Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

26
Jun19

Realidade triste e perspetivas sombrias

Albertino Ferreira

Portugal perdeu população entre 2010 e 2019, diz a ONU; e a quebra no futuro, até 2050, será ainda maior, mantendo-se as tendências atuais.  Já somos poucos e ainda vamos ser menos, dizem-nos.

O que acontecerá, salvo se os portugueses forem capazes de um golpe de asa que reverta a situação. Neste quadro, é criminoso apontar a emigração como solução para os jovens face à má vontade da elite política e económica em criar as condições necessárias para que os jovens se possam realizar profissionalmente e como cidadãos no nosso país.

A emigração forçada por falta de condições internas é inaceitável.

Condições de trabalho e de vida dignas - melhores salários, acessoa à habitação, por exemplos -  são essenciais para a promoção da natalidade, para assegurar a manutenção da nossa identidade e país.

 

pop.png

 

pop1.png

 

19
Jun19

Os trabalhadores estão satisfeitos, os empresários e governo ainda mais, evidentemente!

Albertino Ferreira

Os custos horários do trabalho (salários, prémios, descontos para a segurança social, etc.) em Portugal foram dos que menos cresceram Na União Europeia. Como compreender? Podem dar-se muitas explicações, mas, ao que parece, os trabalhadores contentam-se com o que têm, não reivindicam e se mobilizam para mais. Evidentemente, pelo seu lado, não são os patrões ou o governo que se chegam à frente. Qual a razão de abrir mão desse rendimento, se os trabalhadores não lutam para ficar com ele, nem castigam o governos nos votos?

cla.png

 

01
Mai19

80 Anos

Albertino Ferreira

É a esperança média de vida dos portugueses. Como é uma média significa que uns vivem mais e outros menos. Convinha estudar esse facto com maior profundidade. Quem vive mais? Quem vive menos? Estudos de outros países indicam que as pessoas com maior rendimento têm mais anos de vida. A confirmar-se está-se ante um cenário horrível, pois significa que a desigualdade de rendimentos corresponde a tirar anos de vida às pessoas de posses menores.

Quem pode ficar indiferente ante tamanho horror?

DYCa6cSVoAA1qAE.jpg

 

28
Mar19

Quebra brutal do poder de compra dos trabalhadores

Albertino Ferreira

Os trabalhadores portugueses foram brutalmente penalizados para que o governo, a UE e a troica safassem os bancos as malfeitorias em que se meteram; o poder real de compra dos salários sofreu a 3.ª maior redução na UE. Desde então vereficou-se um certo alívio, é verdade, mas nada que se compare ao que já foi, muito menos ao que precisava e era possível ser.

chartoftheday_13287_where_wages_are_shrinking_in_t

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D