Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

21
Out23

Guerra dos Corredores Económicos: a manobra Índia-Oriente Médio-Europa

José Pacheco

O corredor de transporte Índia-Oriente Médio-Europa pode ser o assunto da cidade, mas provavelmente irá seguir o mesmo caminho dos três últimos projectos de conectividade Ásia-Europa promovidos pelo Ocidente - para o caixote do lixo. Aqui está o porquê.

Pepe Escobar 25 DE SETEMBRO DE 2023

Crédito da foto: O Berço

 

O Corredor Económico Índia-Oriente Médio-Europa (IMEC) é uma enorme operação de diplomacia pública lançada na recente cimeira do G20 em Nova Deli, completada com um memorando de entendimento assinado em 9 de Setembro. 

Os jogadores incluem os EUA, a Índia, os Emirados Árabes Unidos, a Arábia Saudita e a UE, com um papel especial para as três principais potências desta última, Alemanha, França e Itália. É um projeto ferroviário multimodal, juntamente com transbordos e estradas auxiliares digitais e elétricas que se estendem até a Jordânia e Israel. 

Se isto caminha e fala como a resposta muito tardia do Ocidente colectivo à Iniciativa Cinturão e Rota (BRI) da China, lançada há 10 anos e que celebra um Fórum Cinturão e Rota em Pequim no próximo mês, é porque é assim. E sim, é, acima de tudo, mais um projecto americano para contornar a China, a ser reivindicado para fins eleitorais grosseiros como um escasso “sucesso” de política externa.  

Ninguém entre a maioria global se lembra que os americanos criaram o seu próprio plano da Rota da Seda em 2010. O conceito veio de Kurt Campbell, do Departamento de Estado, e foi vendido pela então secretária Hillary Clinton como ideia sua. A história é implacável, não deu em nada.  

E ninguém entre a Maioria Global se lembra do plano da Nova Rota da Seda vendido pela Polónia, Ucrânia, Azerbaijão e Geórgia no início da década de 2010, completo com quatro transbordos problemáticos no Mar Negro e no Mar Cáspio. A história é implacável, isso também deu em nada.   

Na verdade, muito poucos entre a maioria global se lembram do plano global Build Back Better World (BBBW, ou B3W) , de US$ 40 trilhões, patrocinado pelos EUA, lançado com grande alarde há apenas dois verões, com foco em “clima, saúde e segurança sanitária, tecnologia digital e equidade e igualdade de género.” 

Um ano depois, numa reunião do G7, a B3W já tinha reduzido para um projecto de infra-estruturas e investimentos de 600 mil milhões de dólares. Claro, nada foi construído. A história é realmente implacável, não deu em nada. 

O mesmo destino aguarda o IMEC, por uma série de razões muito específicas.

Mapa do Corredor Econômico Índia-Oriente Médio-Europa (IMEC)

Girando para um vazio negro 

Toda a lógica da IMEC assenta naquilo que o escritor e ex-embaixador MK Bhadrakumar deliciosamente descreveu como “evocando os Acordos de Abraham através do encantamento de um tango saudita-israelense”.

Este tango está morto na chegada; nem mesmo o fantasma de Piazzolla consegue revivê-lo. Para começar, um dos principais – o príncipe herdeiro saudita Mohammad bin Salman – deixou claro que as prioridades de Riade são uma relação nova e energizada, mediada pela China, com o Irão), com a Turquia e com a Síria após o seu regresso à Liga Árabe. 

Além disso, tanto Riade como o seu parceiro IMEC dos Emirados partilham imensos interesses comerciais, comerciais e energéticos com a China, pelo que não farão nada para perturbar Pequim.

À primeira vista, o IMEC propõe um esforço conjunto entre os países do G7 e dos BRICS 11. Esse é o método ocidental de seduzir a Índia, eternamente protegida sob o comando de Modi, e a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, aliados dos EUA, para a sua agenda. 

A sua verdadeira intenção, contudo, não é apenas minar a BRI, mas também o Corredor Internacional de Transporte Norte-Sul (INTSC), no qual a Índia é um actor importante ao lado da Rússia e do Irão.  

O jogo é bastante grosseiro e, na verdade, bastante óbvio: um corredor de transporte concebido para contornar os três principais vetores da verdadeira integração da Eurásia - e os membros do BRICS, China, Rússia e Irão -, exibindo uma atraente cenoura de dividir para governar, que promete coisas que não podem ser cumpridas. . 

A obsessão neoliberal americana nesta fase do Novo Grande Jogo é, como sempre, toda sobre Israel. O seu objetivo é tornar o porto de Haifa viável e transformá-lo num importante centro de transporte entre a Ásia Ocidental e a Europa. Todo o resto está subordinado a este imperativo israelita. 

O IMEC, em princípio, transitará pela Ásia Ocidental para ligar a Índia à Europa Oriental e Ocidental – vendendo a ficção de que a Índia é um Estado Pivot Global e uma Convergência de Civilizações. 

Absurdo. Embora o grande sonho da Índia seja tornar-se um Estado pivô, a sua melhor oportunidade seria através do já em funcionamento INTSC, que poderia abrir mercados para Nova Deli, da Ásia Central ao Cáucaso. Caso contrário, como Estado Pivot Global, a Rússia está muito à frente da Índia, diplomaticamente, e a China está muito à frente no comércio e na conectividade. 

As comparações entre o IMEC e o Corredor Económico China-Paquistão (CPEC) são inúteis. O IMEC é uma piada comparado com este projecto emblemático da BRI: o plano de 57,7 mil milhões de dólares para construir uma ferrovia com mais de 3.000 km de comprimento ligando Kashgar em Xinjiang a Gwadar no Mar Arábico, que se ligará a outros corredores terrestres da BRI em direcção ao Irão e Turkiye. 

Esta é uma questão de segurança nacional para a China. Portanto, podem-se apostar que a liderança em Pequim terá algumas conversas discretas e sérias com os actuais quinto-colunas no poder em Islamabad, antes ou durante o Fórum do Cinturão e Rota, para lembrá-los dos factos geoestratégicos, geoeconómicos e de investimento relevantes. .

Então, o que resta para o comércio indiano em tudo isso? Não muito. Já utilizam o Canal de Suez, uma rota direta e testada. Não há incentivo para começar a pensar em ficar preso em vazios negros nas vastas extensões desérticas que cercam o Golfo Pérsico. 

Um problema flagrante, por exemplo, é que quase 1.100 km de trilhos estão “desaparecidos” da ferrovia de Fujairah, nos Emirados Árabes Unidos, a Haifa, 745 km “desaparecidos” de Jebel Ali, em Dubai, a Haifa, e 630 km “desaparecidos” do ferrovia de Abu Dhabi a Haifa. 

Somadas todas as ligações que faltam, restam mais de 3.000 km de ferrovia a serem construídos. Os chineses, é claro, podem fazer isso no café da manhã e por um centavo, mas não fazem parte deste jogo. E não há provas de que a gangue do IMEC planeje convidá-los. 

Todos os olhos voltados para Syunik 

Nos Corredores da Guerra dos Transportes mapeados em detalhes para The Cradle em junho de 2022, fica claro que as intenções raramente encontram a realidade. Estes grandes projectos têm tudo a ver com logística, logística, logística - claro, entrelaçados com os outros três pilares fundamentais: energia e recursos energéticos, trabalho e produção, e regras de mercado/comércio. 

Vamos examinar um exemplo da Ásia Central. A Rússia e três “istões” da Ásia Central – Quirguizistão, Uzbequistão e Turquemenistão – estão a lançar um Corredor Multimodal de Transportes do Sul que irá contornar o Cazaquistão. 

Por que? Afinal de contas, o Cazaquistão, juntamente com a Rússia, é um membro chave tanto da União Económica da Eurásia (EAEU) como da Organização de Cooperação de Xangai (SCO). 

A razão é porque este novo corredor resolve dois problemas fundamentais para a Rússia que surgiram com a histeria das sanções do Ocidente. Ele contorna a fronteira do Cazaquistão, onde tudo que vai para a Rússia é examinado com detalhes excruciantes. E uma parte significativa da carga pode agora ser transferida para o porto russo de Astrakhan, no Cáspio. 

Assim, Astana, que sob pressão ocidental tem jogado um arriscado jogo de cobertura sobre a Rússia, pode acabar por perder o estatuto de centro de transportes de pleno direito na Ásia Central e na região do Mar Cáspio. O Cazaquistão também faz parte da BRI; os chineses já estão muito interessados ​​no potencial deste novo corredor.    

No Cáucaso, a história é ainda mais complexa e, mais uma vez, trata-se de dividir para governar. 

Há dois meses, a Rússia, o Irão e o Azerbaijão comprometeram-se a construir uma única ferrovia a partir do Irão e dos seus portos no Golfo Pérsico através do Azerbaijão, para ser ligada ao sistema ferroviário Rússia-Europa Oriental. 

Este é um projecto ferroviário à escala da Transiberiana – para ligar a Europa Oriental à África Oriental e ao Sul da Ásia, contornando o Canal de Suez e os portos europeus. O INSTC com esteróides, na verdade. 

Adivinhe o que aconteceu a seguir? Uma provocação em Nagorno-Karabakh , com o potencial mortal de envolver não só a Arménia e o Azerbaijão, mas também o Irão e a Turquia. 

Teerão tem sido absolutamente claro quanto às suas linhas vermelhas: nunca permitirá uma derrota da Arménia, com a participação directa da Turquia, que apoia totalmente o Azerbaijão.

A juntar à mistura incendiária estão os exercícios militares conjuntos com os EUA na Arménia – que por acaso é membro da CSTO liderada pela Rússia – considerados, para consumo público, como um daqueles programas de “parceria” da NATO aparentemente inocentes. 

Tudo isso revela uma subtrama do IMEC destinada a minar o INTSC. Tanto a Rússia como o Irão estão plenamente conscientes das fraquezas endémicas do primeiro: problemas políticos entre vários participantes, esses “elos perdidos” da via e todas as infra-estruturas importantes ainda por construir. 

O sultão turco Recep Tayyip Erdogan, por sua vez, nunca desistirá do corredor Zangezur através de Syunik, a província do sul da Arménia, que foi prevista pelo armistício de 2020, ligando o Azerbaijão a Turkiye através do enclave azeri de Nakhitchevan – que atravessará o território arménio. .

Baku ameaçou atacar o sul da Arménia se o corredor Zangezur não fosse facilitado por Yerevan. Portanto, Syunik é o próximo grande negócio não resolvido neste enigma. Teerão, deve notar-se, não fará nenhum esforço para evitar que um corredor turco-israelense-NATO isole o Irão da Arménia, da Geórgia, do Mar Negro e da Rússia. Essa seria a realidade se esta coligação com influência da NATO agarrasse Syunik. 

Hoje, Erdogan e o Presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, reúnem-se no enclave de Nakhchivan, entre Turkiye, Arménia e Irão, para iniciar um gasoduto e abrir um complexo de produção militar.   

O Sultão sabe que Zangezur poderá finalmente permitir que Turkiye se ligue à China através de um corredor que transitará pelo mundo turco, no Azerbaijão e no Cáspio. Isto também permitiria ao Ocidente colectivo ser ainda mais ousado na estratégia de dividir para governar contra a Rússia e o Irão. 

Será o IMEC outra fantasia ocidental absurda? O lugar para assistir é Syunik.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub