Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

10
Mai22

Aux armes, citoyens: dissecando as eleições francesas encenadas

José Pacheco

A segunda presidência de Macron foi tão calculadamente administrada pela elite liberal da França quanto a primeira. À medida que as cismas econômicas e geográficas do país aumentam ainda mais, os protestos dos Coletes Amarelos de ontem parecerão uma festa do chá em comparação.

No final, aconteceu exatamente como o estabelecimento francês projetou. Falei sobre isso em dezembro passado em uma coluna aqui no The Cradle .

Estes são os fundamentos: Eric Zemmour, um árabe-fóbico certificado, de origem argelina, foi fabricado por importantes atores do establishment da variedade do Institut Montaigne para eliminar a candidatura populista de direita de Marine Le Pen. No final, o desempenho eleitoral de Zemmour foi desanimador, como esperado. Ainda outro candidato fez uma intervenção milagrosa e foi ainda mais útil: o ambicioso oportunista egomaníaco e o chamado progressista Jean-Luc Melenchon.

'Le Petit Roi' Emmanuel Macron gera menos de zero empatia em toda a França. Isso explica a enorme abstenção de 28% dos eleitores no segundo turno.

Os números contam a história: há 48.803.175 cidadãos franceses registrados para votar. Macron obteve 18.779.809 votos. Marine Le Pen obteve 13.297.728 votos. No entanto, o desempenho mais surpreendente foi do candidato Abstenção/Anulação/Em branco: 16.674.963 votos.

Assim, o presidente da França foi reeleito por 38,5% dos eleitores, enquanto o segundo lugar real, Absention/Nullified/Blank obteve 34,2%.

Isso implica que cerca de 42% dos eleitores franceses registrados se preocuparam em ir às urnas basicamente para barrar Le Pen: uma marca que permanece tóxica em vastas áreas da França urbana – mas dificilmente tanto quanto antes – e mesmo com todo o peso da grande mídia oligárquica. envolvido no modo de campanha Two Minute Hate. As cinco oligarquias que dirigem a chamada 'paisagem audiovisual' (PAF, segundo a sigla francesa) de mensagens de campanha são todas macronistas.

Madame Guilhotine encontra as classes trabalhadoras

Quem, de fato, é esse Petit Roi ilusionista que se qualifica, na melhor das hipóteses, como um mensageiro da plutocracia transnacional?

Das entranhas do sistema, sem dúvida o veredicto mais contundente vem de Mathieu Pigasse, informalmente referido em Paris como “o banqueiro punk” por causa de sua paixão pela banda britânica de punk-rock The Clash.

Quando Macron era um banqueiro de fusões e aquisições na Rothschild & Company, Pigasse trabalhava para a oposição, Lazard Freres. Foi Macron quem convenceu os interesses da Nestlé a serem administrados por Rothschild, enquanto Pigasse representava a Danone.

Pigasse também é um dos principais acionistas do Le Monde – que costumava ser um grande jornal até a década de 1980 e agora é uma cópia rasa do New York Times. O Le Monde é macronista até o âmago.

Pigasse define Macron como “o produto mais puro do elitismo francês, em termos do microcosmo parisiense”. Embora Macron seja um provinciano de Amiens, ele se encaixa perfeitamente no beau monde parisiense , que é em si um universo bastante rarefeito, e sim, igualmente provinciano, como uma aldeia onde todo mundo 'que importa' conhece todo mundo.

Pigasse também identifica os personagens do establishment que inventaram Macron e o colocaram no topo da pirâmide – desde o eugenista declarado Jacques Attali a Serge Weinberg (ex-CEO da Sanofi), François Roussely (ex-presidente da EDF) e Jean-Pierre Jouyet , ex-ministro do desonrado ex-presidente Nicolas Sarkozy e depois número dois no Palácio do Eliseu sob o supremamente incompetente François Hollande.

Attali, aliás, descreve o macronismo como uma “modernização pró-europeia, engajada, liberal e otimista. Isso corresponde a um centro-direita da França moderna” – e então o próprio Attali entrega o jogo – “que não é necessariamente toda a França”.

“Não necessariamente toda a França” na verdade significa a maioria da França, se nos preocuparmos em deixar alguns arrondissements de Paris para falar com pessoas em Pas-de-Calais, Bourgogne ou Var. Essa França 'real' identifica a “economia social de mercado” exaltada por Attali e promovida por Macron como uma gigantesca farsa.

Seria muito fácil pintar a atual divisão nacional entre, de um lado, os idosos e os muito jovens com diploma, vivendo com conforto; e, do outro lado, os de 25 a 60 anos, sem ensino superior e mal conseguindo sobreviver. Ou seja, as massas da classe trabalhadora.

É mais matizado do que isso. Ainda assim, os dois fatores mais importantes nesta eleição são que cerca de um terço dos eleitores nem se deu ao trabalho de aparecer – ou anulou seu voto (mesmo aqui em Paris). E que a horda crédula de Melenchon a entregou a Le Petit Roi, assumindo que seu líder se tornaria um 'primeiro-ministro' de fato.

As classes trabalhadoras serão literalmente exterminadas ao longo de mais cinco anos de neoliberalismo hardcore. O sistema de bem-estar social da França, até recentemente estelar, será dizimado. A idade de aposentadoria será estendida para 65 anos. Pensões menores mal darão para viver. Os super-ricos pagarão impostos muito mais baixos, enquanto o trabalhador comum pagará impostos muito mais altos. A educação e a saúde serão privatizadas.

A França alegremente alcançará o capitalismo de cassino em rápida decadência dos EUA e do Reino Unido. E não se esqueça de outras restrições de viagem e escassez de alimentos e combustível.

A islamofobia não se dissolverá em um arco-íris suave. Pelo contrário: será instrumentalizado como o bode expiatório perfeito para a incompetência e a corrupção macronistas em série.

Enquanto isso, em Azovstal…

Se somarmos o desempenho espetacular do candidato Absention/Nullifed/Blank mais as pessoas que nem se deram ao trabalho de votar, temos algo como uma maioria silenciosa de 30 milhões de pessoas que instintivamente sentem que todo o sistema está manipulado.

Os vencedores, é claro, são os suspeitos de sempre: o eixo BlackRock/McKinsey/Great Reset/indústria de armas/euroNazicrat. A McKinsey praticamente administra a política do governo francês – beirando a fraude fiscal  – um escândalo que a mídia corporativa fez de tudo para enterrar. De sua parte, o CEO da Blackrock, Larry Fink, um 'consultor' muito próximo do Palácio do Eliseu, deve ter estourado algumas garrafas extras de Krug.

E então, há a França como Grande Potência. Líder de grandes porções da África (frescos de receber um soco nos dentes do Mali); Líder da Ásia Ocidental (pergunte aos sírios e libaneses sobre isso); Líder da Grande Reinicialização da UE; E profundamente enraizado na máquina de guerra da OTAN.

O que nos leva ao topo da história invisível antes desta eleição, totalmente soterrada pela mídia corporativa. No entanto , a inteligência turca  pegou. Os russos, por sua vez, mantiveram-se deliciosamente mudos, em seu modo de 'ambiguidade estratégica' marca registrada.

Denis Pushilin, chefe da República Popular de Donetsk, confirmou mais uma vez no início desta semana que há cerca de 400 'instrutores' estrangeiros e mercenários - da OTAN - amontoados nas entranhas da siderúrgica Azovstal em Mariupol, sem saída.

A inteligência turca sustenta que 50 deles são franceses, alguns deles de alto escalão. Isso explica o que foi estabelecido por várias fontes russas – mas não reconhecido por Paris: Macron fez uma enxurrada de telefonemas frenéticos para Putin para criar um “corredor humanitário” para libertar seus valiosos ativos.

A resposta medida da Rússia tem sido – mais uma vez – a marca registrada do judô geopolítico. Nenhum “corredor humanitário” para ninguém em Azovstal, sejam neonazistas Azov ou seus manipuladores estrangeiros da OTAN, e nenhum bombardeio até o esquecimento. Deixe-os morrer de fome – e no final eles serão forçados a se render.

Digite a diretiva Macron ainda não confirmada, mas plausível: nenhuma rendição por qualquer meio. Porque render-se significa entregar a Moscou em uma bandeja de prata uma série de confissões e todos os fatos de uma operação ilegal e secreta conduzida pelo 'líder da Europa' em nome dos neonazistas.

Todas as apostas são canceladas quando – e se – a história completa for lançada na França. Também pode acontecer durante o próximo tribunal de crimes de guerra a ser criado provavelmente em Donetsk.

Aux armes, citoyens? Bem, eles têm cinco anos no caminho para atacar as barricadas. Pode acontecer mais cedo do que pensamos.

 

26 de abril de 2022

06
Mai18

Os Gastos Militares no Mundo

José Pacheco

 

dm1.png

 

Em 2017, as despesas militares voltaram a aumentar, segundo o SIPRI, atingiram os 1739 biliões de dólares, representando 2,2% do Produto Interno Bruto Mundial, ou 230 dólares por cada habitante dos mais de 7500 milhões que o mundo tem.

Os países com maior orçamento militar são:

1.º

Estados Unidos da América

610 mil milhões de dólares

2.º

China

228 mil milhões de dólares

3.º

Arábia Saudita

69,4 mil milhões de dólares

4.º

Rússia

66,3 mil milhões de dólares

5.º

Índia

63,9 mil milhões de dólares

6.º

França

57,8 mil milhões de dólares

7.º

Reino Unido

47,2 mil milhões de dólares

8.º

Alemanha

44,3 mil milhões de dólares

Como se observa, os gastos militares dos EUA, além de serem os maiores do mundo, superam as despesas conjuntas dos outros sete países que os seguem.

No que se refere a blocos militares, a Nato, com 29 países, é senhora das maiores despesas militares mundiais, 900 mil milhões de dólares, mais de metade (52%) do total mundial.

Ao nível dos países, é da China o maior acréscimo absoluto em 2017, um montante de 12 mil milhões de dólares, a preços de 2016. Mantendo-se no segundo lugar a nível mundial, longe dos EUA, os gastos militares da China representam 13% do total, quase três vezes mais do que eram em 2008 – 5,8% do global.

Do lado contrário, destaca-se a Rússia, que diminuiu sensivelmente o seu orçamento militar relativamente a 2016, menos 13,9 mil milhões de dólares, uma quebra de 20%, sendo o país que mais emagreceu o orçamento militar.

 

dm.png

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub