Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

12
Jan23

Objetivo Estratégico dos EUA: Quebrar e Desmembrar a Rússia; Ou manter a hegemonia do dólar americano? Ou um 'Ambos' confuso?

José Pacheco
Alastair Crooke 9 de janeiro de 2023
 

O Ocidente não pode renunciar ao sentido de si mesmo no centro do Universo, embora não mais no sentido racial, escreve Alastair Crooke.

Um objetivo estratégico exigiria um propósito unitário que pudesse ser delineado sucintamente. Além disso, exigiria uma clareza convincente sobre os meios pelos quais o objetivo seria alcançado e uma visão coerente sobre como seria realmente um resultado bem-sucedido.

Winston Churchill descreveu o objetivo da Segunda Guerra Mundial como a destruição da Alemanha. Mas isso era 'platitude' e nenhuma estratégia. Por que a Alemanha seria destruída? Que interesse teve a destruição de um parceiro comercial tão importante? Foi para salvar o sistema comercial imperial? Este último faliu (depois de 'Suez') e a Alemanha entrou em profunda recessão. Então, qual era o resultado final pretendido? A certa altura, uma Alemanha completamente desindustrializada e pastoralizada foi postulada como o (improvável) fim do jogo.

Churchill optou pela retórica e pela ambiguidade.

O mundo de língua inglesa hoje é mais claro sobre seus objetivos estratégicos com a guerra contra a Rússia do que naquela época? Sua estratégia é realmente destruir e desmembrar a Rússia? Em caso afirmativo, com que finalidade precisa (como 'o salto' para a guerra contra a China?). E como a destruição da Rússia – uma grande potência terrestre – será realizada por estados cujas forças são principalmente o poder naval e aéreo? E o que se seguiria? Uma Torre de Babel de estados asiáticos conflitantes?

A destruição da Alemanha (uma antiga potência cultural dominante) foi um floreio retórico de Churchill (bom para o moral), mas não uma estratégia. No final, foi a Rússia que fez a intervenção decisiva na Segunda Guerra. E a Grã-Bretanha terminou a guerra financeiramente falida (com enormes dívidas) – uma dependência e refém de Washington.

Naquela época, como agora, havia objetivos confusos e conflitantes: desde a era da guerra dos Bôeres, o establishment britânico temia perder sua "jóia da coroa" do comércio dos recursos naturais do Oriente para a putativa ambição da Alemanha de se tornar um comerciante 'Império'.

Em suma, o objetivo da Grã-Bretanha era a manutenção da hegemonia sobre as matérias-primas derivadas do Império (um terço do globo), que então travavam a primazia econômica da Grã-Bretanha. Esta foi a consideração primordial dentro daquele círculo interno de pensadores do Establishment – ​​juntamente com a intenção de alistar os EUA no conflito.

Hoje vivemos um narcisismo que eclipsou o pensamento estratégico: o Ocidente não pode renunciar ao sentido de si mesmo no centro do Universo (embora não mais no sentido racial, mas através de sua substituição por políticas de vítimas que exigem infinitas reparações, como sua reivindicação de primado moral).

No entanto, no fundo, o objetivo estratégico da atual guerra liderada pelos EUA contra a Rússia é manter a hegemonia do dólar americano – atingindo assim uma nota ressonante com a luta da Grã-Bretanha para manter sua lucrativa primazia sobre muitos dos recursos mundiais, tanto quanto para explodir a Rússia como um concorrente político. A questão é que esses dois objetivos não se sobrepõem – mas podem seguir direções diferentes.

Churchill também perseguiu duas 'aspirações' bastante divergentes – e, em retrospecto, não alcançou nenhuma. A guerra com a Alemanha não consolidou o domínio da Grã-Bretanha sobre os recursos globais; em vez disso, com a Europa continental em ruínas, Londres se abriu para que os EUA destruíssem e, em seguida, assumissem para si seu antigo império, como principal consequência de o Reino Unido se tornar um empobrecido devedor de guerra.

Aqui hoje, estamos no ponto de inflexão (a menos de uma guerra nuclear, que nenhuma das partes deseja), que a Ucrânia não pode 'vencer'. Na melhor das hipóteses, Kiev pode montar operações periódicas de sabotagem do tipo forças especiais dentro da Rússia que têm um impacto desproporcional na mídia. No entanto, essas ações esporádicas não alteram o equilíbrio militar estratégico que agora é esmagadoramente pendendo para a vantagem da Rússia.

Como tal, a Rússia imporá os termos da derrota ucraniana – o que quer que isso signifique em termos de geografia e estrutura política. Não há nada para discutir com os 'colegas' ocidentais. Essa 'ponte' foi queimada quando Angel Merkel e François Hollande admitiram que a estratégia ocidental da 'revolução' de Maidan em diante – e incluindo os Acordos de Minsk – era uma simulação para mascarar os preparativos da OTAN para uma guerra por procuração contra a Rússia.

Agora que esse subterfúgio está aberto, o Ocidente tem sua guerra por procuração liderada pela OTAN; mas as sequelas desses enganos são que o Coletivo Putin e o povo russo agora entendem que um fim negociado para o conflito está fora de questão: Minsk agora é 'águas passadas'. E como o Ocidente se recusa a entender a essência da Ucrânia como uma guerra civil latente que eles deliberadamente iniciaram por meio de sua ávida defesa do nacionalismo anti-russo "ultrapassado", a Ucrânia agora representa um gênio que há muito escapou de sua garrafa.

Como o Ocidente brinca com uma guerra por procuração "para sempre" contra a Rússia, não tem nenhuma vantagem estratégica clara para montar tal curso de atrito. A base de armas industrial militar ocidental está esgotada. E a Ucrânia teve uma hemorragia de homens, armamentos, infraestrutura e recursos financeiros.

Sim, a OTAN pode montar uma força expedicionária da OTAN – uma 'coalizão de voluntários' no oeste da Ucrânia. Essa força pode se sair bem (ou não), mas não prevalecerá. Qual seria, portanto, o ponto? O 'humpty dumpty' ucraniano já caiu de sua parede e está em pedaços.

Por seu controle total das plataformas de mídia e tecnologia, o Ocidente pode impedir que suas populações saibam até que ponto o poder e as pretensões ocidentais foram perfurados por mais algum tempo. Mas para quê? A dinâmica global resultante – os fatos da esfera da batalha – acabará por 'falar' mais alto.

Então, Washington começará a preparar o público? (ou seja, a fraqueza ocidental de John Bolton ainda poderia permitir que Putin arrebatasse a vitória das garras da derrota ) repetindo a narrativa neocon sobre o Vietnã: 'Teríamos vencido se o Ocidente tivesse mostrado a força de sua determinação'. E então rapidamente 'seguir em frente' da Ucrânia, deixando a história desaparecer? Pode ser.

Mas a destruição da Rússia sempre foi o principal objetivo estratégico dos EUA? O objetivo não é – ao contrário – garantir a sobrevivência das estruturas financeiras e militares associadas, tanto americanas quanto internacionais, que permitem enormes lucros e a transferência de economias globais para os “Borg” de segurança ocidental? Ou, simplesmente, a preservação do domínio da hegemonia financeira dos EUA.

Como escreve Oleg Nesterenko , “essa sobrevivência é simplesmente impossível sem a dominação mundial militar-econômica ou, mais precisamente, militar-financeira. O conceito de sobrevivência às custas da dominação mundial foi claramente articulado no final da Guerra Fria por Paul Wolfowitz, o Subsecretário de Defesa dos Estados Unidos, em sua chamada Doutrina Wolfowitz, que via os Estados Unidos como a única superpotência remanescente no o mundo e cujo principal objetivo era manter esse status: “impedir o reaparecimento de um novo rival, seja na ex-União Soviética ou em qualquer outro lugar, que seja uma ameaça à ordem anteriormente representada pela União Soviética””.

O ponto aqui é que, embora a lógica da situação pareça exigir um pivô dos EUA de uma guerra invencível na Ucrânia para um 'movimento' para outra 'ameaça', na prática o cálculo é provavelmente mais complicado.

O célebre estrategista militar Clausewitz fez uma clara distinção entre o que hoje chamamos de 'guerras de escolha' e o que este último denominou 'guerras de decisão' – sendo estas últimas conflitos existenciais, por sua definição.

A guerra na Ucrânia geralmente é considerada como pertencente à primeira categoria de 'uma guerra de escolha'. Mas isso está certo? Os eventos se desenrolaram longe do esperado na Casa Branca. A economia russa não entrou em colapso – como presunçosamente previsto. O apoio do presidente Putin é alto em 81%; e a Rússia coletiva se consolidou em torno dos objetivos estratégicos mais amplos da Rússia. Além disso, a Rússia não está isolada globalmente.

Essencialmente, a Equipe Biden pode ter se entregado a um pensamento preconceituoso – projetando na Rússia muito diferente e culturalmente ortodoxa de hoje, opiniões que eles formaram durante a era anterior da União Soviética.

Pode ser que o cálculo da equipe Biden tenha mudado com a compreensão crescente desses resultados imprevistos. E especialmente, a exposição do desafio militar americano e da OTAN como sendo inferior à sua reputação?

Esse foi um medo que Biden realmente expôs em sua reunião na Casa Branca durante a visita de Zelensky antes do Natal. A OTAN sobreviveria a tal franqueza? A UE permaneceria intacta? Considerações graves. Biden disse que passou centenas de horas conversando com líderes da UE para mitigar esses riscos.

Mais precisamente, os mercados ocidentais sobreviveriam a tal franqueza? O que acontece se a Rússia, durante os meses de inverno, levar a Ucrânia à beira do colapso do sistema? Biden e sua administração fortemente anti-russa simplesmente levantarão as mãos e concederão a vitória à Rússia? Com base em sua retórica maximalista e compromisso com a vitória ucraniana, isso parece improvável.

O ponto aqui é que os mercados permanecem altamente voláteis enquanto o Ocidente está à beira de uma contração recessiva que o FMI alertou que provavelmente causará danos fundamentais à economia global. Ou seja, a economia americana vive no momento mais delicado – à beira de um possível abismo financeiro.

Não poderia Biden 'tornar explícito' que as sanções contra a Rússia provavelmente não serão revertidas; que a interrupção da linha de abastecimento persistirá; e que a inflação e as taxas de juros vão subir, são suficientes para empurrar os mercados 'além do limite'?

Estas são incógnitas. Mas a ansiedade toca na 'sobrevivência' dos EUA – isto é, a sobrevivência da hegemonia do dólar. Como a guerra da Grã-Bretanha contra a Alemanha não reafirmou ou restaurou o sistema colonial (muito pelo contrário), também a guerra da Rússia da equipe Biden falhou em reafirmar o apoio à ordem global liderada pelos EUA. Pelo contrário, desencadeou uma onda de desafio à ordem global.

A metamorfose no sentimento global arrisca o início de uma espiral viciosa: “O afrouxamento do sistema de petrodólares pode causar um golpe significativo no mercado de títulos do Tesouro dos EUA. A queda da demanda pelo dólar no cenário internacional acarretará automaticamente uma desvalorização da moeda; e, de fato, uma queda na demanda por títulos do tesouro de Washington. E isso por si só levará – mecanicamente – a um aumento das taxas de juros.

Em águas tão agitadas, o Team Biden não pode preferir impedir que o público ocidental aprenda o estado incerto das coisas, continuando a narrativa 'a Ucrânia está ganhando'? Um dos objetivos principais sempre foi o de controlar a inflação e as expectativas das taxas de juros – mantendo a esperança de um colapso em Moscou. Um colapso que devolveria a esfera ocidental ao 'normal' de energia russa abundante e barata e matérias-primas abundantes e baratas.

Os EUA têm um controle extraordinário da mídia ocidental e das plataformas sociais. Os funcionários da Casa Branca podem estar esperando manter um dedo tampando a rachadura no dique, segurando o dilúvio, na esperança de que a inflação possa de alguma forma moderar (através de algum Deus ex Machina indefinido ) - e que a América seja poupada do aviso de Jamie Dimon em Nova York em junho passado, quando mudou sua descrição da perspectiva econômica, de tempestade para força de furacão?

Tentar ambos os objetivos de uma Rússia enfraquecida e manter intacta a hegemonia global do dólar, no entanto, pode não ser possível. Corre o risco de não alcançar nenhum dos dois - como a Grã-Bretanha descobriu na sequência da Segunda Guerra Mundial. Em vez disso, a Grã-Bretanha se viu "arruinada".

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub