Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

25
Abr22

A dinâmica da escalada: 'Permanecendo com a Ucrânia'

Albertino Ferreira

O eixo Rússia-China possui alimentos, energia, tecnologia e a maioria dos principais recursos do mundo. A história ensina que esses elementos fazem os vencedores nas guerras

Ao perceber no Ocidente que, enquanto as sanções são consideradas capazes de colocar os países de joelhos, a realidade é que tal capitulação nunca ocorreu (ou seja, Cuba; Coréia do Norte; Irã). E, no caso da Rússia, é possível dizer que isso simplesmente não vai acontecer.

A equipe Biden ainda não entendeu completamente as razões. Um ponto é que eles escolheram precisamente a economia errada para tentar entrar em colapso por meio de sanções (a Rússia tem linhas de suprimento estrangeiras mínimas e grande quantidade de commodities valiosas). Os funcionários de Biden também nunca compreenderam todas as ramificações do jujitsu monetário de Putin ligando o rublo ao ouro e o rublo à energia.

Eles condescendem com o jiu-jitsu monetário de Putin como mais uma greve desesperada contra o status de moeda de reserva 'inexpugnável' do dólar. Então eles escolhem ignorá-lo e assumem que se os europeus tomassem menos banhos quentes , usassem mais suéteres de lã, renunciassem à energia russa e 'ficassem com a Ucrânia', o colapso econômico finalmente se materializaria. Aleluia!

A outra razão pela qual o Ocidente interpreta mal o potencial estratégico das sanções é que a guerra Rússia-China contra a hegemonia ocidental é assimilada por seus povos como existencial. Para eles, não se trata apenas de tomar menos banhos quentes (como para os europeus), trata-se de sua própria sobrevivência – e, consequentemente, seu limiar de dor é muito, muito maior do que o do Ocidente. O ocidente não vai desmascarar seus adversários tão ridiculamente facilmente.

No fundo, o eixo Rússia-China possui alimentos, energia, tecnologia e a maioria dos principais recursos do mundo. A história ensina que esses elementos fazem os vencedores nas guerras.

O problema estratégico, porém, é duplo: em primeiro lugar, a janela para uma desescalada do Plano 'B' por meio de um acordo político na Ucrânia já passou. É tudo ou nada agora (a menos que Washington desista). E em segundo lugar, embora em um contexto ligeiramente diferente, tanto a Europa quanto o Team Biden optaram por elevar as apostas:

A convicção de que a visão liberal europeia enfrenta humilhação e desdém, caso Putin 'ganhe', tomou conta. E no nexo Obama-Clinton-Deep State, é inimaginável que Putin e a Rússia ainda considerados como o autor do Russiagate para muitos americanos possam prevalecer.

A lógica para este enigma é inexorável – Escalação.

Para Biden, cujos índices de aprovação continuam caindo, o desastre se aproxima nas eleições intermediárias de novembro. O consenso entre os membros dos EUA é que os democratas devem perder de 60 a 80 assentos no Congresso e um pequeno punhado (4 ou 5 assentos) no Senado também. Se isso acontecesse, não seria apenas uma humilhação pessoal, mas seria uma paralisia administrativa para os democratas até o final do mandato de Biden.

O único caminho possível para sair desse cataclismo que se aproxima seria Biden tirar um coelho do 'chapéu' da Ucrânia (um que, no mínimo, distrairia a inflação crescente). Os Neo-cons e o Deep State (mas não o Pentágono) são a favor. A indústria de armas naturalmente está amando as armas de lavagem de Biden na Ucrânia (com o enorme 'derramamento' de alguma forma desaparecendo no 'negro' ). Muitos em DC lucram com essa farra bem financiada.

Por que estamos vendo tanta euforia com um esquema aparentemente imprudente de escalada? Bem, os estrategistas sugerem que, se a liderança republicana se tornar bipartidária na escalada - se tornar cúmplice de 'mais guerra', por assim dizer - eles argumentam que pode ser possível conter as perdas democratas no meio do mandato e neutralizar uma campanha de oposição. ataque focado em uma economia mal administrada.

Até onde Biden pode ir com essa escalada? Bem, a ostentação de armas é óbvia (outra bobagem), e as Forças Especiais já estão em cena, prontas para acender um fusível para qualquer escalada; além disso, a debatida zona de exclusão aérea parece ter a vantagem adicional de contar com o apoio europeu, particularmente no Reino Unido, entre os Bálticos (é claro) e também dos 'Verdes' alemães. (Alerta de spoiler! Primeiro, é claro, para implementar qualquer zona de exclusão aérea, seria necessário controlar o espaço aéreo – que a Rússia já domina e sobre o qual implementa a exclusão eletromagnética total).

Isso seria suficiente? Vozes sombrias estão aconselhando que não. Eles querem 'botas no chão'. Eles até falam de armas nucleares táticas. Eles argumentam que Biden não tem nada a perder ao 'se tornar grande', especialmente se o Partido Republicano for persuadido a se tornar cúmplice. Na verdade, isso pode salvá-lo da ignomínia, eles insistem. Fontes militares dos EUA já apontam que o fornecimento de armas não vai 'virar' a guerra. Uma 'guerra perdida' deve ser evitada a todo custo em novembro.

Esse consenso para escalada é realista? Bem, sim, é possível. Lembre-se de que Hillary (Clinton) foi a alquimista que fundiu a ala neoconservadora dos anos 1980 aos neoliberais dos anos 1990 para criar uma ampla tenda intervencionista que pudesse servir a todos os gostos: os europeus podiam imaginar-se exercendo o poder econômico de uma maneira globalmente significativa pela primeira vez, enquanto os Neoconservadores ressuscitaram sua insistência na intervenção militar forçada como requisito para manter a ordem baseada em regras. Os últimos estão convencidos de que a guerra financeira está falhando.

Do ponto de vista dos neoconservadores, coloca a ação militar firmemente de volta à mesa e com uma nova abertura de 'frente': os neoconservadores hoje questionam precisamente a premissa de que uma troca nuclear com a Rússia deve ser evitada a todo custo. E a partir dessa mudança da proibição de ações que poderiam desencadear um trocador nuclear, eles dizem que circunscrever o conflito na Ucrânia com base nisso é desnecessário e um erro estratégico – afirmando que, em sua opinião, Putin dificilmente recorreria a armas nucleares.

Como pode essa superestrutura de elite intervencionista neoconservadora exercer tal influência quando a classe política americana mais ampla historicamente tem sido 'anti-guerra'? Bem, os Neo-cons são os camaleões arquetípicos. Amados pela indústria da guerra, uma presença regular e barulhenta nas redes, eles entram e saem do poder, com os 'falcões da China' aninhados nos corredores de Trump, enquanto os 'falcões da Rússia' são migrados para povoar o Departamento de Estado de Biden.

A escalação já está 'preparada'? Ainda pode haver um iconoclasta 'mosca no unguento': Sr. Trump! – através de seu ato simbólico de endossar JD Vance para a Primária do Senado do Partido Republicano em Ohio, contra a vontade do Estabelecimento do Partido Republicano.

Vance é um (entre muitos) representante da tradição populista da América que busca um cargo na próxima 'churn' do Congresso. Mas a saliência aqui é que Vance vem questionando a corrida para a escalada na Ucrânia. Muitos outros candidatos populistas entre a nova safra do Partido Republicano de senadores interessantes e senadores em espera já sucumbiram à pressão do antigo establishment do Partido Republicano para endossar a guerra. (Boondoggles novamente).

O Partido Republicano está dividido sobre a Ucrânia em seu nível representativo superior, mas a base popular tradicionalmente é cética em relação a guerras estrangeiras. Com este endosso político, Trump está empurrando o Partido Republicano para se opor à escalada na Ucrânia. Ross Douthat no NY Times confirma que o endosso de Vance se conecta mais intimamente às fontes da popularidade de Trump em 2016, pois ele explorou o sentimento anti-guerra entre os deploráveis, cujo foco é cuidar do bem-estar de seu próprio país.

Logo após o endosso, Trump emitiu uma declaração:

“Não faz sentido que a Rússia e a Ucrânia não estejam sentadas e trabalhando em algum tipo de acordo. Se não o fizerem logo, não restará nada além de morte, destruição e carnificina. Esta é uma guerra que nunca deveria ter acontecido, mas aconteceu. A solução nunca pode ser tão boa quanto seria antes do tiroteio começar, mas existe uma solução, e deve ser descoberta agora – não depois – quando todos estarão MORTOS!”, disse Trump.

Trump está efetivamente separando a possível linha de falha chave para as próximas eleições (mesmo que alguns panjandrums do GOP – muitos dos quais são financiados pelo Complexo Industrial Militar (MIC) – favoreçam um envolvimento militar mais robusto).

Trump também sempre tem um instinto para a jugular de um oponente: Biden pode ser altamente atraído pelo argumento de escalada, mas ele é conhecido por ser sensível ao pensamento de sacos de corpos voltando para casa nos EUA antes de novembro se tornar seu legado. Daí o exagero de Trump de que, mais cedo ou mais tarde, todos na Ucrânia “estarão MORTOS!”.

Mais uma vez, o medo entre os democratas com entendimento militar é que o transporte aéreo de armas ocidentais para as fronteiras da Ucrânia não mude o curso da guerra, e que a Rússia prevaleça, mesmo que a OTAN se envolva. Ou, em outras palavras, o 'impensável' ocorrerá: o Ocidente perderá para a Rússia. Eles argumentam que a equipe Biden tem pouca escolha: é melhor apostar na escalada do que arriscar perder tudo com um desastre na Ucrânia (principalmente depois do Afeganistão).

A escalada de evitar a escalada apresenta um desafio tão grande para a psique missionária americana da liderança global que o impulso para isso pode não ser superado apenas pela cautela inata de Biden. O Washington Post já está relatando que “o governo Biden está ignorando novas advertências russas contra o fornecimento de armas mais avançadas e novos treinamentos às forças ucranianas – no que parece ser um risco calculado de Moscou não escalar a guerra”.

As elites da UE, por outro lado, não são apenas persuadidas (a Hungria e uma facção na Alemanha, à parte) pela lógica da escalada, elas estão francamente intoxicadas por ela. Na Conferência de Munique, em fevereiro, foi como se os líderes da UE estivessem dispostos a se superar em seu entusiasmo pela guerra: Josep Borrell reafirmou seu compromisso com uma solução militar na Ucrânia: “Sim, normalmente as guerras foram vencidas ou perdido no campo de batalha”, disse à chegada para uma reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE no Luxemburgo, quando solicitado a comentar a sua declaração anterior de que “esta guerra será vencida no campo de batalha”.

A sua euforia centra-se na crença de que a UE – pela primeira vez – está a exercer o seu poder económico de forma globalmente significativa e, ao mesmo tempo, permitindo e armando uma guerra por procuração contra a Rússia (através da imaginação da UE como um verdadeiro império carolíngio, realmente vencendo no campo de batalha!).

A euforia das elites da UE – tão completamente dissociadas de identidades nacionais e interesses locais, e leais a uma visão cosmopolita em que homens e mulheres de importância se conectam interminavelmente entre si e se deleitam com a aprovação de seus pares – está abrindo uma profunda polarização dentro de suas próprias sociedades.

A inquietação surge entre aqueles que não consideram o patriotismo, ou o ceticismo em relação à Rússiafobia de hoje, como necessariamente 'gauche'. Eles estão preocupados que as elites da UE delimitadas por percepções, defendendo sanções à Rússia e ao envolvimento da OTAN com uma potência nuclear, tragam desastre para a Europa.

As euro-élites estão em uma cruzada – investidas demais na carga emocional e na euforia da “causa” da Ucrânia para ter sequer considerado um Plano “B”.

E mesmo que um Plano 'B' fosse considerado, a UE tem menos marcha à ré do que os EUA. O zeitgeist de Bruxelas é concreto. Estruturalmente, a UE é incapaz de se auto-reformar, ou de mudar radicalmente de rumo e a Europa mais ampla agora carece dos “vasos” através dos quais mudanças políticas decisivas podem ser efetuadas.

Segurem os seus chapéus!

 

11
Jan21

Analista: "El bloqueo de las cuentas de Trump por gigantes tecnológicos demuestra que ya son más poderosos que cualquier Gobierno"

Albertino Ferreira

Al bloquear las cuentas de Donald Trump, los gigantes tecnológicos "ha dejado claro que ya no están satisfechos con un mero monopolio sobre una de las pocas industrias rentables" en el país, sostiene una experta.





 

La decisión de algunos gigantes tecnológicos de bloquear las cuentas del actual presidente de EE.UU., Donald Trump, demuestra que ya son "más poderosos que cualquier Gobierno". Así lo advierte en un artículo de opinión para RT la periodista y experta política estadounidense Helen Buyniski, que asegura que el estado dirigido por empresas "con políticos que actúan como simples testaferros" equivale "al mismo fascismo al que afirman oponerse". 

 

 


 


Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub