Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

25
Fev24

Dois anos após o início do SMO, o Ocidente está totalmente paralisado

José Pacheco
Pepe Escobar 24 de fevereiro de 2024
 

24 de fevereiro de 2022 foi o dia que mudou para sempre a geopolítica do século 21 , escreve Pepe Escobar.

❗️ Junte-se a nós no  Telegram ,  Twitter  e  VK .

Contate-nos:  info@strategic-culture.su

Há exatos dois anos, neste sábado, 24 de fevereiro de 2022, Vladimir Putin anunciou o lançamento – e descreveu os objetivos – de uma Operação Militar Especial (SMO) na Ucrânia. Esta foi a sequência inevitável do que aconteceu três dias antes, em 21 de Fevereiro – exactamente 8 anos depois de Maidan 2014 em Kiev – quando Putin reconheceu oficialmente as autoproclamadas repúblicas de Donetsk e Lugansk.

Durante este – repleto de significado – curto espaço de apenas três dias, todos esperavam que as Forças Armadas Russas interviessem, militarmente, para acabar com os massivos bombardeamentos e bombardeamentos que vinham acontecendo há três semanas na linha da frente – o que até forçou o Kremlin para evacuar populações em risco para a Rússia. A inteligência russa tinha provas conclusivas de que as forças de Kiev apoiadas pela OTAN estavam prontas para executar uma limpeza étnica no Donbass russófono.

24 de fevereiro de 2022 foi o dia que mudou para sempre a geopolítica do século 21 , de várias maneiras complexas. Acima de tudo, marcou o início de um confronto cruel e total, “técnico-militar”, como lhe chamam os russos, entre o Império do Caos, das Mentiras e da Pilhagem, os seus vassalos facilmente flexíveis da NATO-Stão, e a Rússia – com a Ucrânia como o campo de batalha.

Não há dúvida de que Putin tinha calculado, antes e durante estes três dias fatídicos, que as suas decisões iriam desencadear a fúria ilimitada do Ocidente colectivo – completada com um tsunami de sanções.

Sim, aí está o problema; é tudo uma questão de soberania. E um verdadeiro poder soberano simplesmente não pode viver sob ameaças permanentes. É até possível que Putin quisesse ( grifo meu) que a Rússia fosse sancionada até à morte. Afinal de contas, a Rússia é tão naturalmente rica que, sem um desafio sério do exterior, a tentação é enorme de viver das suas rendas enquanto importa o que poderia facilmente produzir.

Os excepcionalistas sempre se vangloriaram de que a Rússia é “um posto de gasolina com armas nucleares”. Isso é ridículo. O petróleo e o gás, na Rússia, representam cerca de 15% do PIB, 30% do orçamento do governo e 45% das exportações. O petróleo e o gás acrescentam poder à economia russa – o que não é um obstáculo. Putin, ao abalar a complacência da Rússia, gerou um posto de gasolina que produz tudo o que necessita, completo com armas nucleares e hipersónicas incomparáveis. Supere isso.

A Ucrânia “nunca foi menos que uma nação”

Xavier Moreau é um analista político-estratégico francês radicado na Rússia há 24 anos. Formado pela prestigiosa academia militar de Saint-Cyr e diplomado pela Sorbonne, apresenta dois programas na RT França.

O seu último livro, Ukraine: Pourquoi La Russie a Gagné (“Ucrânia: Por que a Rússia venceu”), recém-lançado, é um manual essencial para o público europeu sobre as realidades da guerra, e não aquelas fantasias infantis inventadas em toda a esfera da OTANistão por instantes. “especialistas” com menos de zero experiência militar em armas combinadas.

Moreau deixa bem claro aquilo de que todo analista imparcial e realista estava ciente desde o início: a devastadora superioridade militar russa, que condicionaria o final do jogo. O problema, ainda, é como este objectivo final – “desmilitarização” e “desnazificação” da Ucrânia, tal como estabelecido por Moscovo – será alcançado.

O que já está claro é que a “desmilitarização” da Ucrânia e da NATO é um sucesso estrondoso que nenhuma nova wunderwaffen – como os F-16 – será capaz de mudar.

Moreau compreende perfeitamente como a Ucrânia, quase 10 anos depois de Maidan, não é uma nação; “e nunca foi menos que uma nação”. É um território onde se confundem as populações que tudo separa. Além disso, tem sido um Estado falido – “grotesco” – desde a sua independência. Moreau passa várias páginas altamente divertidas abordando a grotesca corrupção na Ucrânia, sob um regime que “obtém suas referências ideológicas simultaneamente através de admiradores de Stepan Bandera e Lady Gaga”.

Nada do que foi dito acima, é claro, é relatado pelos principais meios de comunicação europeus controlados pelos oligarcas.

Cuidado com Deng Xiao Putin

O livro oferece uma análise extremamente útil daquelas elites polacas perturbadas que suportam “uma pesada responsabilidade na catástrofe estratégica que aguarda Washington e Bruxelas na Ucrânia”. Os polacos realmente acreditavam que a Rússia iria desmoronar por dentro, completada com uma revolução colorida contra Putin. Isso mal se qualifica como Brzezinski viciado em crack.

Moreau mostra como 2022 foi o ano em que a OTANtão, especialmente os anglo-saxões – russófobos historicamente racistas – estavam convencidos de que a Rússia iria desistir por ser uma “potência pobre”. Obviamente, nenhum destes luminares compreendeu como Putin fortaleceu a economia russa, tal como Deng Xiaoping compreendeu a economia chinesa. Esta “autointoxicação”, como a qualifica Moreau, fez maravilhas pelo Kremlin.

Neste momento é claro, mesmo para os surdos, mudos e cegos, que a destruição da economia europeia tem sido uma tática enorme, uma vitória histórica para o Hegemon – tanto quanto a guerra relâmpago contra a economia russa tem sido um fracasso abismal.

Tudo o que foi dito acima nos leva à reunião dos Ministros das Relações Exteriores do G20 esta semana no Rio. Isso não foi exatamente um avanço. O Ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, deixou bem claro que o Ocidente colectivo no G20 tentou por todos os meios “ucranizar” a agenda – com menos de zero sucesso. Eles foram superados em número e contra-atacados pelos BRICS e pelos membros do Sul Global.

Na sua conferência de imprensa, Lavrov não poderia ser mais severo sobre as perspectivas da guerra do Ocidente colectivo contra a Rússia. Estes são os destaques:

  • Os países ocidentais não querem categoricamente um diálogo sério sobre a Ucrânia.
  • Não houve propostas sérias dos Estados Unidos para iniciar contactos com a Federação Russa sobre estabilidade estratégica; a confiança não pode ser restaurada agora enquanto a Rússia é declarada inimiga.
  • Não houve contactos à margem do G20 com Blinken ou com o Ministro dos Negócios Estrangeiros britânico.
  • A Federação Russa responderá às novas sanções ocidentais com ações práticas relacionadas com o desenvolvimento autossuficiente da economia russa.
  • Se a Europa tentar restabelecer os laços com a Federação Russa, tornando-a dependente dos seus caprichos, então tais contactos não serão necessários.

Em poucas palavras – diplomaticamente: você é irrelevante e nós não nos importamos.

Isto complementou a intervenção de Lavrov durante a cimeira, que definiu mais uma vez um caminho claro e auspicioso para a multipolaridade. Aqui estão os destaques:

  • A formação de uma ordem mundial multipolar justa, sem centro e periferia definidos, tornou-se muito mais intensa nos últimos anos. Os países asiáticos, africanos e latino-americanos estão a tornar-se partes importantes da economia global. Não raro, eles estão dando o tom e a dinâmica.
  • Muitas economias ocidentais, especialmente na Europa, estão na verdade estagnadas neste contexto. Estas estatísticas provêm de instituições supervisionadas pelo Ocidente – o FMI, o Banco Mundial e a OCDE.
  • Estas instituições estão a tornar-se relíquias do passado. A dominação ocidental já está a afectar a sua capacidade de satisfazer as exigências dos tempos. Entretanto, é hoje perfeitamente óbvio que os actuais problemas da humanidade só podem ser resolvidos através de um esforço concertado e com a devida consideração pelos interesses do Sul Global e, em geral, de todas as realidades económicas globais.
  • Instituições como o FMI, o Banco Mundial, o BERD e o BEI estão a dar prioridade às necessidades militares e outras de Kiev. O Ocidente atribuiu mais de 250 mil milhões de dólares para ajudar os seus subordinados, criando assim escassez de financiamento noutras partes do mundo. A Ucrânia está a absorver a maior parte dos fundos, relegando África e outras regiões do Sul Global ao racionamento.
  • Os países que se desacreditaram ao utilizarem actos ilegais que vão desde sanções unilaterais e apreensão de activos soberanos e propriedade privada até bloqueios, embargos e discriminação contra operadores económicos com base na nacionalidade para acertar contas com os seus oponentes geopolíticos não podem ser considerados garantes da estabilidade financeira.
  • Sem dúvida, são necessárias novas instituições que se concentrem no consenso e no benefício mútuo para democratizar o sistema de governação económica global. Hoje, assistimos a uma dinâmica positiva no fortalecimento de várias alianças, incluindo os BRICS, a SCO, a ASEAN, a União Africana, a LAS, a CELAC e a EAEU.
  • Este ano, a Rússia preside o BRICS, ao qual se juntaram vários novos membros. Faremos o nosso melhor para reforçar o potencial desta associação e os seus laços com o G20.
  • Considerando que 6 dos 15 membros do Conselho de Segurança da ONU representam o bloco ocidental, apoiaremos a expansão deste órgão apenas através da adesão de países da Ásia, África e América Latina.

Chame-o de situação real, geopoliticamente, dois anos após o início do SMO.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub