado foi criar uma sobrecarga impagável de dívidas denominadas em dólares americanos. Essas dívidas não podem ser pagas sem pedir crédito ao FMI e aceitar os termos da rendição econômica aos privatizadores e especuladores dos EUA.

A única alternativa para impor austeridade econômica a si mesmos é retirar-se da armadilha do dólar em que a economia de “livre mercado” patrocinada pelos EUA (mercados livres da proteção do governo e livres da capacidade do governo de recuperar os danos ambientais das empresas petrolíferas e mineradoras dos EUA e a dependência industrial e alimentar associada) é fazer uma ruptura limpa.

A ruptura será difícil, e a diplomacia dos EUA fará tudo o que puder para atrapalhar a criação de uma ordem econômica mais resiliente. Mas a política dos EUA criou um estado global de dependência no qual literalmente não há alternativa a não ser romper”.

saída alemã?

The Cradle: Qual é a sua análise na Gazprom confirmando que a Linha B do Nord Stream 2 não foi tocada pelo Pipeline Terror? Isso significa que o Nord Stream 2 está praticamente pronto para funcionar – com capacidade para bombear 27,5 bilhões de metros cúbicos de gás por ano, o que é metade da capacidade total do – danificado – Nord Stream. Portanto, a Alemanha não está condenada. Isso abre um novo capítulo; uma solução dependerá de uma decisão política séria do governo alemão.

Hudson: “Aqui está o kicker: a Rússia certamente não arcará com o custo novamente, apenas para ter o oleoduto explodido. Caberá à Alemanha. Aposto que o regime atual diz “não”. Isso deve gerar um aumento interessante dos partidos alternativos.

O problema final é que a única maneira pela qual a Alemanha pode restaurar o comércio com a Rússia é se retirar da OTAN, percebendo que é a principal vítima da guerra da OTAN. Isso só poderia ter sucesso se espalhando para a Itália, e também para a Grécia (por não protegê-la contra a Turquia, desde Chipre). Isso parece uma longa luta.

Talvez seja mais fácil apenas para a indústria alemã fazer as malas e se mudar para a Rússia para ajudar a modernizar sua produção industrial, especialmente BASF para química, Siemens para engenharia etc. Se as empresas alemãs se mudarem para os EUA para obter gás, isso será percebido como um Ataque dos EUA à indústria alemã, capturando sua liderança para os EUA. Mesmo assim, isso não terá sucesso, dada a economia pós-industrializada da América.

Assim, a indústria alemã só pode se mover para o leste se criar seu próprio partido político como um partido nacionalista anti-OTAN. A constituição da UE exigiria que a Alemanha se retirasse da UE, o que coloca os interesses da OTAN em primeiro lugar no nível federal. O próximo cenário é discutir a entrada da Alemanha na SCO. Vamos apostar em quanto tempo isso vai levar.”

(Republicado de The Cradle com permissão do autor ou representante)

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub