Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

02
Nov22

Eles governam a ruína disfuncional, mas eles governam

José Pacheco
Alastair Crooke
 

Desde 2008, vivemos em um mundo ocidental moldado pelo 'estado permanente' ou por nossos tecnocratas gerenciais – rótulo à escolha.

Desde 2008, vivemos em um mundo ocidental moldado pelo 'estado permanente' ou por nossos tecnocratas gerenciais – rótulo à escolha.

Essa 'classe criativa' (como eles gostam de se ver) é particularmente definida por sua posição intermediária em relação à cabala oligárquica controladora da riqueza como senhores do dinheiro, por um lado, e a 'classe média' idiota abaixo deles - em quem eles zombam e zombam.

Essa classe intermediária não pretendia dominar a política (dizem); Simplesmente aconteceu. Inicialmente, o objetivo era promover valores progressistas. Mas, em vez disso, esses tecnocratas profissionais, que acumularam uma riqueza considerável e estavam fortemente reunidos em panelinhas nas grandes áreas metropolitanas dos Estados Unidos, passaram a dominar os partidos de esquerda em todo o mundo que antes eram veículos para a classe trabalhadora.

Aqueles que cobiçavam a adesão a essa nova 'aristocracia' cultivavam sua imagem de cosmopolita, dinheiro veloz, glamour, moda e cultura popular – o multiculturalismo lhes convinha à perfeição. Pintando-se como a consciência política de toda a sociedade (se não do mundo), a realidade era que seu Zeitgeist refletia principalmente os caprichos, preconceitos e cada vez mais psicopatias de um segmento da sociedade liberal.

Nesse ambiente chegaram dois eventos decisivos: em 2008, Ben Bernanke, presidente do Federal Reserve, reuniu após a crise financeira global, uma sala cheia dos oligarcas mais ricos, 'bloqueando-os' até encontrarem a solução ao desdobramento da falência sistêmica do banco.

Os oligarcas não encontraram uma solução, mas foram libertados de sua prisão de qualquer maneira. Em vez disso, optaram por jogar dinheiro em problemas estruturais, agravados por erros flagrantes de julgamento sobre o risco.

E para financiar as enormes perdas resultantes – que foram de mais de US$ 10 trilhões somente nos EUA – os bancos centrais do mundo começaram a imprimir dinheiro – desde quando nunca pararam!

Assim começou a era no Ocidente em que problemas profundos não são resolvidos, mas simplesmente dinheiro recém-impresso é jogado neles. Essa metodologia também foi adotada com entusiasmo pela UE, onde foi chamada de Merkelismo (em homenagem ao ex-chanceler alemão). As contradições estruturais subjacentes foram simplesmente deixadas para acumular; chutou na estrada.

Uma segunda característica definidora dessa época foi que, à medida que os grandes oligarcas se retiraram da produção industrial e se lançaram na hiperfinanciarização, eles viram vantagem em adotar a crescente agenda da Metro-Élite centrada em ideais utópicos de diversidade, identidade e justiça racial – ideais perseguidos com o fervor de uma ideologia abstrata e milenar. (Seus líderes não tinham quase nada a dizer sobre pobreza ou desemprego, o que convinha perfeitamente aos oligarcas).

Assim, espionando a vantagem, os oligarcas também se radicalizaram. Liderados por Rockefeller e Ford Foundations, Big Philanthropy and Business, eles adotaram o discurso acordado e códigos de pensamento. E endossou colocar a riqueza diretamente nas mãos daqueles que foram sistematicamente vitimizados, ao longo da história. Mas, novamente, a mudança estrutural profunda na sociedade foi abordada superficialmente – como simplesmente mover dinheiro de 'um bolso para outro'.

O verdadeiro problema resultante da crise de 2008, no entanto, não foi essencialmente financeiro. Sim, as perdas foram transferidas dos balanços das instituições falidas para os do Fed, mas os problemas estruturais reais nunca foram resolvidos. Assim, as pessoas logo acreditaram que quase todos os problemas poderiam ser resolvidos por códigos de fala e pensamento – casados ​​com a imprensa.

Os trade-offs políticos deixaram de ser considerados um requisito. Os custos não são mais relevantes. Nesse ambiente, nenhum problema era grande demais para ser resolvido por meio de técnicas de gestão comportamental e do banco central. E se não houvesse uma crise para ordenar e 'liquidar' a mudança de agenda, então uma poderia ser inventada. E, com certeza, assim que o Fed dos EUA começou a retornar às políticas 'normais' em 2018 e 2019, uma nova crise ainda maior foi encontrada.

Não surpreendentemente, no contexto do que foi visto como reformas fracassadas dos Direitos Civis e do New Deal, os movimentos ativistas financiados pelos 'fundos de riqueza' oligárquicos se tornaram mais radicais. Eles adotaram um ativismo cultural revolucionário implantado para “resolver os problemas de uma vez por todas” – visando provocar mudanças estruturais profundas na sociedade.

Isso significava deslocar o poder mais uma vez para longe da classe média liberal 'que muitas vezes era branca e masculina' – e, portanto, fazia parte da injustiça estrutural da sociedade. Simplificando, a classe média ocidental passou a ser vista pelos tecnocratas como uma dor nas costas.

O ponto aqui é que o que faltou em toda a conversa sobre caminhos de 'discriminação positiva' em favor de 'vítimas' era o outro lado da moeda: discriminação prejudicial negativa praticada contra aqueles 'bloqueando o caminho' - aqueles que não conseguem sair do caminho.

O Manifesto Revivalista de Scott McKay chama esse processo discriminatório hostil de 'fracasso do governo armado' – como a disfuncionalidade induzida do governo nas cidades dos EUA para expulsar a classe média. “'Voo branco' é um recurso. Não é bicho”, pregaram seus defensores. A esquerda socialista urbana quer um núcleo manejável de moradores ricos e uma massa fervilhante de pobres e flexíveis, e nada no meio. É isso que o fracasso governamental armado produz, e tem sido um sucesso em larga escala.

Nova Orleans vota 90% nos democratas; Filadélfia é 80% democrata; Chicago é de 85 por cento. Los Angeles? Setenta e um por cento. Nenhuma dessas cidades terá um prefeito republicano ou conselho municipal novamente, ou pelo menos não em um futuro próximo. O Partido Democrata mal existe fora das ruínas que essas máquinas urbanas produzem.

A mensagem maior é que a 'disfuncionalidade induzida' pode produzir uma sociedade que pode ser governada (complacente através de desagrado e mágoa) – sem ter que governá-la (ou seja, fazer as coisas funcionarem!).

Este processo também é evidente na UE hoje. A UE está em crise porque fez uma confusão com sua governança em relação às sanções à energia russa. A classe de liderança pensou que os efeitos das sanções da UE à Rússia seriam 'slam dunk': a Rússia desistiria em semanas e tudo voltaria como era antes. As coisas voltariam ao 'normal'. Em vez disso, a Europa enfrenta um colapso.

No entanto, alguns líderes na Europa – fanáticos pela Agenda Verde – seguem uma abordagem paralela à dos EUA – de “fracasso armado”, concebido como um ativo estratégico para alcançar os objetivos Green Net Zero.

Porque … força suas sociedades a adotar a desindustrialização; aceitar o monitoramento da pegada de carbono e a Transição Verde – e arcar com seus custos. Yellen e alguns líderes da UE comemoraram a dor financeira como aceleração da Transição, gostemos ou não, mesmo que isso o empurre para fora do emprego, para a margem da sociedade. Aeroportos europeus disfuncionais são um exemplo para desencorajar os europeus de viajar e aumentar a carga de carbono!

Simplificando, essa é outra característica nociva que surgiu com a 'virada' de 2008. A sociopatia refere-se a um padrão de comportamentos e atitudes anti-sociais, incluindo manipulação, engano, agressão e falta de empatia pelos outros que equivale a transtorno mental. A característica definidora do sociopata é uma profunda falta de consciência - uma amoralidade, no entanto, que pode ser ocultada por um comportamento exteriormente encantador.

'Incentivar'-nos à conformidade através do custo, ou tornar a vida intolerável, é a nova maneira de governar. Mas nosso mundo está se fragmentando rapidamente em zonas de 'velho normal' e piscinas circundantes de desintegração.

O que nos leva à grande questão: como o Ocidente contorna o fracasso econômico sistêmico novamente, por que não reunir os oligarcas bilionários, como em 2008, e trancá-los em uma sala, até que encontrem uma solução?

Sim, os oligarcas podem se ter em alta conta (ser tão ricos), mas seu último esforço não deu solução, mas foi um exercício de autopreservação, alcançado através do lançamento de dinheiro recém-impresso em amplos problemas estruturais, facilitando assim a transição de seus impérios em sua nova identidade financeirizada.

No entanto, algo parece ter mudado por volta de 2015-2016 – uma reação começou. Este último não se origina de oligarcas, mas de certos setores do sistema americano que temem as consequências, caso a dependência psicológica em massa da impressão de cada vez mais dinheiro não seja abordada. O medo deles é que o deslizamento para o conflito social, à medida que as distorções de riqueza e bem-estar explodem, se torne imparável.

O Fed, no entanto, pode estar tentando implementar uma demolição contrária e controlada da economia-bolha dos EUA por meio de aumentos nas taxas de juros. Os aumentos das taxas não vão matar o 'dragão' da inflação (eles precisariam ser muito mais altos para fazer isso). O objetivo é quebrar um 'hábito de dependência' generalizado em dinheiro grátis.

A única pergunta dos participantes do mercado em todos os lugares é quando o Fed gira (de volta à 'impressão')... quando? Eles querem sua 'correção' e querem isso rapidamente.

Muitos são 'dependentes': o Administrador Biden precisa disso; a UE depende dele; a Redefinição requer impressão. Verde requer impressão; o suporte para o 'Camelot' ucraniano requer impressão. O Complexo Industrial Militar também precisa. Todos precisam de uma 'correção' em dinheiro grátis.

Talvez o Fed possa quebrar a dependência psicológica ao longo do tempo, mas a tarefa não deve ser subestimada. Como disse um estrategista de mercado: “O novo ambiente operacional é totalmente estranho para qualquer investidor vivo hoje. Então, devemos nos desancorar de um passado que 'não é mais' – e prosseguir com a mente aberta”.

Esse período de taxas zero, inflação zero e QE foi uma anomalia histórica – absolutamente extraordinária. E está acabando (para melhor ou para pior).

Um pequeno 'círculo interno' do Fed pode ter uma boa compreensão do que o novo ambiente operacional significará, mas qualquer implementação detalhada simplesmente não pode se estender fielmente por uma longa cadeia de comando orientada para o paradigma inverso de 'Crescimento', pedindo 'pivô'. Quantas das pessoas atualmente envolvidas com essa transição compreendem toda a sua complexidade? Quantos concordam com isso?

O que pode dar errado? Começar a mudança no topo é uma coisa. No entanto, a cura para a 'disfuncionalidade da governança induzida' como uma estratégia operacional em um 'estado permanente' composta por sociopatas Cold Warriors e tecnocratas selecionados para conformidade não é óbvia. O mais sociopata pode dizer ao público americano F***-se! Eles pretendem 'governar' – arruinar ou não.

04
Mar22

Von der Leyen e os ladrões

José Pacheco

Ursula Von der Leyen, afirmou que as sanções abrangeriam igualmente «a elite russa, restringindo os depósitos para que não possam continuar a esconder o seu dinheiro em portos seguros na Europa».

Esta frase significa desde logo que a UE sabe que as elites russas roubavam o povo russo e que escondem o produto desse roubo nos países ocidentais. Sabe e era cúmplice desse processo, pois se agora o proíbe é porque sempre o pode proibir, mas nunca tal lhe interessou. 

 

Continuar a ler

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub