Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

27
Abr19

Os eleitores descobriram a imortalidade.

Albertino Ferreira

Em Portugal (2017), os eleitores registados somados ao número de jovens com menos de 15 anos superam o total da população residente; A diferença seria ainda maior se fosse considerado o número de jovens com 15 ou mais anos e menos de 18 anos.

Mesmo considerando que nem todos os eleitores estão incluídos na população total (emigrantes) não se foge da conclusão de que os eleitores realizam o sonho da imortalidade; as pessoas morrem, os eleitores não.

 

1eleitores.png

 

eleitores.png

É óbvio que os cadernos eleitorais não são atualizados como deviam ser... E isso pode dar azo ao que não se quer acreditar que possa acontecer.

 

28
Dez18

O Macron enche a barriga de impostos e quer mais

Albertino Ferreira

Daí muitos dos problemas que se vivem em França nestes dias. Muitos impostos e poucos benefícios para o povo francês.

As receitas do Estado Português também são significativas - 36,9% do PIB; como, em 2017, o PIB foi de 194.613,5 milhões de € (Pordata), os portugueses pagaram de impostos e contribuições para as seguranças sociais qualquer coisa como 71 812,4 milhões de €. Uma pipa de massa. Quem é que está a beber? 

Para os portugueses devem sobrar apenas umas pinguitas, não os copos cheios, (para onde vão?), ou então não se compreende o clamor de descontentamento que atravessa o país.

 

DtL5GCvXgAMl8lv.jpg

 

 

25
Jul18

Proteção Social

Albertino Ferreira
18
Jul18

De onde sai e para onde vai o dinheiro

Albertino Ferreira

"As despesas com saúde, educação e cultura (quadro 1) têm seguido uma tendência decrescente, que traduz uma opção política clara e que assenta na perspectiva neoliberal de degradação do serviço público com a intenção mais ou menos declarada de privatização e mercantilização, particularmente agravadas no caso da educação e da cultura...

Essa tendência decrescente dos valores disponíveis para estes serviços fundamentais ocorre em sistemas já profundamente depauperados, com carências graves por força de um subfinanciamento estrutural e crónico, o que coloca os serviços de educação, saúde e cultura muitas vezes próximos da inoperância ou em ruptura real."

 

serv.png

 

"Podemos analisar como os salários da administração pública acompanham a tendência decrescente do financiamento dos serviços.

Mas, nesse mesmo quadro, podemos observar a tendência contrária na coluna correspondente a «juros e outros encargos».

Enquanto nos últimos 10 anos a despesa com pessoal na administração pública decresce 5 mil milhões de euros, a despesa com juros e encargos da dívida cresce 3 mil milhões." Miguel Tiago

 

serv1.png

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D