O Primeiro-Ministro israelita, Benjamin Netanyahu anuncia que Israel está em guerra. Pela primeira vez na sua história, o Estado hebreu é atacado no seu próprio território. Primeiro, ele vai “limpá-lo” , depois lançará uma guerra contra-insurreição em Gaza, no do modelo da « batalha de Argel » e da « operação Fénix » no Vietname : Tratar-se-á de uma guerra muito suja, mortífera e ilimitada. Israel poderá restabelecer a ordem em seu proveito, mas jamais poderá vencer.

O Próximo-Oriente é um universo instável no qual muitos grupos se enfrentam para sobreviver. Para simplificar, consideramos no Ocidente que a sua população se compõe de judeus, cristãos e muçulmanos, mas a realidade é muito mais complexa. Cada religião compõe-se ela própria de uma infinidade de crenças. Por exemplo, na Europa e no Magrebe, estamos cientes que os cristãos se dividem em Igreja Católica, Igrejas Ortodoxas e Igrejas Protestantes, mas no Médio-Oriente existem dezenas e dezenas de Igrejas diferentes. A mesma constatação é verdadeira no seio das religiões judaica e muçulmana.

Cada vez que uma peça é modificada no tabuleiro, todos os outros grupos têm de se reposicionar. É por isso que os aliados de hoje, serão talvez os inimigos de amanhã, enquanto os inimigos de hoje eram os nossos aliados de ontem. Ao longo dos séculos, todos se tornaram simultaneamente vítimas e carrascos. Os estrangeiros que vão ao Médio-Oriente identificam-se a priori com pessoas que têm a mesma cultura que eles, a mesma fé, mas ignoram a sua história e não estão preparados para a aceitar.

Se quisermos promover a paz, não devemos escutar unicamente aqueles de quem nos sentimos próximos. Temos que admitir que a paz supõe resolver não só as injustiças de que sofrem os nossos amigos, mas também as de que sofrem os nossos inimigos. Ora, não é isso que fazemos espontaneamente. Assim, nos meses precedentes, em França, ouvimos exclusivamente o ponto de vista de certos Ucranianos face aos Russos, de certos Arménios face aos Azeris e agora de certos Israelitas(Israelenses-br) face aos Palestinianos.

Finalmente, entre as múltiplas fontes às quais podemos recorrer, devemos distinguir aquelas que defendem os seus interesses materiais imediatos, aquelas que defendem a sua pátria e aquelas que defendem princípios. Contudo, as coisas são complicadas por grupos, não religiosos, mas teocráticos. Estes últimos não defendem nenhum princípio superior, antes utilizam uma linguagem religiosa para vencer.

Fixando estes pontos prévios, vamos aos factos.

O Hamas atacou Israel em 7 de Outubro de 2023, às 6 horas da manhã, quer dizer, por ocasião do 50º aniversário da «Guerra de Outubro de 73», conhecida no Ocidente pelo nome israelita de «Guerra do Kippur». À época, o Egipto e a Síria atacaram Israel de surpresa para ir em auxílio dos Palestinianos. Mas Telavive, informada por Amã e apoiada por Washington, esmagou os exércitos árabes. Anwar el-Sadat traíra os seus, enquanto a Síria acabou perdendo o Golã.

A operação actual combina em simultâneo uma chuva de foguetes, destinados a saturar a Cúpula de Ferro, e 22 ataques terrestres em território israelita. Pela primeira vez na Palestina, os disparos de foguetes foram dirigidos sobre centros de comando israelitas de maneira a favorecer as acções dos comandos. Estas últimas são oficialmente destinadas a fazer reféns de modo a poder negociar a sua troca com os 1. 256 detidos palestinianos em prisões de alta segurança. As infiltrações tiveram lugar simultaneamente por via terrestre, marítima e aérea (com ultraleves).

A preparação desta operação, a obtenção de Inteligência, a formação de um milhar comandos e a transferência de armas exigiram meses, senão anos de trabalho. Ora, cegos pela nossa convicção de superioridade, não o vimos. Ela foi, portanto, concebida por Mohammad Daif, o chefe operacional do Hamas, que havia desaparecido dos radares durante dois anos e reapareceu ao lado do porta-voz do Hamas, « Abu-Obaida ».

Conseguindo detectar os foguetes, mas incapaz de os destruir a todos, Israel encaixou pelo menos 3. 000 dos 7. 000 disparados. As redes sociais e os canais de televisão árabes mostraram que o Hamas capturou vários tanques e pelo menos o posto fronteiriço a Oeste da Faixa. Além disso, ele atacou uma “rave party” no Kibutz Re’im, onde violou e massacrou pelo menos 280 participantes. Por todo o lado, sequestrou um grande número de reféns, incluindo generais. Os seus comandos penetraram em várias cidades israelitas, disparando de metralhadora sobre os moradores. Listam-se pelo menos 700 mortos e 2. 200 feridos graves do lado israelita, o dobro do lado palestiniano.

Trata-se da mais importante acção palestiniana desde há meio século.

O que se passa é o fruto de 75 anos de opressão e de violação do Direito Internacional. Dezenas de Resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas foram violadas por Israel, sem nenhuma sanção a respeito. Israel é um Estado fora da Lei que não hesitou em corromper ou assassinar a quasi-totalidade dos dirigentes políticos palestinianos. Deliberadamente, ele impediu o desenvolvimento económico dos Territórios, ao mesmo tempo favorecendo a criação de um Estado palestiniano separado que controla parcialmente.

A frustração e o sofrimento acumulados ao longo de 75 anos traduzem-se em comportamentos violentos e cruéis de alguns Palestinianos, cientes de terem sido há muito tempo abandonados pela Comunidade internacional. No entanto, os tempos mudam. A maioria dos membros das Nações Unidas, que puderam constatar na Síria e na Ucrânia o falhanço militar dos Ocidentais e a vitória da Rússia, já não se limitam a baixar a cabeça perante os Estados Unidos. A Assembleia Geral reafirmou, por ocasião do aniversário da autoproclamação da independência de Israel e do massacre e expulsão dos Palestinianos (a Nakhba), que o Direito Internacional está do lado dos Palestinianos e não dos Israelitas. O que não impede o Hamas de cometer crimes de guerra.

A actual situação é uma situação sem saída para os dois campos. Após três quartos de século de crimes, Israel já não pode fingir grande coisa. A sua população está agora dividida. Durante os últimos meses, os «sionistas negacionistas», isto é, os discípulos do Ucraniano Vladimir Jabotinsky, favoráveis ao supremacismo judaico, tomaram o poder em Telavive apesar da oposição de uma pequena maioria da população e de gigantescas manifestações. Os seus jovens, que aspiram a viver em paz, recusam servir nas Forças Armadas para brutalizar os árabes, mas ainda assim juntaram-se a elas para defender as suas famílias que amam e o seu país, no qual não acreditam.

Pelo Direito, os Palestinianos formaram um Estado, que obteve o estatuto de observador nas Nações Unidas. À morte de Yasser Arafat, o chefe da Fatah, Mahmud Abbas, foi eleito Presidente. Contudo, no seguimento da vitória do Hamas nas eleições legislativas de 2007 e na impossibilidade de fazer aceitar aos Ocidentais um governo do Hamas, os Palestinianos envolveram-se numa guerra civil. Em resumo, a Cisjordânia é governada pela Fatah, o Partido laico criado por Yasser Arafat. Mahmud Abbas e os seus próximos são financiados pelos Estados Unidos, pela União Europeia e por Israel. Enquanto a Faixa de Gaza está nas mãos do Hamas, quer dizer, do ramo palestiniano da Confraria dos Irmãos Muçulmanos. Ela é governada por indivíduos que não concebem o Islão do ponto de vista espiritual, mas como uma arma de conquista. Eles são financiados sobretudo pelo Reino Unido, Catar, Israel, Turquia, Irão e União Europeia. Desde há 16 anos, os dois campos opuseram-se a quaisquer novas eleições. Os seus dirigentes vivem num luxo mafioso que contrasta com as
condições de vida miseráveis do seu povo.

Aquando da sua criação, o Hamas era financiado pelo Reino Unido. Ele foi apoiado pelos Serviços Secretos israelitas para enfraquecer a Fatah de Yasser Arafat. Depois Israel combateu-o e assassinou o seu líder religioso, o Xeque Ahmed Yassine. A seguir, de novo Israel usou o Hamas para eliminar os dirigentes da Resistência palestiniana marxista, desta vez. Assim, combatentes do Hamas enquadrados por agentes da Mossad e jiadistas da Alcaida atacaram o campo palestiniano de Yarmuk no início da guerra contra a Síria [1]. Mas hoje, uma vez mais, o Hamas combate o seu aliado de ontem, Israel.

Mohammad Daif é conhecido por ser o fundador das brigadas Izz al-Din al-Qassam. Como todos os Irmãos Muçulmanos, ele é um supremacista islâmico. Ele refere-se a Izz al-Din al-Qassam (1882-1935), um opositor do mandato francês no Líbano e do mandato britânico na Palestina. Portanto, ele não tem qualquer inspiração no antigo Mufti de Jerusalém e aliado dos nazis, Amin al-Husseini, embora partilhe o seu “anti-semitismo”. Em 2010 ele escrevia : «As Brigadas Izz ad-Din al-Qassam... estão mais bem preparadas para continuar na nossa via exclusiva onde não há alternativa, e é o caminho da jihad e da luta contra os inimigos da nação e da humanidade muçulmana.... Dizemos aos nossos inimigos : vós seguis pelo caminho da extinção (zawal), e a Palestina ficará sendo nossa, incluindo Al Qods (Jerusalém), Al -Aqsa (mesquita), as suas cidades e aldeias desde o mar ( Mediterrâneo) até ao rio (Jordânia), do Norte até ao Sul. Vós não tendes direito a nem tanto como um centímetro disso ». Mohammad Daif não é um militar, mas sim um especialista em captura de reféns. A sua operação foi concebida para este fim e não para libertar a Palestina.

No momento em que a saúde do Presidente Mahmud Abbas se deteriora, a Fatah está dividida em três facções militares :
• a de Fathi Abu al-Ardate, o Chefe da Segurança Nacional
• a de Mohammad Abdel Hamid Issa (aliás « Lino »), comandante da Kifah al-Mussallah (a luta armada). Ela insere-se na corrente de Mohamed Dallan, 0 antigo chefe das Informações palestinianas que assassinou Yasser Arafat. Ela é actualmente apoiada pelos Emirados Árabes Unidos.
• a de Munir Maqdah, antigo chefe militar da Fatah, que se aproximou do Hamas, do Catar, da Turquia e do Irão.

No mês passado, confrontos opuseram estas três facções às dos islamistas do Hamas, bem como do Jund el-Sham e do al-Shabab al-Moslem, dois grupos jiadistas que combateram ao lado da OTAN e de Israel contra a República Árabe Síria. Violentos combates tiveram lugar no campo de Aïn el-Héloué (Sídon, Sul do Líbano). Na altura, eu interpretara-os à luz dos de Nahr el-Bared (Norte do Líbano), em 2007, antes de perceber que estavam ligados à agonia de Mahmud Abbas.

Durante 75 anos, Telavive fez tudo o que estava ao seu alcance para negar a igualdade entre todos, sejam judeus ou árabes. Pelo contrário, desde o Apelo de Genebra, tem promovido « a solução de dois Estados », quer dizer, o plano colonial da última chance de Lord William Peel, que os britânicos não conseguiram impor, nem no terreno, em 1937, nem nas Nações Unidas, em 1948, mas que hoje em dia reúne consenso. Agora, apenas os marxistas da Frente Popular de Libertação da Palestina (FPLP) pregam no deserto propondo criar um Estado único no qual cada homem disporia de uma voz igual.

Face ao que ele considera como uma invasão palestiniana, mas que do ponto de vista palestiniano não é mais que um regresso a casa, o Primeiro-Ministro Benjamin Netanyahu prometeu a vitória. Mas o que será ? Matar todos os combatentes do Hamas não resolverá 75 anos de injustiça. Os seus filhos retomarão a sua chama tal como estes retomaram a de seus pais.

Para atingir o seu objectivo, Benjamin Netanyahu deve primeiro unir os Israelitas que ele dividiu. Seguindo o exemplo de Golda Meir durante a « Guerra dos Seis Dias », ele deve fazer entrar a Oposição para o governo. Assim encontrou-se com Yaïr Lapid e com o General Benny Gantz. No entanto, o primeiro pôs como condição que os supremacistas judeus, Bezalel Smotrich e Itamar Ben-Gvir, abandonem o governo, ou seja, que o Primeiro-Ministro abandone o seu projecto político e o dos seus actuais patrocinadores, os straussianos da Administração Biden.

Os dirigentes do Hamas apelaram aos refugiados palestinianos no estrangeiro, a todos os árabes e a todos os muçulmanos para se unirem ao seu combate. Os refugiados palestinianos, significa dizer primeiro a maioria da população jordana e os do Líbano. Os árabes, quer dizer o Hezbolla libanês e a Síria, dois poderes que renovaram com o Hamas no decurso dos últimos meses. Os muçulmanos significa o Irão e a Turquia.

De momento, apenas a Jihad Islâmica, quer dizer, o Irão, e os diversos grupos da Resistência da Cisjordânia se juntaram ao Hamas.

Saindo da sombra, o Presidente Erdogan apelou, em 8 de Outubro, à aplicação das Resoluções do Conselho de Segurança sobre a Palestina.

Contrariamente ao que pretende o Wall Street Journal, não é o Irão que dirige o Hamas. Isto é esquecer o acordo feito entre Hassan El-Banna, o fundador dos Irmãos Muçulmanos, e Ruhollah Khomeini, o fundador da República islâmica do Irão. Os dois grupos dividiram o mundo muçulmano entre si e abstêm-se de intervir significativamente na esfera de influência do outro. Teerão não para de afirmar ruidosamente o seu apoio aos Palestinianos, mas a sua acção concreta na Palestina limita-se à Jihad Islâmica.

Os dirigentes políticos do Hamas vivem na Turquia, sob a protecção dos Serviços Secretos. É Ancara que dirige o Hamas e a operação « Dilúvio de Al-Aqsa ». Inaugurando, no domingo, 8 de outubro, uma igreja ortodoxa siríaca, o Presidente Recep Tayyip Erdoğan declarou, em tom meloso : «O estabelecimento da tranquilidade, de uma paz duradoura e da estabilidade na região através da solução da questão palestina de acordo com o direito internacional é a prioridade absoluta sobre a qual nos concentramos durante as nossas conversas com os nossos homólogos (…) Infelizmente, os Palestinianos e os Israelitas, assim como toda a região, pagam o preço do atraso na administração da justiça (…) Atirar gasolina para a fogueira não beneficiará ninguém, incluindo os civis dos dois lados. A Turquia está pronta a fazer a sua parte, da melhor forma possível, para pôr fim aos combates o mais rapidamente possível e aliviar a tensão crescente devido aos recentes incidentes ».

A escolha por Ancara em desencadear esta nova guerra depois de mal esmagada a República de Artsakh, no Azerbaijão, e quando envia material militar para a Rússia, em violação das medidas coercivas unilaterais dos EUA, leva a pensar que os diplomatas turcos já não têm medo de Washington, a qual, portanto, havia tentado assassinar o Presidente Erdoğan, em 2016. Assim que esta operação estiver terminada, seguir-se-á uma outra contra os Curdos, na Síria e no Iraque.

Se o Hezbolla entrar em cena, Israel não conseguirá repelir o ataque sozinho. A sua existência só pode ser garantida com o apoio militar dos Estados Unidos. Ora, a opinião pública dos EUA já não apoia Israel, enquanto o Pentágono já não tem o poder para o defender. O que se passa actualmente é uma das consequências da guerra na Ucrânia. Washington não consegue fabricar munições suficientes para os seus aliados ucranianos. Foi mesmo forçada a levantar munições dos seus stocks (estoques-br) em Israel. E, já esvaziou lá os seus arsenais.

Nas primeiras horas do conflito, o Hezbolla disparou alguns foguetes contra as quintas de Chebaaa, ou seja, sobre o território disputado entre o Líbano e Israel. Mostrou assim que apoia a Resistência palestiniana dento da retórica da «unidade de frentes». Mas não entrou na guerra, porque desconfia do Hamas que teve de combater na Síria. E de quem não partilha a ideologia, a da Irmandade.

Todos os dirigentes ocidentais garantiram que condenam as acções terroristas do Hamas e que apoiam Israel. No passado, nada fizeram para resolver as injustiças na Palestina e estas posições de princípio atestam que não o farão agora. Por seu lado, a Rússia e a China, recusando tomar partido pelos Palestinianos ou pelos Israelitas, apelaram, não à aplicação das regras ocidentais, mas ao respeito pelo Direito Internacional. Encontra-mo-nos agora face a uma situação onde todos os intervenientes deliberadamente sabotaram antecipadamente cada solução, de modo que é agora quase impossível evitar que tudo isto não termine num banho de sangue.