Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Artigos Meus

Artigos Meus

24
Jan23

'Mundo fragmentado' caminha como um sonâmbulo para a Terceira Guerra Mundial

José Pacheco

E. Todd: inesperadamente lúcido para uma época de confusão fabricada.

As autodenominadas “elites” de Davos estão com medo. Tanto medo. Nas reuniões do Fórum Econômico Mundial desta semana, o idealizador Klaus Schwab – exibindo sua marca registrada como vilão de Bond – reclamou repetidamente sobre um imperativo categórico: precisamos de  “Cooperação em um Mundo Fragmentado” .


Embora seu diagnóstico de “a fragmentação mais crítica” em que o mundo está agora atolado seja previsivelmente sombrio, Herr Schwab afirma que “o espírito de Davos é positivo” e, no final, todos podemos viver felizes em uma “economia verde sustentável”.

O que Davos tem feito bem esta semana é inundar a opinião pública com novos mantras. Há o “Novo Sistema” que, considerando o fracasso abjeto do muito alardeado Great Reset, agora parece uma questão de atualizar às pressas o atual – agitado – sistema operacional.

Davos precisa de novo hardware, novas habilidades de programação e até mesmo um novo vírus. No entanto, no momento, tudo o que está disponível é uma “policrise”: ou, na linguagem de Davos, um “aglomerado de riscos globais relacionados com efeitos compostos”.

Em bom português: uma tempestade perfeita.

Os chatos insuportáveis ​​daquela ilha de dividir para reinar no norte da Europa acabaram de descobrir que a “geopolítica”, infelizmente, nunca realmente entrou no espalhafatoso túnel do “fim da história”: para sua surpresa, agora está centrada – novamente – em todo o Heartland, como é foi durante a maior parte da história registrada.

Eles reclamam da geopolítica “ameaçadora”, que é o código para Rússia-China, com o Irã anexado.

Mas a cereja no topo do bolo alpino é a arrogância/estupidez na verdade entregando o jogo: a cidade de Londres e seus vassalos estão lívidos porque o “mundo que Davos fez” está desmoronando rapidamente.

Davos não “criou” nenhum mundo além de seu próprio simulacro.

Davos nunca acertou em nada, porque essas “elites” estavam sempre ocupadas elogiando o Império do Caos e suas “aventuras” letais pelo Sul Global.

Davos não apenas falhou em prever todas as grandes crises econômicas recentes, mas acima de tudo a atual “tempestade perfeita”, ligada à desindustrialização gerada pelo neoliberalismo do Ocidente Coletivo.

E, claro, Davos não tem noção do verdadeiro Reset que está ocorrendo em direção à multipolaridade.

Autodenominados formadores de opinião estão ocupados “redescobrindo” que The Magic Mountain, de Thomas Mann, foi ambientado em Davos – “tendo como pano de fundo uma doença mortal e uma iminente guerra mundial” – quase um século atrás.

Bem, hoje em dia a “doença” – totalmente bioarmada – não é exatamente mortal per se. E a “Iminente Guerra Mundial” está de fato sendo ativamente encorajada por uma cabala de neoconservadores e neoliberais straussianos dos EUA: um Estado Profundo não eleito, inexplicável e bipartidário, nem mesmo sujeito à ideologia. O centenário criminoso de guerra Henry Kissinger ainda não entendeu.

Um painel de Davos sobre desglobalização estava repleto de non-sequiturs, mas pelo menos uma dose de realidade foi fornecida pelo ministro das Relações Exteriores húngaro, Peter Szijjarto.

Quanto ao vice-primeiro-ministro da China, Liu He, com seu vasto conhecimento de finanças, ciência e tecnologia, pelo menos ele foi muito útil para estabelecer as cinco principais diretrizes de Pequim para o futuro próximo – além da costumeira sinofobia imperial.

A China se concentrará na expansão da demanda doméstica; manter as cadeias industriais e de abastecimento “suaves”; aposta no “desenvolvimento saudável do setor privado”; aprofundar a reforma das empresas estatais; e almejar “investimentos estrangeiros atraentes”.

Resistência russa, precipício americano

Emmanuel Todd não estava em Davos. Mas foi o antropólogo, historiador, demógrafo e analista geopolítico francês que acabou agitando todas as penas apropriadas em todo o Ocidente coletivo nos últimos dias com um objeto antropológico fascinante: uma entrevista baseada na realidade.

Todd falou com o Le Figaro – o jornal preferido do establishment francês e da alta burguesia. A entrevista foi publicada na última sexta-feira na página 22, espremida entre proverbiais discursos russofóbicos e com uma menção extremamente breve na parte inferior da primeira página. Então as pessoas realmente tiveram que trabalhar duro para encontrá-lo.

Todd brincou que tem a reputação – absurda – de “destruidor rebelde” na França, enquanto no Japão é respeitado, destaque na grande mídia, e seus livros são publicados com grande sucesso, incluindo o mais recente (mais de 100.000 cópias vendidas): “ A Terceira Guerra Mundial Já Começou”.

Significativamente, este best-seller japonês não existe em francês, considerando que toda a indústria editorial com sede em Paris segue a linha da UE/OTAN na Ucrânia.

O fato de Todd acertar várias coisas é um pequeno milagre no atual cenário intelectual europeu abissalmente míope (existem outros analistas especialmente na Itália e na Alemanha, mas eles têm muito menos peso do que Todd).

Então, aqui estão os maiores sucessos concisos de Todd.

– Uma nova Guerra Mundial está em andamento: “ao passar de uma guerra territorial limitada para um choque econômico global, entre o Ocidente coletivo de um lado e a Rússia ligada à China do outro lado, isso se tornou uma Guerra Mundial”.

– O Kremlin, diz Todd, cometeu um erro ao calcular que uma sociedade ucraniana em decomposição entraria em colapso imediatamente. É claro que ele não entra em detalhes sobre como a Ucrânia foi armada ao máximo pela aliança militar da OTAN.

– Todd está certo quando enfatiza como a Alemanha e a França se tornaram parceiros menores na OTAN e não estavam cientes do que estava sendo planejado militarmente na Ucrânia: “Eles não sabiam que os americanos, britânicos e poloneses poderiam permitir que a Ucrânia lutasse por um período prolongado. guerra. O eixo fundamental da OTAN agora é Washington-Londres-Varsóvia-Kiev.”

– A principal revelação de Todd é matadora: “A resistência da economia da Rússia está levando o sistema imperial americano ao precipício. Ninguém previu que a economia russa resistiria diante do 'poder econômico' da OTAN”.

– Consequentemente, “os controles monetários e financeiros americanos sobre o mundo podem entrar em colapso e, com eles, a possibilidade de os EUA financiarem de graça seu enorme déficit comercial”.

– E é por isso que “estamos em uma guerra sem fim, em um confronto onde a conclusão é o colapso de um ou de outro”.

– Sobre a China, Todd pode soar como uma versão mais combativa de Liu He em Davos: “Esse é o dilema fundamental da economia americana: ela não pode enfrentar a concorrência chinesa sem importar mão de obra chinesa qualificada.”

– Quanto à economia russa, “ela aceita as regras do mercado, mas com um papel importante para o Estado, e mantém a flexibilidade de formar engenheiros que permitem adaptações, industriais e militares”.

– E isso nos traz, mais uma vez, à globalização, de uma forma que as mesas de Davos foram incapazes de entender: “Deslocalizamos tanto nossa atividade industrial que não sabemos se nossa produção bélica poderá ser sustentada”.

– Em uma interpretação mais erudita dessa falácia do “choque de civilizações”, Todd aposta no soft power e chega a uma conclusão surpreendente: “Em 75% do planeta, a organização da paternidade era patrilinear, e é por isso que podemos identificar uma forte compreensão da posição russa. Para o coletivo não-ocidental, a Rússia afirma um conservadorismo moral tranquilizador”.

– Então, o que Moscou conseguiu foi “reposicionar-se como o arquétipo de uma grande potência, não apenas “anticolonialista”, mas também patrilinear e conservadora em termos de costumes tradicionais”.

Com base em tudo o que foi dito acima, Todd destrói o mito vendido pelas “elites” da UE/NATO – incluindo Davos – de que a Rússia está “isolada”, enfatizando como os votos na ONU e o sentimento geral em todo o Sul Global caracterizam a guerra “, descreveu pela grande mídia como um conflito sobre valores políticos, de fato, em um nível mais profundo, como um conflito de valores antropológicos”.

Entre a luz e a escuridão

Será que a Rússia – ao lado do verdadeiro Quad, como eu os defini (com China, Índia e Irã) – está prevalecendo nas apostas antropológicas?

O verdadeiro Quad tem tudo para florescer em um novo foco intercultural de esperança em um “mundo fragmentado”.

Misture a China confucionista (não dualista, sem divindade transcendental, mas com o Tao fluindo por tudo) com a Rússia (cristã ortodoxa, reverenciando a divina Sophia); Índia politeísta (roda do renascimento, lei do carma); e o Irã xiita (o Islã precedido pelo zoroastrismo, a eterna batalha cósmica entre a Luz e as Trevas).

Essa unidade na diversidade é certamente mais atraente e edificante do que o eixo Guerra Eterna.

O mundo aprenderá com isso? Ou, para citar Hegel – “o que aprendemos com a história é que ninguém aprende com a história” – estamos irremediavelmente condenados?

15
Dez22

O cuco americano no ninho europeu

José Pacheco
Alastair Crooke
 

Para a Europa, a adoção irrefletida desse pensamento "cuco" americano em seu próprio ninho europeu é nada menos que catastrófica .

Larry Johnson – um veterano da CIA e do Departamento de Estado – identifica o 'cuco' aninhado no fundo do 'ninho' do pensamento ocidental sobre a Ucrânia. O pássaro tem duas partes intimamente relacionadas: a camada superior é a estrutura conceitual que postula que os EUA enfrentam duas esferas distintas de contenção: primeiro, EUA x Rússia e, segundo, EUA x China.

A estrutura mental essencial por trás desse 'cuco' – só para ser claro – é totalmente centrada nos Estados Unidos: é a visão do mundo de alguém espiando de Washington, matizada por pensamentos positivos.

É verdadeiramente um 'cuco' (ou seja, a inserção maliciosa de um intruso entre os filhotes legítimos), porque essas batalhas não são duas, como afirmado, mas uma. Como assim?

Esses dois conflitos não são distintos, mas se interconectam por meio da recusa ocidental em reconhecer que são as pretensões culturais ocidentais de superioridade que são o cerne do processo de desdobramento da reestruturação geopolítica atual.

O propósito do cuco é apagar esse aspecto central do enquadramento conceitual e, então, reduzir o todo a uma política de poder abstrata onde a Rússia e a China podem ser jogadas – uma contra a outra.

Simplificando, a bifurcação EUA x China separada para EUA x Rússia serve principalmente para "acomodar" o crescente cuco.

O professor John Mearsheimer, o sumo sacerdote da Realpolitik, articula a geopolítica de hoje (tão fluentemente como sempre) como sendo um dos hegemons 'Godzilla' agindo de acordo com sua natureza - jogando liberalmente seu peso (agindo imperialmente), enquanto outros, que falham em saia do caminho desses hegemons, termine como 'morte na estrada'.

A visão da Realpolitik – embora superficialmente atraente – é profundamente falha, pois apaga a questão central da geopolítica de hoje. Absolutamente não são apenas três 'Godzillas' em fúria lutando pelo espaço: fundamental para a geopolítica de hoje é que o Resto do Mundo se recusa a que os EUA falem por ele, definam suas estruturas políticas e financeiras ou aceitem ter o curioso 'desligar' do Ocidente com a 'cultura do cancelamento' imposta aos outros.

Larry Johnson escreve: “ Os oficiais do Serviço de Relações Exteriores dos EUA têm muito orgulho de acreditar que são superinteligentes. Trabalhei ao lado de algumas dessas pessoas por quatro anos e posso atestar a arrogância e o ar de auto-importância que impregnam o FSO típico enquanto desfilam pelo Departamento de Estado”.

E aqui está a chave: o pensamento superinteligente que emerge do Departamento de Estado é que toda a estratégia do Kremlin (nessa visão) depende da Rússia lutar contra os EUA por procuração (ou seja, na Ucrânia) – E não em conflito direto com os militares superiores Estados Unidos e toda a OTAN .

Rá, Rá, Rá! 'Os EUA têm as forças armadas mais poderosas que o mundo já conheceu'. Nada na história jamais foi igual. Enquanto a Rússia e a China são 'start-ups' ruins.

Claro - esta é uma linha de propaganda. Mas se você disser: temos os maiores, os melhores, os mais avançados militares da história do mundo com bastante frequência, a maioria da elite pode começar a acreditar (mesmo que haja um quadro no topo que não ). E se, além disso, você acredita ser 'superinteligente', isso se infiltrará em seu pensamento e o moldará.

Assim, o ex-funcionário do Departamento de Estado 'muito inteligente', Peter van Buren, opina no The American Conservative : [que desde o início da operação na Ucrânia], “Havia apenas dois resultados possíveis. A Ucrânia poderia chegar a uma solução diplomática que restabelecesse sua fronteira física oriental … e restabelecesse firmemente seu papel como estado tampão entre a OTAN e a Rússia. Ou, após perdas no campo de batalha e diplomacia, a Rússia poderia recuar para seu ponto de partida original de fevereiro” – e a Ucrânia se re-situaria entre a OTAN e a Rússia.

É isso - apenas dois resultados putativos.

Visto através das lentes cor-de-rosa de um 'Leviathon' militar global dos EUA, o argumento de dois resultados parece inexorável, escreve van Buren: “a rampa de saída na Ucrânia – um resultado diplomático – é claro o suficiente para Washington . A administração Biden parece satisfeita, vergonhosamente … em sangrar os russos como se fosse o Afeganistão em 1980 novamente – o tempo todo parecendo duro e absorvendo quaisquer sentimentos eleitorais bipartidários positivos devidos ao pseudo presidente de 'tempo de guerra' Joe Biden ”.

Van Buren, para seu crédito, dá um duro golpe na postura de Biden; no entanto, seu pensamento (tanto quanto o da equipe Biden) ainda está enraizado na falsa premissa de que a América é um colosso militar e a Rússia uma potência militar cambaleante.

A falha aqui é que, enquanto os EUA gastam militarmente como um colosso – depois de serem varridos pela política suína de DC e configurações 'just in time', focados na venda de armas para o Oriente Médio – a produção final é extremamente cara, mas inferiores também. Rússia – não é assim.

O que isso significa é importante: como observa Larry Johnson, não há apenas dois resultados possíveis, mas falta um terceiro . É que a Rússia, em última análise, ditará os termos do resultado da Ucrânia . Esta terceira alternativa ausente, paradoxalmente, também é a mais provável.

Sim, a narrativa dos EUA e da UE é que a Ucrânia está ganhando, mas como o Coronel Douglas Macgregor, um candidato anterior a Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, observa :

O governo Biden comete repetidamente o pecado imperdoável em uma sociedade democrática de se recusar a dizer a verdade ao povo americano: ao contrário da popular narrativa da “vitória ucraniana” da mídia ocidental, que bloqueia qualquer informação que a contradiga, a Ucrânia não está ganhando e não vai ganhar esta guerra… A próxima fase ofensiva do conflito fornecerá um vislumbre da nova força russa que está surgindo e suas capacidades futuras… Os números continuam a crescer, mas os números já incluem 1.000 sistemas de artilharia de foguetes, milhares de mísseis balísticos táticos, mísseis de cruzeiro mísseis e drones, além de 5.000 veículos blindados de combate, incluindo pelo menos 1.500 tanques, centenas de aeronaves de ataque tripuladas de asa fixa, helicópteros e bombardeiros. Esta nova força tem pouco em comum com o exército russo que interveio há nove meses, em 24 de fevereiro de

Para a Europa, a adoção irrefletida desse pensamento "cuco" americano em seu próprio ninho europeu é nada menos que catastrófica. Bruxelas – por extensão – absorveu a falsa afirmação de que a China é diferente do projeto russo. Esse dispositivo mental exclui intencionalmente o entendimento necessário de que a Europa enfrenta uma resistência crescente do eixo Rússia-China e de grande parte do mundo, que despreza suas pretensões de alguma superioridade de ordem superior.

Em segundo lugar, a aceitação da estrutura DC-smart de 'apenas duas alternativas' - 'porque os EUA são um gigante militar e a Rússia nunca ousaria nada além de uma guerra por procuração' - mostra o gordo cuco no ninho: a escalada da OTAN é relativamente livre de riscos: temos Putin preso na Ucrânia; ELE não se atreve a desencadear uma resposta completa da OTAN.

A Rússia, no entanto, está se preparando para lançar uma ofensiva de definição de resultados . Então, e a Europa? Você pensou nisso? Não, porque essa 'alternativa' nem sequer constava 'entre os parâmetros do quadro'.

Como consequência lógica, a política indeterminada e indefinida do “enquanto for necessário” simplesmente vincula a UE a “sanções eternas contra a Rússia” – levando a Europa ainda mais fundo em uma crise econômica, sem plano “B”. Nem mesmo uma sugestão de um.

No entanto, em outro nível, quase completamente ausente da análise europeia (por causa de sua adoção da análise falha que vê a 'Rússia como uma potência militar friável') – está a realidade não abordada: a disputa não é entre Kiev x Moscou  foi sempre entre EUA x Rússia .

A UE inevitavelmente será um mero espectador dessa discussão. Eles não terão lugar à mesa. Ou seja, se chegarmos a esse ponto... antes que a escalação redefina os parâmetros.

Em suma, vários diagnósticos errados equivalem a um tratamento curativo errado.

Quando Larry Johnson descreve sua experiência com a arrogância da elite e o ar de superioridade que permeia DC, ele poderia muito bem estar descrevendo a classe política européia caminhando altivamente pelos corredores de Bruxelas.

As consequências para essas pretensões não são triviais, mas de ordem estratégica. A mais imediata é que o apoio fanático da UE a Kiev e a adulação pública de certos 'nacionalistas' duvidosos afastaram cada vez mais a 'Ucrânia anti-russa' etnicamente de qualquer possibilidade de servir como um estado neutro ou tampão. Ou, de ser um trampolim para um compromisso no futuro. Então o que?

Pense nisso do ponto de vista russo: com o sentimento entre os ucranianos agora se tornando tão tóxico contra tudo o que é russo, isso inevitavelmente impõe um cálculo diferente a Moscou.

O avivamento por ativistas ucranianos, dentro da classe de liderança da UE, de tais sentimentos anti-russos tóxicos entre os ucranianos nacionalistas, inevitavelmente abriu uma linha de falha amarga na Ucrânia – e não apenas na Ucrânia sozinha; Está fraturando a Europa e criando uma linha divisória estratégica entre a UE e o resto do mundo.

O presidente Macron disse esta semana que vê "ressentimento" nos olhos do presidente russo Putin - "uma espécie de ressentimento" dirigido ao mundo ocidental, incluindo a UE e os EUA, e que é alimentado pelo "sentimento de que nossa perspectiva era destruir a Rússia”.

Ele está certo. O ressentimento, no entanto, não se limita aos russos, que passaram a odiar a Europa; ao contrário, em todo o mundo, o ressentimento está borbulhando em todas as vidas destruídas espalhadas na esteira do projeto hegemônico ocidental. Mesmo um ex-embaixador francês de alto escalão agora descreve a ordem baseada em regras como uma “ordem ocidental” injusta baseada na “hegemonia”.

A entrevista de Angela Merkel ao Zeit Magazine confirma para o resto do mundo que a autonomia estratégica da UE sempre foi uma mentira. Na entrevista, ela admite que sua defesa do cessar-fogo de Minsk em 2014 foi uma decepção. Foi uma tentativa de dar a Kiev tempo para fortalecer suas forças armadas – e foi bem-sucedida nesse aspecto, disse ela. “[A Ucrânia] usou esse tempo para ficar [militarmente] mais forte, como você pode ver hoje. A Ucrânia de 2014/15 não é a Ucrânia de hoje”.

Merkel surge como uma colaboradora confessa no 'pensamento inteligente' de usar a Ucrânia para sangrar a Rússia: “A Guerra Fria nunca acabou porque a Rússia basicamente não estava em paz”, diz Merkel. (Ela claramente havia comprado a pretensão de 'Poderosa OTAN – Rússia anã', vendida por Washington.)

Assim, à medida que a linha de falha tectônica global se aprofunda, o resto do mundo reconfirmou que a UE colaborou totalmente com o projeto dos EUA - não apenas para prejudicar a Rússia financeiramente, mas também para fazê-la sangrar no campo de batalha. (Tanto para a narrativa da UE de 'invasão russa não provocada'!)

Este é um 'manual' familiar; um que se desenrolou em meio a um enorme sofrimento em todo o mundo. Como a Eurásia se separa da esfera ocidental, seria uma surpresa se esta última pensasse em “isolar” tal toxicidade européia, junto com seu patrono hegemônico?

Merkel também foi agradavelmente franca sobre a qualidade da amizade alemã: o projeto Nordstream foi uma solução para Moscou em um momento difícil na Ucrânia, disse ela, acrescentando: "Aconteceu que a Alemanha não conseguiu combustível em outro lugar". (Nada de 'amizade estratégica' sobre isso então.)

É claro que Merkel estava falando sobre o legado... mas palavras de verdade muitas vezes escapam, nesses 'momentos' legados.

A UE posiciona-se como um ator estratégico; um poder político por direito próprio; um colosso de mercado; um monopsônio com o poder de impor sua vontade sobre quem negocia com ele. Em essência: a UE insiste que possui agência política significativa .

Mas Washington acabou de pisotear essa narrativa. Seu 'amigo', o governo Biden, está deixando a Europa para balançar no vento da desindustrialização, subsidiado pela Lei de Redução da Inflação de Biden , enquanto o desdém pela cultura ' anticultural' da UE se acumula em todo o mundo (a saber: as travessuras europeias na Copa do Mundo de futebol no Catar).

Então, o que para a Europa (com o poder econômico perfurado e o soft power desdenhado)?

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub