Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

12
Set23

Robôs da NATOstan versus os cavalos celestiais da multipolaridade

José Pacheco
Pepe Escobar

29 de agosto de 2023
 

Todo o Ocidente está esperando na sala da estação com cortinas pretas – e sem trens.

❗️Junte-se a nós no  Telegram ,  Twitter e  VK .

Todos precisaremos de muito tempo e introspecção para analisar toda a gama de vectores revolucionários desencadeados pela revelação do BRICS 11 na semana passada na África do Sul.

No entanto, o tempo não espera por ninguém. O Império irá (itálico meu) contra-atacar com força total; na verdade, os seus tentáculos multi-hidra da Guerra Híbrida já estão em exibição.

Aqui e aqui tentei dois rascunhos da História sobre o nascimento do BRICS 11. Essencialmente, o que a parceria estratégica Rússia-China está a realizar, um passo (gigante) de cada vez, é também multi-vetorial:

– expandir os BRICS numa aliança para lutar contra a falta de diplomacia dos EUA.

– combater a demência das sanções.

– promoção de alternativas ao SWIFT.

– promover a autonomia, a autossuficiência e instâncias de soberania.

– e num futuro próximo, integrar o BRICS 11 (e contando) com a Organização de Cooperação de Xangai (SCO) para combater as ameaças militares imperiais, algo já aludido pelo Presidente Lukashenko, o inventor do precioso neologismo “Global Global”.

Em contraste, o indispensável Michael Hudson tem mostrado constantemente como o “erro estratégico de auto-isolamento dos EUA e da UE do resto do mundo é tão grande, tão total, que os seus efeitos são equivalentes a uma guerra mundial”.

Daí a afirmação do Prof. Hudson de que a guerra por procuração na Ucrânia – não só contra a Rússia, mas também contra a Europa – “pode ser considerada como a Terceira Guerra Mundial”.

De várias maneiras, detalha o professor Hudson, estamos vivendo “uma conseqüência da Segunda Guerra Mundial, cujas consequências viram os Estados Unidos estabelecerem uma organização econômica e política internacional sob seu próprio controle para operar em seu próprio interesse nacional: o Fundo Monetário Internacional impor o controlo financeiro dos EUA e dolarizar a economia mundial; o Banco Mundial a emprestar dinheiro aos governos para suportarem os custos de infra-estruturas decorrentes da criação de dependência comercial dos produtos alimentares e industriais dos EUA; promoção da agricultura de plantação, controlo dos EUA/OTAN sobre o petróleo, a mineração e os recursos naturais; e agências das Nações Unidas sob controle dos EUA, com poder de veto em todas as organizações internacionais que criou ou aderiu.”

Agora é um jogo totalmente diferente quando se trata do Sul Global, ou Maioria Global, da emancipação real do “Global Global”. Basta considerarmos Moscovo como anfitriã da cimeira Rússia-África no final de Julho, depois Pequim, com Xi em pessoa, passando um dia na semana passada em Joanesburgo com dezenas de líderes africanos, todos eles parte do novo Movimento dos Não-Alinhados (MNA): o G77 (na verdade 134 nações), presidido por um cubano, o presidente Díaz-Canel.

Esta é a Dupla Hélice Rússia-China em vigor – oferecendo grandes áreas do “Global Global” de infra-estruturas de segurança e alta tecnologia (Rússia) e finanças, exportações de produtos manufacturados e infra-estruturas rodoviárias e ferroviárias (China).

Neste contexto, uma moeda BRICS não é necessária. O Prof. Hudson cita de forma crucial o Presidente Putin: o que é necessário é um “meio de liquidação” para os Bancos Centrais da sua balança de pagamentos, para manterem sob controlo os desequilíbrios no comércio e no investimento. Isto não tem nada a ver com uma moeda supranacional apoiada pelo ouro dos BRICS.

Além disso, não haverá necessidade de uma nova moeda de reserva, uma vez que cada vez mais nações abandonarão o dólar americano nos seus acordos.

Putin referiu-se a uma unidade contabilística “temporária” – uma vez que o comércio intra-BRICS 11 irá inevitavelmente expandir-se nas suas moedas nacionais. Tudo isto se desenvolverá no contexto de uma aliança cada vez mais esmagadora dos principais produtores de petróleo, gás, minerais, agricultura e matérias-primas: uma economia real (itálico meu) capaz de apoiar uma nova ordem global que empurra progressivamente o domínio ocidental para o esquecimento.

Chame isso de maneira suave de sacrificar a hegemonia.

Todos a bordo da narrativa da “China maligna”

Agora compare tudo o que foi dito acima com aquele pedaço de madeira norueguês se passando por secretário-geral da OTAN, dizendo ao jornal porta-voz da CIA em Washington, num momento único de franqueza, que a Guerra da Ucrânia “não começou em 2022. A guerra começou em 2014”. ”.

Portanto, aqui temos um vassalo imperial designado a admitir claramente que tudo começou com Maidan, o golpe arquitetado pelos EUA e supervisionado pela distribuidora de biscoitos Vicky “F**k the E” Nuland. Isto significa que a alegação da OTAN de uma “invasão” da Rússia, referindo-se à Operação Militar Especial (SMO) é absolutamente falsa do ponto de vista jurídico.

Está firmemente estabelecido que os “especialistas” propagandistas pagos da idiocracia atlantista, praticando uma mistura incomparável de arrogância/ignorância, acreditam que podem escapar impunes de qualquer coisa quando se trata de demonizar a Rússia. O mesmo se aplica à sua nova narrativa sobre a “China maligna”.

Os académicos chineses com quem tenho a honra de interagir têm sempre o prazer de salientar que as narrativas pop imperiais e a programação preditiva são absolutamente inúteis quando se trata de confrontar Zhong Hua (“A Esplêndida Civilização Central”).

Isso porque a China, como descreve um deles, é dotada de uma “oligarquia aristocrática lúcida, decidida e implacável à frente do Estado chinês”, utilizando ferramentas de poder que garantem, entre outras questões, a segurança pública e a higiene dos cidadãos. todos; a educação focada na aprendizagem de informações e habilidades úteis, e não na doutrinação; um sistema monetário sob controle; ativos físicos e capacidade industrial para fabricar coisas reais; redes diplomáticas, de cadeia de abastecimento, tecnocientíficas, económicas, culturais, comerciais, geoestratégicas e financeiras de primeira classe; e infraestrutura física de primeira classe.

E, no entanto, desde pelo menos 1990, a grande mídia ocidental está obcecada em ditar que o colapso económico da China, ou “aterragem forçada”, é iminente.

Absurdo. Nas palavras de outro académico chinês: “A estratégia da China tem sido deixar os cães adormecidos e as máquinas mentirosas mentirem. Enquanto isso, deixe a China superá-los durante o sono e causar o fim do Império.”

Venenos, vírus, microchips

E isso traz-nos de volta ao Novo Grande Jogo: OTAN-Stão contra o Mundo Multipolar. Não importa a evidência fornecida pela realidade gráfica, o NATOstão em modo seppuku avançado – especialmente o sector Europeu – acredita realmente que vencerá a guerra contra a Rússia-China.

Quanto ao Sul Global/Maioria Global/”Global Global”, eles são considerados inimigos. Portanto, as suas populações maioritariamente pobres deveriam ser envenenadas com fome, injecções experimentais, novos vírus modificados, microchips implantados como no BCI (Brain Computer Interface) e em breve na OTAN como equipamentos de “segurança” Global Robocop.

A chegada dos BRICS 11 já está a desencadear uma nova onda imperial de envenenamento mortal, novos vírus e ciborgues.

O mestre imperial emitiu a ordem para “salvar” a indústria japonesa de frutos do mar – algumas sobras como troca para Tóquio agir como um cão raivoso na guerra imperial de chips contra a China, e obedientemente prometendo aliança na recente cúpula de Camp David lado a lado com os vassalos sul-coreanos.

Os vassalos da UE, em sincronia, suspenderam as regras de importação de alimentos do Japão, no momento em que as águas residuais nucleares de Fukushima deveriam ser bombeadas para o oceano. Este é mais um exemplo de a UE continuar a cavar a sua própria sepultura – enquanto o Japão está prestes a sofrer uma reação negativa do tipo do tufão número dez.

A radiação espalhada por todo o mundo através do Pacífico criará inúmeros pacientes com cancro em todo o mundo e, simultaneamente, destruirá a economia de várias pequenas nações insulares que dependem fortemente do turismo.

Paralelamente, Sergey Glazyev, Ministro da Macroeconomia da Comissão Económica da Eurásia, parte da EAEU, tem sido um dos poucos alertadores sobre a nova fronteira transhumanista: a mania da Injecção de Nanotecnologia que se avizinha – algo bastante bem documentado em revistas científicas.

Citando o Dr. e células cerebrais. Tornamo-nos “um receptor, receptor e transmissor de sinais. O cérebro receberá sinais externos e você poderá ser manipulado remotamente.”

Glazyev também se refere à promoção já frenética de “Eris”, uma nova variedade Covid, batizada pela OMS em homenagem à deusa grega da discórdia e da inimizade, filha da deusa da noite, Nykta.

Aqueles familiarizados com a mitologia grega saberão que Éris ficou bastante zangada porque não foi convidada para o casamento de Peleu e Tétis. Sua vingança foi plantar na festa uma maçã dourada dos jardins das Hespérides com a inscrição “Mais Bela”: essa foi a lendária “maçã da discórdia”, que gerou a Mãe de Todas as Brigas entre Hera, Atena e Afrodite. E isso acabou levando a nada menos que a Guerra de Tróia.

Na Sala Branca, com cortinas pretas

É tão previsível, vindo daquelas “elites” que comandam o espetáculo, nomear um novo vírus como um prenúncio de guerra. Afinal de contas, a Próxima Guerra é extremamente necessária porque o Projecto Ucrânia revelou-se um enorme fracasso estratégico, com a humilhação cósmica da NATO ao virar da esquina.

Durante a Guerra do Vietname – que o império perdeu para um exército guerrilheiro camponês – o briefing diário no QG de comando em Saigão foi ridicularizado por todos os jornalistas com um QI acima da temperatura ambiente como as “loucuras de Saigão”.

Saigon nunca se compararia ao tsunami de loucuras diárias oferecidas na guerra por procuração na Ucrânia por um banquete espalhafatoso e móvel na Casa Branca, no Departamento de Estado, no Pentágono, na sede da NATO, na máquina Kafkiana de Bruxelas e noutros ambientes ocidentais. A diferença é que aqueles que hoje se fazem passar por “jornalistas” são cognitivamente incapazes de compreender que estas são “loucuras” – e mesmo que o fizessem, seriam impedidos de as reportar.

Então é aí que o Ocidente coletivo se encontra neste momento: num Quarto Branco, um simulacro da caverna de Platão retratada na obra-prima de Cream de 1968 , parcialmente inspirada em William Blake, invocando pálidos “cavalos prateados” e exaustos “tigres amarelos”.

Todo o Ocidente está esperando na sala da estação com cortinas pretas – e sem trens. Eles vão “dormir neste lugar com a multidão solitária” e “deitar-se no escuro onde as sombras fogem de si mesmas”.

Lá fora, no frio, a longa distância, sob a luz do sol, longe das sombras em movimento, através de estradas feitas de seda e ferro, os Cavalos Celestiais ( Tianma ) do mundo multipolar galopam galantemente de rede em rede, de Cinturão e Rota até a Eurásia e Ponte Afro-Eurásia, da intuição à integração, da emancipação à soberania.

03
Ago23

Vislumbres de um final de jogo na Ucrânia

José Pacheco
O presidente russo, Vladimir Putin (à direita), encontrou-se com o presidente da Bielo-Rússia, Alexander Lukashenko, São Petersburgo, 23 de julho de 2023

O problema com a guerra na Ucrânia é que tem sido só fumaça e espelhos. Os objetivos russos de “desmilitarização” e “desnazificação” da Ucrânia tinham um aspecto surreal. A narrativa ocidental de que a guerra é entre a Rússia e a Ucrânia, onde a questão central é o princípio vestfaliano de soberania nacional, se esgotou progressivamente deixando um vazio.

Há uma percepção hoje de que a guerra é na verdade entre a Rússia e a OTAN e que a Ucrânia deixou de ser um país soberano desde 2014, quando a CIA e agências ocidentais irmãs - Alemanha, Reino Unido, França, Suécia, etc. - instalaram um regime fantoche em Kiev. 

A névoa da guerra está se dissipando e as linhas de batalha estão se tornando visíveis. Em um nível autoritário, uma discussão franca está começando em relação ao final do jogo. 

Certamente, a videoconferência do presidente russo, Vladimir Putin, com os membros permanentes do Conselho de Segurança em Moscou na última sexta-feira e seu encontro com o presidente da Bielorrússia, Belarus, Alexander Lukashenko, em São Petersburgo, no domingo, tornaram-se o momento decisivo. As duas transcrições ficam lado a lado e precisam ser lidas juntas. ( aqui e aqui ) 

Não há dúvida de que os dois eventos foram cuidadosamente coreografados pelos funcionários do Kremlin e pretendiam transmitir várias mensagens. A Rússia exala confiança de que alcançou o domínio na frente de batalha - tendo derrotado os militares ucranianos e a "contra-ofensiva" de Kiev se movendo para o espelho retrovisor. Mas Moscou antecipa que o governo Biden pode ter um plano de guerra ainda maior em mente.   

Na reunião do Conselho de Segurança, Putin “desclassificou” os relatórios de inteligência que chegavam a Moscou de várias fontes, indicativos de movimentos para inserir na Ucrânia Ocidental uma força expedicionária polonesa. Putin a chamou de “uma unidade militar regular bem organizada e equipada para ser usada em operações” na Ucrânia Ocidental “para a subsequente ocupação desses territórios”. 

De fato, há uma longa história de revanchismo polonês. Putin, ele próprio um entusiasta estudante de história, falou longamente sobre isso. Ele parecia estóico ao dizer que se as autoridades de Kiev concordassem com esse plano polonês-americano, “como costumam fazer os traidores, isso é problema deles. Não vamos interferir.” 

Mas, acrescentou Putin, “a Bielorrússia faz parte do Estado da União, e lançar uma agressão contra a Bielorrússia significaria lançar uma agressão contra a Federação Russa. Vamos responder a isso com todos os recursos disponíveis para nós.” Putin alertou que o que está acontecendo “é um jogo extremamente perigoso, e os autores de tais planos devem pensar nas consequências”. 

No domingo, no encontro com Putin em São Petersburgo, Lukashenko retomou o assunto da discussão. Ele informou Putin sobre novas implantações polonesas perto da fronteira com a Bielorrússia – a apenas 40 km de Brest – e outros preparativos em andamento – a abertura de uma oficina para tanques Leopard na Polônia, a ativação de um aeródromo em Rzeszow na fronteira ucraniana (cerca de 100 km de Lvov) para uso de americanos transferindo armas, mercenários, etc. 

Lukashenko disse: “Isso é inaceitável para nós. A alienação da Ucrânia ocidental, o desmembramento da Ucrânia e a transferência de suas terras para a Polônia são inaceitáveis. Se as pessoas na Ucrânia Ocidental nos perguntarem, forneceremos suporte a elas. Peço a você [Putin] que discuta e pense sobre esse assunto. Naturalmente, gostaria que você nos apoiasse nesse sentido. Se surgir a necessidade de tal apoio, se a Ucrânia Ocidental nos pedir ajuda, forneceremos assistência e apoio às pessoas na Ucrânia Ocidental. Se isso acontecer, vamos apoiá-los de todas as maneiras possíveis”. 

Lukashenko continuou: “Peço a vocês que discutam esse assunto e pensem bem. Obviamente, gostaria que você nos apoiasse nesse sentido. Com esse apoio, e se a Ucrânia ocidental pedir essa ajuda, definitivamente forneceremos assistência e apoio à população ocidental da Ucrânia”. 

Como era de se esperar, Putin não respondeu - pelo menos não publicamente. Lukashenko caracterizou a intervenção polonesa como equivalente ao desmembramento da Ucrânia e sua “refeição em pedaços” absorvida pela OTAN. Lukashenko foi direto: “Isso é apoiado pelos americanos”. Curiosamente, ele também buscou o envio de caças Wagner para combater a ameaça à Bielo-Rússia.

O resultado final é que Putin e Lukashenko mantiveram tal discussão publicamente. Claramente, ambos falaram com base em   informações de inteligência. Eles antecipam um ponto de inflexão à frente. 

Uma coisa é que o povo russo está bem ciente de que seu país está de fato lutando contra a OTAN na Ucrânia. Mas é uma questão totalmente diferente que a guerra possa escalar dramaticamente para uma guerra com a Polônia, um exército da OTAN que os EUA consideram seu parceiro mais importante na Europa continental. 

Ao insistir um pouco no revanchismo polonês, que tem um histórico controverso na história da Europa moderna, Putin provavelmente calculou que na Europa, inclusive na Polônia, poderia haver resistência às maquinações que poderiam arrastar a OTAN para uma guerra continental com a Rússia.

Da mesma forma, a Polônia também deve estar hesitante. De acordo com o Politico, os militares da Polônia são cerca de 150.000 homens, dos quais 30.000 pertencem a uma nova força de defesa territorial que são “soldados de fim de semana que passam por 16 dias de treinamento seguidos de cursos de atualização”. 

Mais uma vez, o poderio militar da Polônia não se traduz em influência política na Europa porque as forças centristas que dominam a UE desconfiam de Varsóvia, que é controlada pelo partido nacionalista Lei e Justiça, cujo desrespeito às normas democráticas e ao estado de direito prejudicou a reputação da Polônia em todo o bloco.

Acima de tudo, a Polônia tem motivos para se preocupar com a confiabilidade de Washington. No futuro, a preocupação da liderança polonesa, paradoxalmente, será que Donald Trump não retorne como presidente em 2024. Apesar da cooperação com o Pentágono na guerra da Ucrânia, a atual liderança da Polônia continua desconfiada do presidente Joe Biden - assim como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban. 

Em suma, portanto, é lógico que o barulho de sabre de Lukashenko e a lição de Putin sobre a história europeia podem ser considerados mais como um aviso para o Ocidente com o objetivo de modular um final de jogo na Ucrânia que seja ideal para os interesses russos. Um desmembramento da Ucrânia ou uma expansão incontrolável da guerra além de suas fronteiras não será do interesse da Rússia. 

Mas a liderança do Kremlin levará em consideração a contingência de que as loucuras de Washington decorrentes de sua necessidade desesperada de salvar a face de uma derrota humilhante na guerra por procuração, podem não deixar escolha para as forças russas a não ser cruzar o Dnieper e avançar até a fronteira da Polônia para impedir a ocupação da Ucrânia Ocidental pelo chamado Triângulo de Lublin, uma aliança regional com orientação anti-russa virulenta compreendendo Polônia, Lituânia e Ucrânia, formada em julho de 2020 e promovida por Washington. 

Os encontros consecutivos de Putin em Moscou e São Petersburgo lançam luz sobre o pensamento russo quanto a três elementos-chave do jogo final na Ucrânia. Primeiro, a Rússia não tem intenções de conquista territorial da Ucrânia Ocidental, mas insistirá em ter uma palavra a dizer sobre como serão e agirão as novas fronteiras do país e o futuro regime, o que significa que um estado anti-russo não será permitido. 

Em segundo lugar, o plano do governo Biden de arrancar a vitória das garras da derrota na guerra é inviável, pois a Rússia não hesitará em se opor a qualquer tentativa contínua dos EUA e da OTAN de usar o território ucraniano como trampolim para travar uma nova guerra por procuração, o que significa que a absorção da Ucrânia pela OTAN continuará sendo uma fantasia. 

Em terceiro lugar, o mais importante, o exército russo endurecido pela batalha, apoiado por uma poderosa indústria de defesa e uma economia robusta, não hesitará em confrontar os países membros da OTAN que fazem fronteira com a Ucrânia se eles infringirem os interesses centrais da Rússia, o que significa que os interesses centrais da Rússia não serão reféns do Artigo 5 da Carta da OTAN. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub