Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

18
Abr24

How Iran’s ‘strategic patience’ switched to serious deterrence

José Pacheco

Iran’s retaliatory strikes against Israel were not conducted alone. Strategic partners Russia and China have Tehran’s back, and their role in West Asia’s conflict will only grow if the US doesn’t keep Israel in check.

APR 15, 2024

Photo Credit: The Cradle

A little over 48 hours before Iran’s aerial message to Israel across the skies of West Asia, Russian Deputy Foreign Minister Sergey Ryabkov confirmed, on the record, what so far had been, at best, hush-hush diplomatic talk

The Russian side keeps in contact with Iranian partners on the situation in the Middle East after the Israeli strike on the Iranian consulate in Syria.

Ryabkov added, “We stay in constant touch [with Iran]. New in-depth discussions on the whole range of issues related to the Middle East are also expected in the near future in BRICS.”

He then sketched The Big Picture: 

Connivance with Israeli actions in the Middle East, which are at the core of Washington’s policy, is in many ways becoming the root cause of new tragedies.

Here, concisely, we had Russia’s top diplomatic coordinator with BRICS – in the year of the multipolar organization’s Russian presidency – indirectly messaging that Russia has Iran’s back. Iran, it should be noted, just became a full-fledged BRICS+ member in January

Iran’s aerial message this weekend confirmed this in practice: their missile guidance systems used the Chinese Beidou satellite navigation system as well as the Russian GLONASS system.  

This is Russia–China intel leading from behind and a graphic example of BRICS+ on the move.

Ryabkov’s “we stay in constant touch” plus the satellite navigation intel confirms the deeply interlocked cooperation between the Russia–China strategic partnership and their mutual strategic partner Iran. Based on vast experience in Ukraine, Moscow knew that the biblical psychopathic genocidal entity would keep escalating if Iran only continued to exercise “strategic patience.” 

The morphing of “strategic patience” into a new strategic balance had to take some time – including high-level exchanges with the Russian side. After all, the risk remained that the Israeli attack against the Iranian consulate/ambassador’s residence in Damascus could well prove to be the 2024 remix of the killing of Archduke Franz Ferdinand.

And don’t forget the Strait of Hormuz

Tehran did manage to upend the massive Western psychological operations aimed at pushing it into a strategic misstep. 

Iran started with a misdirecting masterstroke. As US–Israeli fear porn went off the charts, fueled by dodgy western “intel,” the Islamic Revolutionary Guard Corps (IRGC) made a quick sideways move, seizing an Israeli-owned container ship near the Strait of Hormuz. 

That was an eminently elegant manoeuvre – reminding the collective west of Tehran’s hold on the Strait of Hormuz, a fact immeasurably more dangerous to the whole western economic house of cards than any limited strike on their “aircraft carrier” in West Asia. That did happen anyway.

And once again, with a degree of elegance. Unlike that ‘moral’ army specialized in killing women, children, and the elderly and bombing hospitals, mosques, schools, universities, and humanitarian convoys, the Iranian attack targeted key Israeli military sites such as the Nevatim and Ramon airbases in the Negev and an intel center in the occupied Golan Heights – the three centers used by Tel Aviv in its strike on Iran’s Damascus consulate.

This was a highly choreographed show. Multiple early warning signs gifted Tel Aviv with plenty of time to profit from US intel and evacuate fighter jets and personnel, which was duly followed by a plethora of US military radars coordinating the defense strategy. 

It was American firepower that smashed the bulk of what may have been a swarm of 185 Shahed-136 drones – using everything from ship-mounted air defense to fighter jets. The rest was shot down over Jordan by The Little King’s military – the Arab street will never forget his treachery – and then by dozens of Israeli jets. 

Israel’s defenses were de facto saturated by the suicide drone-ballistic missile combo. On the ballistic missile front, several pierced the dense maze of Israel’s air defenses, with Israel officially claiming nine successful hits – interestingly enough, all of them hitting super relevant military targets. 

The whole show had the budget of a mega blockbuster. For Israel – without even counting the price of US, UK, and Israeli jets – just the multi-layered interception system set it back at least $1.35 billion, according to an Israeli official. Iranian military sources tally the cost of their drone and missile salvos at only $35 million – 2.5 percent of Tel Aviv’s expenditure – made with full indigenous technology.

A new West Asian chessboard 

It took only a few hours for Iran to finally metastasize strategic patience into serious deterrence, sending an extremely powerful and multi-layered message to its adversaries and masterfully changing the game across the whole West Asian chessboard.   

Were the biblical psychopaths to engage in a real Hot War against Iran, there’s no chance in hell Tel Aviv can intercept hundreds of Iranian missiles – the state-of-the-art ones excluded from the current show – without an early warning mechanism spread over several days. Without the Pentagon’s umbrella of weaponry and funds, Israeli defense is unsustainable. 

It will be fascinating to see what lessons Moscow will glean from this profusion of lights in the West Asian sky, its sly eyes taking in the frantic Israeli, political, and military scene as the heat continues to rise on the slowly boiling – and now screaming – frog.

As for the US, a West Asian war – one it hasn’t scripted itself – does not suit its immediate interests, as an old-school Deep State stalwart confirmed by email: 

That could permanently end the area as an oil-producing region and astronomically raise the oil price to levels that will crash the world financial structure. It is conceivable that the United States banking system could similarly collapse if the oil price rises to $900 a barrel should Middle East oil be cut off or destroyed.

It’s no wonder that the Biden combo, days before the Iranian response, was frantically begging Beijing, Riyadh, and Ankara, among others, to hold Tehran back. The Iranians might have even agreed – had the UN Security Council imposed a permanent ceasefire in Gaza to calm the regional storm. Washington was mute. 

The question now is whether it will remain mute. Mohammad Bagheri, chief of the General Staff of the Iranian Armed Forces, went straight to the point

We have conveyed a message to America through the Swiss Embassy that American bases will become a military target if they are used in future aggressive actions of the Zionist regime. We will consider this as aggression and will act accordingly.

The US dilemma is confirmed by former Pentagon analyst Michael Maloof: 

We have got some 35 bases that surround Iran, and they thereby become vulnerable. They were meant to be a deterrence. Clearly, deterrence is no longer on the table here. Now they become the American’ Achilles heel’ because of their vulnerabilities to attack.

All bets are off on how the US–Israel combo will adapt to the new Iranian-crafted deterrence reality. What remains, for the historic moment, is the pregnant-with-meaning aerial show of Muslim Iran singlehandedly unleashing hundreds of drones and missiles on Israel, a feat feted all across the lands of Islam. And especially by the battered Arab street, subjugated by decrepit monarchies that keep doing business with Israel over the dead bodies of the Palestinians of Gaza. 

05
Abr24

O “Eixo da Resistência” do Sahel

José Pacheco

O Sahel africano está a revoltar-se contra o neocolonialismo ocidental – expulsando tropas e bases estrangeiras, criando moedas alternativas e desafiando as velhas multinacionais. Afinal de contas, a multipolaridade não pode florescer sem que a resistência abra o seu caminho.

1º de abril de 2024

º de abril de 2024

(Crédito da foto: O Berço)

A emergência de  Eixos de Resistência  em várias geografias é um subproduto inextricável do longo e tortuoso processo que nos conduz a um mundo multipolar. Estas duas coisas – a resistência à Hegemon e a emergência da multipolaridade – são absolutamente complementares. 

O Eixo da Resistência na Ásia Ocidental – através dos estados árabes e muçulmanos – encontra agora como alma-irmã o Eixo da Resistência que abrange o Sahel em África, de oeste a leste, do Senegal, Mali, Burkina Faso e Níger ao Chade, Sudão e Eritreia. 

Estados africanos do Sahel

Ao contrário do Níger, onde a mudança de poder contra o neocolonialismo foi associada a um golpe militar, no Senegal a mudança de poder vem directamente das urnas. 

O Senegal mergulhou numa nova era com a vitória esmagadora de Bassirou Diomaye Faye, 44 anos, nas eleições nacionais de 24 de Março. Ex-inspetor fiscal que acabara de passar duas semanas na prisão, Faye emergiu com o perfil de um líder pan-africano oprimido para virar de cabeça para baixo a “democracia mais estável de África”, sob o comando do fantoche francês Macky Sall. 

O novo presidente senegalês junta-se agora a Ibrahim Traore, 36, no Burkina Faso, Aby Ahmed, 46, na Etiópia, Andry Rajoelina, 48, em Madagáscar, bem como ao futuro astro Julius Malema, 44, na África do Sul, como parte do novo, geração jovem pan-africana centrada na soberania. No seu manifesto eleitoral, Faye comprometeu-se a recuperar a soberania do Senegal pelo menos  dezoito  vezes.  

A geoeconomia é fundamental para essas mudanças. À medida que o Senegal se torna um produtor substancial de petróleo e gás, Faye terá como objectivo renegociar contratos de mineração e energia, incluindo os maiores com a British Petroleum (BP) e a operadora de minas de ouro do Reino Unido, Endeavor Mining. 

Crucialmente, ele planeia abandonar o explorador franco CFA – o sistema monetário controlado pela França, utilizado em 14 estados africanos – e até criar uma nova moeda como parte da remodelação das relações com a potência neocolonial França, o principal parceiro comercial do Senegal. Faye, ecoando o camarada Xi Jinping, quer uma parceria “ganha-ganha”. 

Entre na Aliança dos Estados do Sahel

Faye ainda não deixou claro se pretende expulsar os militares franceses do Senegal. Se isso acontecesse, o golpe para Paris seria sem precedentes, já que o em apuros Petit Roi Emmanuel Macron e o establishment francês consideram o Senegal o ator-chave quando se trata de bloquear o Níger, o Mali e o Burkina Faso, que já deixaram Paris no ( Sahel) poeira.  

Os três últimos estados, que acabaram de formar uma Aliança dos Estados do Sahel ( Alliance des Etats du Sahel , AES, no original francês), não são apenas um grande pesadelo parisiense após humilhações em série, mas também uma grande dor de cabeça americana – resumida na colapso espetacular da cooperação militar entre Washington e a capital do Níger, Niamey. 

O culpado, de acordo com o Estado Profundo dos EUA, é, obviamente, o presidente russo, Vladimir Putin. 

Obviamente, ninguém na Beltway dos EUA tem prestado a devida atenção à agitação diplomática Rússia-África desde o ano passado, envolvendo todos os principais intervenientes, desde o Sahel até aos novos membros africanos dos BRICS, o Egipto e a Etiópia.

Em nítido contraste com a sua anterior consideração do Níger como um forte aliado no Sahel, Washington é agora forçado a apresentar uma data de calendário para retirar as suas tropas do Níger – depois de um acordo de cooperação militar ter sido anulado. O Pentágono não pode mais estar envolvido em treino militar em território nigerino.

Existem duas bases principais – em Agadez e Niamey – nas quais o Pentágono gastou mais de 150 milhões de dólares para construir. Niamey foi concluída apenas em 2019 e é gerida pelo Comando Africano dos militares dos EUA, AFRICOM.

Os objectivos operacionais estão, previsivelmente, envoltos em mistério. A base de Niamey é essencialmente um centro de inteligência, processando dados coletados por drones MQ-9 Reaper. A Força Aérea dos EUA também utiliza o Aeródromo Dirkou como base para operações no Sahel.

Agora as coisas tornam-se realmente emocionantes, porque a presença de uma base de facto de drones da CIA em Dirkou, tripulada por um punhado de agentes, nem sequer é reconhecida. Esta base escura permite a recolha de informações em toda a África Central, de oeste a norte. Chame-o de outro exemplo clássico de “We Lie, We Cheat, We Steal” do ex-diretor da CIA Mike Pompeo.

Há cerca de 1.000 soldados dos EUA no Níger que poderão em breve enfrentar a expulsão. Os americanos estão tentando de tudo para estancar o sangramento. Só este mês, a Subsecretária de Estado dos EUA para África, Molly Phee, visitou o Níger duas vezes. A perda de bases no Níger traduzir-se-á em Washington seguir o exemplo de Paris na perda do controlo do Sahel – à medida que o Níger se aproxima da Rússia e do Irão. 

Estas bases não são essenciais para exercer vigilância sobre Bab al-Mandeb; é tudo sobre o Sahel, com drones operando no seu limite e violando todos os espaços aéreos soberanos à vista. 

Aliás, uma robusta delegação de Niamey visitou Moscovo em Janeiro. Depois, na semana passada, Putin discutiu a cooperação em segurança em telefonemas com o Presidente interino do Mali, Assimi Goita, e o Presidente da junta militar do Níger, Abdourahmane Tchiani, antes de falar com o Presidente da República do Congo, Denis Nguesso. 

Costa do Marfim: a reviravolta do Império

Os regimes fantoches pró-Ocidente estão a diminuir rapidamente em todo o continente africano. A Aliança dos Estados do Sahel – Mali, Burkina Faso e Níger – pode ser a vanguarda de um Eixo Africano de Resistência, mas há mais, na forma da África do Sul, da Etiópia e do Egipto como membros plenos do BRICS – para não falar de sérios candidatos à próxima vaga do BRICS+, como a Argélia e a Nigéria.  

A Rússia, diplomaticamente, e a China, comercialmente, mais todo o peso da parceria estratégica Rússia-China, estão claramente focadas no longo prazo – contando com África como um todo como um actor multipolar chave. Evidências adicionais foram fornecidas mais uma vez durante a  conferência multipolar do mês passado em Moscovo , onde o carismático líder pan-africano Kemi Seba do Benim foi uma das estrelas. 

Os círculos diplomáticos pan-eurasiáticos permitem-se até fazer piadas sobre os recentes acessos de raiva do Le Petit Roi em Paris. A humilhação total da França no Sahel é provavelmente um dos impulsionadores das ameaças violentas de Macron de enviar tropas francesas para a Ucrânia – que seriam transformadas em bife tártaro pelos russos em tempo recorde – e da sua vontade de apoiar as actuais acrobacias russofóbicas da Arménia. .

Historicamente, permanece o facto de que os africanos consideravam a antiga URSS muito mais flexível e até solidária quando se tratava de desviar recursos naturais; esse goodwill foi agora também transferido para a China. 

Enquanto plataforma de integração regional, a Aliança dos Estados do Sahel tem tudo o que é necessário para se tornar uma mudança de jogo. O Senegal sob o comando de Faye poderá eventualmente aderir, mas a Guiné já oferece a capacidade geográfica para fornecer à aliança um acesso marítimo credível. Isso levará à extinção progressiva da CEDEAO, controlada pelo Ocidente e sediada na Nigéria. 

No entanto, nunca descarte os poderosos tentáculos do Hegemon. O plano director do Pentágono não implica o abandono de África numa esfera de influência multipolar Rússia-China-Irão. No entanto, já ninguém no Eixo de Resistência do Sahel acredita na “ameaça terrorista” dos EUA. O terror era praticamente zero em África até 2011, quando a NATO transformou a Líbia num terreno baldio, depois colocou forças no terreno e ergueu bases militares em todo o continente.

Até agora, a Aliança dos Estados do Sahel está a vencer a guerra de informação que coloca a soberania em primeiro lugar. Mas não há dúvida de que o Império irá contra-atacar. Afinal de contas, todo o jogo está ligado à suprema paranóia da Beltway de que a Rússia assuma o controlo do Sahel e da África Central. 

Entre na Costa do Marfim, agora que o Senegal pode estar prestes a começar a flertar com a Aliança dos Estados do Sahel. 

A Costa do Marfim é mais estratégica para Washington do que, por exemplo, o Chade porque o território marfinense está muito próximo da aliança do Sahel. Ainda assim, o Chade já recalibrou a sua política externa, que já não é controlada pelo Ocidente e vem com uma nova ênfase na aproximação a Moscovo. 

O que está por vir para o Império? Talvez os drones “antiterroristas” dos EUA tenham sido partilhados com Paris na base francesa na Costa do Marfim para manter a aliança do Sahel sob controlo. Chame-o de galo gaulês humilhado abraçando o Hegemon na África Ocidental sem receber nem mesmo as migalhas de um croissant velho.  

 

27
Fev24

O Eixo da Assimetria assume a 'ordem baseada em regras'

José Pacheco

A Terceira Guerra Mundial está aqui, desenrolando-se de forma assimétrica em campos de batalha militares, financeiros e institucionais, e a luta é existencial. A Hegemonia ocidental, na verdade, está em guerra contra o direito internacional, e só a “acção militar cinética” pode fazê-la subjugar-se.

23 DE FEVEREIRO DE 2024

 

Crédito da foto: O Berço

O Eixo da Assimetria está em pleno andamento. Estes são os actores estatais e não estatais que empregam movimentos assimétricos no tabuleiro de xadrez global para marginalizar a ordem ocidental baseada em regras liderada pelos EUA. E a sua vanguarda é o movimento de resistência iemenita Ansarallah. 

Ansarallah é absolutamente implacável. Eles derrubaram  um drone MQ-9 Reaper de US$ 30 milhões com apenas um míssil indígena de US$ 10 mil.

Eles são os primeiros no Sul Global a usar mísseis balísticos antinavio contra navios comerciais e da Marinha dos EUA com destino a Israel e/ou que protegem. 

Para todos os efeitos práticos, Ansarallah está em guerra  com nada menos que a Marinha dos EUA.

Ansarallah capturou um dos veículos subaquáticos autônomos (AUV) ultrassofisticados da Marinha dos EUA, o Remus 600, de US$ 1,3 milhão, um drone subaquático em forma de torpedo capaz de transportar uma enorme carga de sensores. 

Próxima parada: engenharia reversa no Irã? O Sul Global aguarda ansiosamente, pronto a pagar em moedas que contornem o dólar americano. 

Tudo o que foi dito acima – uma remixagem marítima do século XXI do percurso de Ho Chi Minh durante a Guerra do Vietname – revela que o Hegemon pode nem sequer ser qualificado como um tigre de papel, mas sim como uma sanguessuga de papel.

Lula conta como o Sul Global vê 

No panorama geral – ligado ao implacável genocídio perpetrado por Israel em Gaza – surge um verdadeiro líder do Sul Global, o Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva . 

Lula falou em nome do Brasil, da América Latina, da África, dos BRICS 10 e da esmagadora maioria do Sul Global quando foi direto ao assunto e definiu a tragédia de Gaza pelo que ela é: um genocídio. Não admira que os tentáculos sionistas em todo o Norte Global – mais os seus vassalos do Sul Global – tenham enlouquecido. 

Os genocidas em Tel Aviv declararam Lula como persona non grata em Israel. No entanto, Lula não assassinou mais de 29 mil palestinianos – a esmagadora maioria dos quais eram mulheres e crianças.

A história será implacável: são os genocidas que acabarão por ser julgados como personae non grata para toda a humanidade.

O que Lula disse representou o BRICS 10 em acção: isto foi obviamente esclarecido antes com Moscovo, Pequim, Teerão e, claro, com a União Africana. Lula discursou em Adis Abeba e a Etiópia é agora membro do BRICS 10.

O presidente brasileiro foi extremamente inteligente ao programar a sua verificação de factos sobre Gaza para ser colocada na mesa durante a reunião dos Ministros dos Negócios Estrangeiros do G20, no Rio. Muito para além dos BRICS 10, o que está a acontecer em Gaza é um consenso entre os parceiros não ocidentais do G20 – que são na verdade uma maioria. Ninguém, porém, deveria esperar qualquer seguimento sério dentro de um G20 dividido. O cerne da questão permanece nos fatos reais. 

A luta do Iémen pelo “nosso povo” em Gaza é uma questão de solidariedade humanística, moral e religiosa – estes são princípios fundamentais das potências “civilizacionais” orientais em ascensão, tanto a nível interno como nos assuntos internacionais. Esta convergência de princípios criou agora uma ligação directa  – extrapolando para as esferas moral e espiritual – entre o Eixo da Resistência na Ásia Ocidental e o Eixo da Resistência Eslavo no Donbass. 

Extrema atenção deve ser dada à escala de tempo. As forças da República Popular de Donetsk (RPD) e a Rússia passaram dois anos de muita luta em Novorossiya apenas para chegar à fase em que se torna claro – com base no campo de batalha e nos factos cumulativos no terreno – que “negociações” significam apenas os termos de A rendição de Kiev.

Em contraste, o trabalho do Eixo da Resistência na Ásia Ocidental nem sequer começou. É justo argumentar que a sua força e o total envolvimento soberano ainda não foram mobilizados (pense no Hezbollah e no Irão). 

O secretário-geral do Hezbollah, Hassan Nasrallah, com a sua proverbial subtileza, deu a entender que não há, de facto, nada a negociar sobre a Palestina. E se houvesse um regresso a alguma fronteira, estas seriam as fronteiras de 1948. O Eixo da Resistência entende que todo o Projeto Sionista é ilegal e imoral. Mas permanece a questão: como jogá-lo, na prática, na lata de lixo da História?

Os cenários possíveis – declaradamente optimistas – no futuro incluiriam a tomada de posse da Galileia pelo Hezbollah como um passo em direcção à eventual retomada das Colinas de Golã ocupadas por Israel. No entanto, permanece o facto de que mesmo uma Palestina unida não tem capacidade militar para reconquistar terras palestinas roubadas. 

Assim, as questões colocadas pela esmagadora maioria do Sul Global que está ao lado de Lula podem ser: Quem mais, além de Ansarallah, Hezbollah, Hashd al-Shaabi, se juntará ao Eixo da Assimetria na luta pela Palestina? Quem estaria disposto a vir para a Terra Santa e morrer? (Afinal, no Donbass, são apenas russos e russófonos que estão morrendo por terras historicamente russas)

E isso leva-nos ao caminho para o fim do jogo: só uma Operação Militar Especial (SMO) da Ásia Ocidental, até ao amargo fim, resolverá a tragédia palestiniana. Uma tradução do que acontece em todo o Eixo de Resistência Eslavo:  “Aqueles que se recusam a negociar com Lavrov, negociem com Shoigu”.

O cardápio, a mesa e os convidados

Aquele neoconservador excêntrico e enrustido, o secretário de Estado Tony Blinken, deixou escapar o gato quando na verdade definiu a sua tão querida “ordem internacional baseada em regras”: “Se você não está na mesa, você estão no cardápio.”

Seguindo a sua própria lógica hegemónica, é claro que a Rússia e os EUA/NATO estão na mesa enquanto a Ucrânia está no menu. E o Mar Vermelho? Os Houthis que defendem a Palestina contra os EUA-Reino Unido-Israel estão claramente na mesa, enquanto os vassalos ocidentais que apoiam Israel por via marítima estão claramente no menu. 

E esse é o problema: o Hegemon – ou, na terminologia académica chinesa, “os cruzados” – perdeu o poder de colocar os cartões com nomes na mesa. A principal razão para este colapso de autoridade é a realização de reuniões internacionais sérias patrocinadas pela parceria estratégica Rússia-China durante os últimos dois anos desde o início do SMO. É tudo uma questão de planejamento sequencial, com metas de longo prazo claramente delineadas. 

Só os Estados civilizacionais podem fazer isso – e não os casinos neoliberais plutocráticos.   

Negociar com o Hegemon é impossível porque o próprio Hegemon impede as negociações (ver o bloqueio em série das resoluções de cessar-fogo na ONU). Além disso, o Hegemon destaca-se na instrumentalização das elites dos seus clientes em todo o Sul Global através de ameaças ou kompromat: veja-se a reacção histérica da grande mídia brasileira ao veredicto de Lula sobre Gaza. 

O que a Rússia está a mostrar ao Sul Global, dois anos após o início do SMO, é que o único caminho para ensinar uma lição à Hegemonia tem de ser  cinético, ou “técnico-militar”.

O problema é que nenhum Estado-nação se compara à superpotência nuclear/hipersónica/militar da Rússia, na qual 7,5% do orçamento do governo é dedicado à produção militar. A Rússia está e permanecerá em pé de guerra permanente até que as elites da Hegemonia recuperem o juízo – e isso pode nunca acontecer.

Entretanto, o Eixo de Resistência da Ásia Ocidental observa e aprende, dia após dia. É sempre crucial ter em mente que, para todos os movimentos de resistência em todo o Sul Global – e isso também inclui, por exemplo, os africanos ocidentais contra o neocolonialismo francês – as divisões geopolíticas não poderiam ser mais acentuadas.

É uma questão do Ocidente coletivo versus o Islão; o Ocidente coletivo versus a Rússia; e mais cedo ou mais tarde, uma parte substancial do Ocidente, mesmo com relutância, contra a China.

O facto é que já estamos imersos numa Guerra Mundial que é ao mesmo tempo existencial e civilizacional. Enquanto nos encontramos numa encruzilhada, há uma bifurcação: ou uma escalada no sentido de uma “ação militar cinética” aberta, ou uma multiplicação de Guerras Híbridas em diversas latitudes. 

Portanto, cabe ao Eixo da Assimetria, frio, calmo e controlado, forjar os corredores, passagens e trilhos subterrâneos capazes de minar e subverter a ordem internacional unipolar, baseada em regras, liderada pelos EUA. 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub