Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

13
Dez22

Merkel fala sobre como os parceiros dos EUA e da OTAN planejaram a guerra na Ucrânia contra a Rússia

José Pacheco

Como revelam os comentários de Merkel, a mentalidade de guerra no Ocidente contra a Rússia existe há mais de uma década, se não mais.

Está ficando irrefutavelmente claro que os Estados Unidos e seus parceiros da OTAN planejam há muitos anos a atual guerra na Ucrânia contra a Rússia. Esse fato torna as perspectivas de paz ainda mais ilusórias. Como negociar com uma mentalidade tão profundamente investida e arraigada na beligerância?

Os governos ocidentais e a mídia acusam a Rússia de “agressão não provocada” contra a Ucrânia e estão clamando para que Moscou entregue compensações financeiras impressionantes, bem como enfrente processos por crimes de guerra.

A amarga ironia é que a guerra na Ucrânia, que está crescendo perigosamente e pode se transformar em um cataclismo nuclear, foi semeada pelos Estados Unidos e seus cúmplices. É o Ocidente que carrega a responsabilidade final por esta situação abismal, não a Rússia.

A ex-chanceler alemã Angela Merkel (2005-2021) é a mais recente fonte ocidental a confessar ou baixar a guarda. Ela revelou em uma entrevista recente ao Der Spiegel as verdadeiras raízes da guerra.

A revelação repreensível de Merkel é inadvertida. Ela se refere a apaziguar o regime ucraniano como uma forma de eventualmente aumentar sua força de combate contra a Rússia. Ela invoca esse raciocínio como uma forma de justificar por que ela se opôs à entrada da Ucrânia na aliança da OTAN em 2008. O fato de ser membro não foi errado, foi apenas uma questão de timing errado, de acordo com Merkel.

Como aponta o respeitado analista militar independente Scott Ritter , Merkel também sabia que o regime de Kiev instalado pelo golpe de Estado apoiado pela CIA em 2014 não estava interessado em uma resolução pacífica da guerra civil naquele país.

A política tácita em Berlim era toda sobre ganhar tempo para a agressão antecipada contra a Rússia. Isso apesar do fato de que a Alemanha, juntamente com a França, deveria ser a fiadora dos acordos de paz de Minsk negociados em 2014 e 2015.

Em outras palavras, a Ucrânia estava preparada para a guerra contra a Rússia de 2014 em diante.

A admissão de Merkel é, portanto, na verdade, uma confissão da duplicidade ocidental em relação à Rússia, como Ritter astutamente observa.

Quando o presidente russo, Vladimir Putin, ordenou a intervenção militar na Ucrânia em 24 de fevereiro deste ano, a ordem foi de força maior porque a ameaça ofensiva do regime de Kiev apoiado pela OTAN havia cruzado as linhas vermelhas da Rússia. Essas linhas vermelhas foram repetidamente transmitidas ao Ocidente por Moscou sem sucesso.

Assim, as alegações da mídia ocidental sobre a “agressão russa” são propaganda sobre as verdadeiras causas e responsabilidades pela guerra.

O chefe da OTAN, Jens Stoltenberg, e outros comandantes da OTAN também admitiram em várias ocasiões que o golpe em Kiev foi seguido pelo armamento maciço do regime pelos Estados Unidos e outras potências ocidentais.

Washington estava injetando bilhões de dólares em armas nas forças paramilitares neonazistas entre 2014 e 2022. Treinadores militares dos EUA, Grã-Bretanha, Canadá e outros membros da OTAN estavam no terreno na Ucrânia preparando suas cargas, mesmo enquanto essas forças bombardeavam e matavam russos. pessoas no Donbass. Isso não foi apenas casualidade ou associação infeliz. Foi uma preparação calculada para a guerra.

Essa perniciosa perspectiva está totalmente de acordo com a vanglória do ex-presidente ucraniano, Petro Poroshenko, no início deste ano, que disse que os acordos de Minsk nunca foram planejados para serem implementados, mas sim usados ​​cinicamente como um ponto de partida para consolidar forças ofensivas sub-repticiamente, a fim de eventualmente tomar o poder lutar para a Rússia.

Moscou pode ser criticada por dois motivos. Indiscutivelmente, deveria ter agido em um estágio anterior para proteger os territórios de Donbass. Esperar oito anos para fazer isso tornou a tarefa ainda mais difícil.

Em segundo lugar, é lamentável que Moscou tenha sido enganada – novamente – pelas promessas ocidentais. Todo o processo de paz de Minsk acabou sendo uma farsa que as potências ocidentais e seu povo de Kiev nunca respeitaram, apesar da retórica. Acontece que a Rússia foi a única parte que levou os acordos de Minsk a sério. E pagou um preço alto por comprar isso.

Alguém poderia pensar que a Rússia deveria ter aprendido sua lição com a forma como as promessas sobre a não expansão da OTAN foram descaradamente traídas. De “nem um centímetro” para o leste a 1.600 quilômetros em direção às fronteiras da Rússia, o atual confronto perigoso na Ucrânia é uma manifestação da traição sistemática e implacável mostrada por Washington e seus asseclas da OTAN.

A resposta entusiasmada liderada pelos EUA à intervenção da Rússia na Ucrânia, o reflexo da Guerra Total, a avalanche de armas do Ocidente, a sabotagem dos oleodutos Nord Stream e a prontidão para aumentar a violência - tudo indica que esta guerra estava pronta para vai.

A rejeição arrogante das preocupações estratégicas de segurança da Rússia e o afastamento de qualquer compromisso diplomático apontam para as potências ocidentais como estando em pé de guerra desde o início como uma mola enrolada.

Inconscientemente, parece haver um aumento gradual e deliberado nas provocações. Os Estados Unidos e seus aliados estão canalizando armas mais pesadas para a Ucrânia, que agora são capazes de atingir profundamente o território russo. Nesta semana, houve ataques de drones em bases aéreas de até 600 quilômetros dentro da Rússia, a partir da fronteira ucraniana. Um dos alvos em Ryazan fica a apenas 185 km de Moscou.

E, no entanto, oficiais de língua afiada de Washington afirmam que não estão encorajando a escalada do regime de Kiev. Isso depois de armar um regime desequilibrado e que odeia a Rússia até os dentes com armas de longo alcance.

Moscou é pega em uma contradição. Diz que as potências ocidentais estão participando diretamente das hostilidades. Se for esse o caso, então todas as apostas estão descartadas para a Rússia tomar uma ação militar contra ativos ocidentais. Se Moscou se abstiver, parecerá fraco.

O mais desconcertante é que o plano de guerra contra a Rússia é evidentemente um conceito endêmico que transcende os atuais detentores de cargos políticos ocidentais. Como revelam os comentários de Merkel, a mentalidade de guerra no Ocidente contra a Rússia existe há mais de uma década, se não mais. Como descrevemos no editorial da semana passada , a agenda anti-russa nos Estados Unidos e sua máquina de guerra da OTAN remonta ao final da Segunda Guerra Mundial.

Isso torna os desafios da política e da diplomacia ainda mais assustadores. Porque os Estados Unidos e seus asseclas não são ostensivamente capazes e talvez não estejam dispostos a negociar. Eles estão amarrados para a guerra.

12
Mar20

A diferença salarial entre homens e mulheres

José Pacheco

Agora que o 8 de março já passou, que as luzes dos holofotes se viraram para outros temas, poucos são os que persistem a falar no tema, até ao ano, em que as vedetas do costume se acotovelarão aparecer outra vez na primeira fila do combate à injustiça.

Entretanto a realidade mantém-se, é essa, Portugal é dos mais desaguai, acima da média europeia. É curioso o caso da Alemanha, o 2.º país mais desigual, apesar de ter uma mulher a chefiar o governo há 14 anos.

Repare-se também na posição do Reino Unido. De que serviram às mulheres os governos de Margaret Thatcher, a dama de ferro, durante mais de 10 anos?

ESabIFdUYAAP8MV.jfif

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub