Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

28
Nov22

Operação Garra-Espada: o grande novo jogo de Erdogan na Síria

José Pacheco

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, está de olho na Síria. Foto: Ramil Sitdikov/Sputnik

 

Tem mais uma Operação Militar Especial no mercado. Não, não é a Rússia “desnazificando” e “desmilitarizando” a Ucrânia – e, portanto, não é de admirar que esta outra operação não esteja agitando o Ocidente coletivo.

A Operação Claw-Sword foi lançada pelo presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, como vingança – altamente emocional e concertada – pelos ataques terroristas curdos contra cidadãos turcos. Alguns dos mísseis lançados por Ancara nesta campanha aérea levavam os nomes das vítimas turcas.

A versão oficial de Ancara é que as Forças Armadas turcas alcançaram plenamente seus “objetivos de operação aérea” no norte da Síria e no Curdistão iraquiano, e fizeram com que os responsáveis ​​pelo ataque terrorista contra civis na rua de pedestres Istiklal, em Istambul, pagassem em “multidões”.


E este é suposto ser apenas o primeiro estágio. Pela terceira vez em 2022 , o sultão Erdogan também promete uma invasão terrestre dos territórios controlados pelos curdos na Síria.

No entanto, de acordo com fontes diplomáticas, isso não vai acontecer – mesmo que dezenas de especialistas turcos estejam convencidos de que a invasão é necessária mais cedo ou mais tarde.

O astuto sultão está preso entre seu eleitorado, que favorece uma invasão, e suas relações extremamente sutis com a Rússia – que abrangem um grande arco geopolítico e geoeconômico.

Ele sabe muito bem que Moscou pode aplicar todos os tipos de alavancas de pressão para dissuadi-lo. Por exemplo, a Rússia anulou no último minuto o envio semanal de uma patrulha conjunta russo-turca em Ain al Arab, que acontecia às segundas-feiras.

Ain al Arab é um território altamente estratégico: o elo perdido, a leste do Eufrates, capaz de oferecer continuidade entre Idlib e Ras al Ayn, ocupado por gangues desonestas alinhadas com os turcos perto da fronteira turca.


Erdogan sabe que não pode comprometer seu posicionamento como potencial mediador UE-Rússia enquanto obtém lucro máximo contornando a combinação de sanções e embargo anti-Rússia.

O sultão, fazendo malabarismos com vários dossiês sérios, está profundamente convencido de que tem o que é preciso para trazer a Rússia e a OTAN para a mesa de negociações e, finalmente, acabar com a guerra na Ucrânia.

Paralelamente, ele acha que pode ficar no topo das relações Turquia-Israel; uma reaproximação com Damasco; a delicada situação interna do Irã; relações Turquia-Azerbaijão; as metamorfoses ininterruptas através do Mediterrâneo; e o impulso para a integração da Eurásia.

Ele está protegendo todas as suas apostas entre a OTAN e a Eurásia.

'Fechar todas as nossas fronteiras do sul'
A luz verde para Claw-Sword veio de Erdogan enquanto ele estava em seu avião presidencial, voltando do G20 em Bali. Isso aconteceu apenas um dia depois de ele se encontrar com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, onde, de acordo com uma declaração presidencial de Erdogan, o assunto não havia surgido.


“Não tivemos nenhuma reunião com o Sr. Biden ou [o presidente russo, Vladimir] Putin sobre a operação. Ambos já sabem que podemos fazer tais coisas a qualquer momento nesta região”, disse o comunicado.

Washington não sendo informado sobre Erdogan espelhado Claw-Sword não sendo convidado para uma reunião extraordinária do G7-NATO em Bali, à margem do G20.

 

O então vice-presidente dos EUA, Joe Biden (à esquerda), fala com o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, no Palácio de Beylerbeyi, em Istambul. Foto: AFP/Bulent Kilic
Essa reunião foi convocada pela Casa Branca para tratar do já notório míssil ucraniano S-300 que caiu em território polonês. Na época, ninguém na mesa tinha nenhuma evidência conclusiva sobre o que aconteceu. E a Turquia nem foi convidada para a mesa – o que irritou profundamente o sultão.

Portanto, não é de admirar que Erdogan, no meio da semana, tenha dito que Claw-Sword era “apenas o começo”. Dirigindo-se aos legisladores do partido AKP no Parlamento, ele disse que a Turquia está determinada a “fechar todas as nossas fronteiras ao sul… com um corredor de segurança que impedirá a possibilidade de ataques ao nosso país”.

A promessa de invasão terrestre permanece: começará “no momento mais conveniente para nós” e terá como alvo as regiões de Tel Rifaat, Mambij e Kobane, que o sultão chamou de “fontes de problemas”.


Ancara já causou estragos, usando drones, no quartel-general principal das Forças Democráticas da Síria, apoiadas pelos Estados Unidos, cujos comandantes acreditam que o principal alvo de uma possível invasão terrestre turca seria Kobane.

Significativamente, esta é a primeira vez que um drone turco tem como alvo uma área extremamente próxima a uma base americana. E Kobane é altamente simbólico: o lugar onde os americanos selaram uma colaboração com os curdos sírios para – em teoria – combater o ISIS.

E isso explica por que os curdos sírios estão horrorizados com a não resposta americana aos ataques turcos. Eles culpam – quem mais? – o sultão por alimentar “sentimentos nacionalistas” antes das eleições de 2023, que Erdogan agora tem uma grande chance de vencer, apesar do estado catastrófico da economia turca.

Do jeito que está, não há acúmulo de tropas turcas perto de Kobane – apenas ataques aéreos. O que nos leva ao importantíssimo fator russo.

Manbij e Tel Rifaat, a oeste do Eufrates, são muito mais importantes para a Rússia do que Kobane, porque ambos são vitais para a defesa de Aleppo contra possíveis ataques salafi-jihadistas.

O que pode potencialmente acontecer no futuro próximo torna a situação ainda mais sombria. A inteligência de Ancara pode usar os jihadistas Hayat Tahrir al-Sham – que já tomaram partes de Afrin – como uma espécie de “vanguarda” em uma invasão terrestre do território curdo sírio.

Venda de petróleo roubado da Síria para a Turquia
A atual névoa da guerra inclui a noção de que os russos podem ter traído os curdos, deixando-os expostos ao bombardeio turco. Isso não se aplica – porque a influência da Rússia sobre o território curdo sírio é insignificante em comparação com a dos EUA. Somente os americanos poderiam "trair" os curdos.

Quanto mais as coisas mudam, mais elas permanecem as mesmas na Síria. Tudo poderia ser resumido como um impasse monumental. Isso fica ainda mais surrealista porque, de fato, Ancara e Moscou já encontraram a solução para a tragédia síria.

O problema é a presença de forças americanas – essencialmente protegendo aqueles comboios miseráveis ​​que roubam petróleo sírio. Russos e sírios sempre discutem isso. A conclusão é que os americanos estão ficando por inércia. Eles fazem isso porque podem. E Damasco é impotente para expulsá-los.

O Sultão joga tudo com cinismo consumado – em geopolítica e geoeconomia. A maior parte do que não está resolvido na Síria gira em torno de territórios ocupados por gangues de fato que se autodenominam curdos, protegidos pelos EUA. Eles traficam petróleo sírio para revendê-lo principalmente para... a Turquia.

E então, em um piscar de olhos, gangues armadas que se autodenominam curdas podem simplesmente abandonar sua luta “antiterrorista” … libertando os terroristas que prenderam, aumentando assim a “ameaça terrorista” em todo o nordeste da Síria. Eles culpam – quem mais? - Peru. Paralelamente, os americanos aumentam a ajuda financeira a essas gangues armadas sob o pretexto de uma “guerra ao terror”.

A distinção entre “gangues armadas” e “terroristas” é obviamente tênue. O que mais importa para Erdogan é que ele pode usar os curdos como moeda em negociações comerciais ligadas a contornar embargos e sanções anti-russos.

E isso explica por que o sultão pode decidir bombardear o território sírio quando bem entender, apesar de qualquer condenação de Washington ou Moscou. Os russos de vez em quando retomam a iniciativa no terreno – como aconteceu durante a campanha de Idlib em 2020, quando os russos bombardearam as forças militares turcas que prestavam “assistência” aos jihadistas salafistas.

 

Uma visão do local após os ataques realizados pelo regime de Assad na Síria no centro da cidade de Idlib em 7 de setembro de 2021. Foto: Izzeddin Kasim / Agência Anadolu
Agora, uma virada de jogo pode estar nas cartas. O exército turco bombardeou o campo petrolífero al-Omar ao norte de Deir ez-Zor. O que isso significa na prática é que Ancara agora está destruindo nada menos que a infraestrutura de petróleo da tão elogiada “autonomia curda”.

Essa infraestrutura tem sido explorada cinicamente pelos EUA quando se trata do petróleo que chega à fronteira com o Iraque no Curdistão iraquiano. Então, em certo sentido, Ancara está atacando os curdos sírios e simultaneamente contra o roubo americano de petróleo sírio.

O divisor de águas definitivo pode estar se aproximando. Esse será o encontro entre Erdogan e Bashar al-Assad (lembra-se do refrão de uma década “Assad deve ir”?)

Localização: Rússia. Mediador: Vladimir Putin, pessoalmente. Não é exagero imaginar esta reunião abrindo caminho para que essas gangues armadas curdas, essencialmente interpretadas por Washington como idiotas úteis, acabem sendo dizimadas por Ancara.

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub